Carta de Braga –“de Steiner, poemas e árvores’ por António Oliveira

Esta estória tem umas dezenas de anos, contada pelo grande e recentemente falecido filósofo George Steiner, que foi professor em Cambridge e outras universidades europeias, ensaísta, escritor e crítico literário.

Nascido em 1929, em Paris, licenciou-se em Chicago, fez o doutoramento em Oxford e é considerado hoje como um dos símbolos maiores da grande cultura europeia.

Tem um currículo imenso tanto em ensaios como em obras de ficção e esta estória contou-a ele ao jornalista e editor francês, Antoine Spire.

Seguindo a narrativa de Steiner, no tempo de Leonid Brézhnev, frequentava a universidade uma jovem russa especialista em literatura romântica inglesa.

Afirma Steiner que a meterem num calabouço, sem luz, sem papel nem lápis, devido a uma denúncia idiota e completamente falsa, mas já nem interessava esclarecê-lo.

Só que a jovem russa sabia de memória, os mais de trinta mil versos do ‘Dom Juan’ de Lord Byron e, na obscuridade, traduziu-o em rimas russas.

Quando saiu da prisão, já com a visão perdida por completo, ditou a uma amiga a tradução daquela obra e, afirma Steiner, ainda é hoje a grande tradução russa de Byron.

Uma outra estória li-a num jornal que dá conta de um cineasta ter feito um documentário sobre um homem com 67 anos que, todos os dias, faz oito quilómetros em cadeira de rodas, só um triciclo em madeira, puxado com as mãos e um volante rudimentar, para ir plantar árvores.

É a sua actividade há 50 anos e já deve ter plantado mais de um milhão e duzentas mil árvores. Uma doença infecciosa inutilizou-lhe as pernas mas, todos os dias percorre oito quilómetros no triciclo, para ir e vir ao viveiro onde planta as árvores.

Vive num povo ignorado do Burkina Faso, um país que a maioria das pessoas nem sequer deve saber que existe e faz aquele trabalho por ‘sentir que o necessitava’.O cineasta trouxe-o uma vez à Europa e Daniel Balimà espantou-se com a quantidade de rios a árvores e ‘vocês não são conscientes da riqueza da natureza que têm no vosso país’.

Hoje seria impossível pensar, por aqui, na existência de uma jovem ou um jovem como aquela russa, de um homem como Daniel Balimà pois, diz Zygmunt Bauman, já se apagaram as realidades sólidas de antes, para dar lugar ao precário, ao transitório e ao efémero.

Vivemos uma hibridação, uma mistura quase total da vida privada e da profissional, em que a privacidade corre sérios riscos de passar para segundo plano, numa sociedade onde não se pode confundir o híbrido com o líquido, como ele definiu a modernidade.

A modernidade, o híbrido, não é mistura, nem mestiçagem, nem fusão, é algo de novo que ainda vai precisar de muito tempo para o entendermos, pois tudo se fragmenta à nossa volta, com uma maioria a olhar para as coisas com dúvida e espanto.

E a pairar bem por cima disto, ainda as palavras de Bauman, ‘a cultura da modernidade líquida já não tem um populacho para instruir ou engrandecer, mas clientes para seduzir!

António M. Oliveira

Não respeito as normas que o Acordo Ortográfico me quer impor

 

6 comments

  1. C.Leça da Veiga

    Modernidade ou contemporaneidade?Onde já vai a idade moderna!!! Abraço do CLV

    Gostar

  2. António Oliveira

    Não tenho resposta! Limito-me a usar as expressões da Bauman!
    Mas a modernidade (não a idade moderna!) ainda não chegou a muito sítio, quanto mais a contemporaneidade!
    Abraço
    A.O.

    Gostar

  3. C. Leça da Veiga

    Se vingarem as expressões que cada qual entende como mais acertadas será difícil haver uma troca de impressões.A modernidade, o modernismo e a modernização – sucessivamente – desde o século XVIII para cá, bem vistas as coisas, não foram tão benéficas como querem parecer Abraço do CLV

    Gostar

  4. António Oliveira

    Estas Cartas pretendem ser apenas isso, uma troca de impressões!
    Mas mesmo não sendo muito benéfica, a evolução do pensamento deixou marcas profundas.
    Pena é que, por contras variados, não tenham chegado a quem devia, os mais desfavorecidos.
    Agora asistimos a um renascimento agressivo de uma barbárie que também deixou raízes, que vão crescendo talvez imparavelmente, beneficiando disso mesmo.
    Abraço
    .A.O.

    Gostar

  5. C. Leça da Veiga

    As marcas profundas prosseguem a sua marcha sinistra e, para tanto e tal, sabem utilizar termos que importa não reproduzir. Para que, pelo menos, tudo fique na mesma, quem manda nisto tudo refugia-se numa terminologia de conveniência. Veja-se o montanheiro algarvio e o seu empenho na modernização .O fascismo tinha-se batido pelo modernismo e o iluminismo, a seu tempo, pele modernidade. E os desfavorecidos, esses, não deixaram de sê-lo mas, acontece, são é mais! Abraço do CLV

    Gostar

  6. António Oliveira

    Os montanheiros, algarvios ou não, vão fazendo história no lixo deste país.
    Mas têm sempre lugar garantido nos “media” que temos e, se calhar, merecemos!
    Os desfavorecidos atraídos pelas promessas ocas que eles veiculam, aproximam-se de um
    chega sem sabero que significa!
    E são de mais mas, canpo fértil, para plantar ignomínias!
    E os anos vinte do século passado não estão assim tão longe, mas a História e a Filosofia foram
    afastadas (com que propósitos?) do ensino.
    Abraço do A.O.

    Gostar

Deixe uma Resposta para António Oliveira Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: