Compositores desconhecidos – Erich Korngold – por Paulo Rato

ERICH KORNGOLD (Brno, 1897 – Hollywood, 1957)

 “Música é música, seja para o palco, a tribuna, ou o cinema. A forma pode mudar, a maneira de escrever pode variar, mas o compositor não pode fazer concessões, seja o que for que conceba como sendo a sua própria ideologia musical” (entrevista de 1946)

 

 

 

Erich Wolfgang Korngold nasceu em 29 de Maio de 1897, em Brünn, cidade da Morávia, então integrada no Império Austro-Húngaro e, actualmente, na República Checa, denominada Brno(1).

 

Filho de um eminente crítico de música (razão da mudança da família para Viena em 1901), foi uma criança-prodígio, que começou a compor aos 8 anos e tocou, em 1907, a sua cantata Gold para Mahler, que o considerou um génio e recomendou ao pai que contratasse Zemlinsky como mentor do pequeno Erlich.

 

Aos 11 anos compôs o bailado Der Schneemann, que causou sensação quando da sua estreia na Ópera de Viena em 1910. Seguiu-se um Trio com Piano e a notável Sonata para Piano N.º 2, em Mi maior, que Artur Schnabel estreou e levou a toda a Europa.

 

As suas primeiras obras orquestrais, a Schauspiel Ouvertüre e a Sinfonietta, de 1912, impressionaram fortemente Richard Strauss, que afirmou que era quase assustador pensar que tais obras tinham sido compostas por um adolescente, tendo em conta a firmeza do estilo, o domínio da forma, a expressão individual e a estrutura harmónica. Puccini acolheu com semelhante entusiasmo a sua primeira ópera, Violanta, a que se seguiu uma segunda – também em um Acto – Der Ring des Polykrates, cujo êxito cimentou o prestígio do jovem de 19 anos.

 

Prestígio que aumentou ainda mais com a criação da sua obra-prima operática, Die tote Stadt (A Cidade Morta), composta com apenas 20 anos e aclamada por todo o mundo. No entanto, a sua música, se bem que inovadora, começou a perder progressivamente o apoio do público, na agitada vida cultural da Viena de então, em favor de estilos considerados “mais modernos”.

 

Nos anos seguintes continua a empenhar-se em várias actividades, como compositor, maestro e Professor da Academia de Música de Viena.

 

Em 1934 desloca-se a Hollywood, a convite de Max Reinhardt, com quem já colaborara em Viena, para adaptar a música de cena “Sonho de Uma Noite de Verão”, de Mendelssohn, para uma versão fílmica desta peça de Shakespeare. Começava aí uma segunda e absorvente carreira, que lhe valeu ser considerado o “pai da moderna música de cinema”.

 

O avanço do nazismo e a anexação da Áustria, que impede, mesmo, a estreia da sua 5.ª ópera, Die Kathrin, contribuíram decisivamente para a sua permanência em Hollywood, a partir de 1938. Aí compôs algumas das melhores partituras para cinema da história da 7.ª Arte, introduzindo novos conceitos da função da componente musical nos filmes. Ganhou dois Óscares e foi nomeado mais duas vezes. Entretanto, aproveitava os rendimentos que essa actividade lhe proporcionava para apoiar muitos dos refugiados das perseguições nazis. Em 1946, disse adeus à indústria cinematográfica, regressando à composição musical pura, onde, no entanto, ecoam memórias da anterior actividade, já que recorreu a temas e motivos de várias das suas partituras para filmes para criar os concertos para Violino Op. 35 (estreado em 1947, com Jascha Heifetz como solista) e para Violoncelo Op. 37, bem como a Serenata Sinfónica Op. 39.

 

Regressado a Viena, foi confrontado com o esquecimento e incompreensão da sua obra, para o que terá contribuído um juízo depreciativo sobre o seu trabalho “menor” na indústria do cinema. Os últimos anos de vida passou-os entre desiludidos retornos à América e regressos à sua Viena, onde as suas obras continuaram a ser mal acolhidas. Ainda voltou a colaborar num último filme, uma biografia de Wagner produzida em Berlim. Em 1956, um AVC deixou-o parcialmente paralisado. Mas ainda preparava a sua segunda Sinfonia e uma nova ópera, quando morreu, em Hollywood, a 29 de Novembro de 1957. Durante muitos anos, a obra daquele que terá sido o último dos grandes compositores românticos, foi minimizada e esquecida.

 

No final dos anos 60 do século passado, porém, o lançamento de um LP com a sua música para cinema, dirigida por Lionel Newmann, desencadeou um movimento de redescoberta dessa obra. Muitas das suas criações regressaram às salas de concertos e começaram a ser gravadas. E o enorme êxito da reposição de “Die tote Stadt”, em 1975, consagrou, esperemos que irreversivelmente, esta redescoberta de um grande compositor. Três exemplos da música de Korngold: – A “Canção de Marietta”, da ópera “Die tote Stadt”, magnificamente interpretada por Anne Sofie von Otter, numa gravação ao vivo, datada de 2000, no Théâtre Musical de Paris – Châtelet .

 

 

(Entre as interpretações que encontrei no Youtube, o meu coração balança entre esta e a de Renée Fleming…) – O segundo andamento – Romance: Andante – do Concerto para Violino N.º 2, por Anne-Sophie Mutter, com a London Symphony Orchestra e o maestro André Previn

 

 

 

E “Reunion”, da banda sonora do filme “The Sea Hawk” (O Gavião dos Mares), um dos mais famosos filmes protagonizados por Errol Flynn.

 

 

 

(1) Para os interessados nestas minúcias: [ˈbr̩no] (um “e” mudo brevíssimo a seguir ao “b”, “r” de “aro”, rolado e também breve, um “o” aberto na sílaba final – “nó” – resultam numa pronúncia bastante aproximada do nome da 2.ª cidade da República Checa).

About these ads

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 1.289 outros seguidores

%d bloggers like this: