ELEIÇÕES NOS ESTADOS UNIDOS EM 2020 – O QUE NOS ESPERA – X – DEMOCRATAS DECLARAM GUERRA CONTRA BERNIE SANDERS – TALVEZ GANHEM UMA VEZ, PARA VARIAR – por ALEX PAREENE

Democratic Hawks Declare War on Bernie Sanders, por Alex Pareene

The New Republic, 31 de Janeiro de 2020

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota

O primeiro anúncio abertamente anti-Bernie Sanders da campanha primária democrata está agora no ar em todo o Iowa, graças a um anúncio pago de $680.000 pelo  braço do PAC da Maioria Democrática para Israel, um grupo fundado para contrariar o crescente ceticismo do Partido Democrata em relação ao governo israelita.

Coincidentemente, na quarta-feira, no mesmo dia em que o anúncio foi para o ar na televisão de Iowa, o presidente Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelita  Benjamin Netanyahu, revelou o seu “plano de paz” para Israel e Palestina. Os palestinianos rapidamente rejeitaram a proposta, mas de acordo com a longa tradição bipartidária de que “não há luz do dia” entre os governos israelita  e americano, muitos líderes do Partido Democrata se recusaram a criticá-la. A porta-voz da Câmara, Nancy Pelosi, até pareceu cautelosamente otimista sobre o plano, chamando o mapa de retalhos esboçado pela administração Trump para um futuro Estado palestino de “base para a negociação”.

A maioria dos candidatos à nomeação democrata foi, talvez surpreendentemente, mais cética. “O ‘plano de paz’ do Trump é um selo de borracha para a anexação e não oferece nenhuma chance para um verdadeiro Estado Palestiniano”, disse a campanha da Senadora Elizabeth Warren no Twitter. “Lançar um plano sem negociar com  os palestinianos não é diplomacia, é uma farsa”. Eu opor-me-ei  à anexação unilateral sob qualquer forma – e reverterei qualquer política que a apoie”.

Até a campanha do Joe Biden insinuou que ele rejeitaria o acordo. “Esta é uma manobra política que poderia desencadear movimentos unilaterais para anexar o território e atrasar ainda mais o processo de  paz”, escreveu ele no Twitter.

Biden é – e tem sido durante quase toda a sua carreira – um dos defensores mais fortes do governo israelita  no Partido Democrata. Mas será que o seu ceticismo sobre o “plano de paz” sugere que o partido está a passar  por uma mudança radical na sua relação com Israel? Se assim fosse, a Maioria Democrática para o super PAC de Israel certamente estaria a lançar  anúncios de ataque contra uma série de candidatos, não apenas Sanders, e ainda assim o senador do Vermont continua a ser o seu único alvo. Eles devem vê-lo, e só a ele, como uma ameaça especial.

Esta dinâmica vai para além da relação da América com Israel. O establishment  da política externa democrata mobilizou-se contra apenas um candidato presidencial nesta primária, e é porque ele é o único que o afastaria da sua administração.

Nick Confessore do New York Times disse recentemente: “Não existe tal coisa como um establishment  democrata”. (Mais tarde ele esclareceu, mais ou menos, dizendo que existe um, mas que é “semi-desorganizado” e largamente ineficaz). Então, como se ele quisesse provar que Confessore estava errado, Tom Perez, o presidente do Comité Nacional Democrático, publicou as suas nomeações para os comités da Convenção Nacional Democrática de 2020. As listas estão preenchidas  com os membros da indústria e lobistas, consultores e pessoas que fazem parte dos conselhos de administração de muitas das mesmas companhias de seguros de saúde e farmacêuticas que as campanhas democráticas mais progressistas prometeram controlar ou mesmo suprimir. Estas pessoas vão gerir a convenção e ajudar a determinar a sua plataforma. Mas o que eles realmente estão a fazer  é baterem-se por uma posição na próxima administração – seja para eles mesmos ou em nome de seus negócios e clientes empresariais. .

Um membro do comité da plataforma é Meghan Stabler, executiva de comércio eletrônico e ativista LGBT de longa data – que também faz parte (como notou Dave Weigel, do Washington Post) do conselho da Maioria Democrática de Israel. Perez tinha, por outras palavras, pedido a alguém envolvido num  grupo de dinheiro negro que está atualmente a financiar  anúncios de ataque contra um dos líderes democratas para ajudar a criar a plataforma do partido.

Isto é o que o “establishment ” amorfo parece de uma ponta à outra. Por outro lado, para além dos funcionários eleitos e doadores, está a classe dos funcionários semipermanentes que povoam as administrações democratas e se desenterram para fazerem parte dos think tanks  (ou até mesmo em nomeações  “sujas”) quando estão fora do poder. Quando se trata de política externa em particular, as pessoas disponíveis para contratação têm geralmente ocupado um cargo numa administração anterior, razão pela qual os presidentes democratas nunca parecem ser capazes de romper com o consenso da política externa. Eles podem justificar  as suas decisões de política externa com argumentos liberais, internacionalistas e não neoconservadores, mas o resultado é sempre o mesmo: intervencionismo e militarismo.

O objetivo de uma organização como o Center for American Progress, o bem financiado think tank liberal, é criar tanto uma agenda como uma equipa para a próxima administração. Em matéria de política externa, não se trata tanto de criar ou de  defender novas ideias, mas de determinar quais as ideias que são ouvidas. Há algumas semanas, o CAP realizou uma “Conferência de Segurança Nacional Progressista”, que descreveu como um “esforço para desenvolver um plano de 100 dias acionável e pronto para utilização, delineando as ações executivas, prioridades diplomáticas e atividades de implementação de políticas que serão fundamentais para o avanço de uma agenda progressiva de segurança nacional e política externa em 2021”.

Os participantes eram desde a gama de ex-conselheiros Clinton de topo até aos ex-membros da administração Obama: Jake Sullivan, Samantha Power, Michele Flournoy, Denis McDonough, a Embaixadora Susan Rice, e uma série de ex-funcionários do Pentágono e do Departamento de Estado que esperavam e esperam que o próximo presidente comece onde  o seu antigo chefe parou. O CAP está a promover, por  outras palavras, uma restauração.

Simplesmente retomar a partir de onde parámos pode ser uma ideia atraente se acreditarmos  que os democratas tinham uma política externa convincente própria antes de Trump ser eleito e que o consenso de segurança nacional estava, em geral, funcionando bem. Mas se por acaso acredita que devemos questionar esse consenso à luz, digamos, dos Documentos do Afeganistão, ou da guerra que os Estados Unidos patrocinaram no Iémen, ou da nossa presença militar contínua no Médio Oriente, não é provável que encontre muitos que partilhem as suas opiniões quanto ao  establishment liberal de Washington.

De todas as diferenças entre Sanders e o resto dos líderes democratas, uma se destaca: Ele rejeita o consenso da política externa democrata e, mais importante, as pessoas específicas que o dirigiram durante décadas; os outros candidatos não. Sanders não é um anti-imperialista radical nem um pacifista comprometido. Na sua maioria, as suas opiniões parecem ser muito mais moderadas do que os seus críticos sugerem. Mas ele é claramente um cético natural do poder americano – e em Washington, tal ceticismo é tão raro que muitas vezes passa por radical. A pessoa que talvez tenha feito mais para orientar a plataforma de política externa de Sanders durante esta eleição é o seu principal assessor de política externa, Matt Duss. Ao contrário de quase todos os outros conselheiros de campanha contratados pelo resto do campo para ajudar a criar as suas plataformas de política externa, Duss é um externo a este meio  e outro cético natural do poder americano.

Elizabeth Warren é a candidata cuja linguagem de política externa mais se assemelha à de Sanders: ela também promete fazer coisas boas, ou menos más, com o poder americano. Mas sobre este assunto, mais ainda do que sobre outros, escolher o pessoal é política: a sua equipa é composta pelo tipo de pessoas que estiveram no comando e que estariam no comando em qualquer outra administração democrática convencional. O recente olhar da CNN sobre suas crenças em política externa descreveu a  sua campanha como atraindo “vários diplomatas de carreira que dizem que Washington, como um conselheiro a descreveu, está a precisar  urgentemente de um ‘repensar substancial’ de como conduz a política externa”. Mas as pessoas designadas para esse repensar são, em grande parte, as que pensaram primeiro. Quase todos os participantes daquele evento do PAC poderiam passar sem grandes  problemas para uma administração Warren.

A sua principal assessora de política externa, Sasha Baker, é uma “ex-Chefe de Gabinete do ex-Secretário da Defesa Ash Carter”. Outro conselheiro é Ilan Goldenberg, “ex-chefe de gabinete do Enviado Especial para as Negociações Israelo-Palestinianas no Departamento de Estado de Obama”. E Jarrett Blanc, “ex-coordenador para a implementação nuclear iraniana no Departamento de Estado e representante especial em exercício para o Afeganistão e Paquistão sob o Presidente Barack Obama”.

E mais:

Blanc assumiu um papel de liderança no recrutamento  de um grupo de conselheiros externos de política externa ajudando a campanha Warren. De acordo com a campanha, inclui Alexandra Bell, ex-conselheira sénior da Subsecretaria de Estado para o Controlo de Armas e Segurança Internacional, Brittany Brown, ex-directora sénior para os Assuntos Africanos no Conselho de Segurança Nacional, Hady Amr, ex-enviado especial  adjunto para as negociações israelo-palestinianas, Mike Fuchs, ex-secretário de Estado adjunto para os Assuntos da Ásia Oriental e Pacífico e Laurel Miller, ex-representante especial em exercício para o Afeganistão e Paquistão.

Todas estas pessoas são presumivelmente bem intencionadas e querem fazer do mundo um lugar melhor, e obviamente juntaram-se à campanha de Warren por causa da sua experiência e competência. Mas essa deferência meritocrática à experiência de establishment já colocou os Estados Unidos em apuros antes. Barack Obama também concorreu à presidência como crítico do establishment  da política externa americana (o seu principal assessor de política externa até lhe deu o apelido de The Blob). Mas Obama também procurou recrutar conselheiros experientes em política externa que aderiram à visão de status quo quanto  ao  lugar da América no mundo: sempre  conciliador, ele fez do falcão Hillary Clinton o seu primeiro secretário de estado e deixou um republicano a cargo do Departamento de Defesa durante grande parte do seu primeiro mandato. Ele deixou que o seu vice-presidente (outro atual candidato à nomeação democrata) minasse seriamente as suas tentativas de controlar Benjamin Netanyahu e fez repetidamente coisas que lhe pareceram instintivamente ter de  resistir  – como intensificar a guerra no Afeganistão e apoiar a guerra saudita no Iémen – porque os profissionais sérios da sua administração o convenceram de que não tinha alternativa.

Warren poderia muito bem repetir esses erros se ela enchesse a sua administração com o mesmo tipo de pessoas que trabalham na sua campanha. Mas parece duvidoso que Sanders fizesse o mesmo, considerando o tipo de pessoas que o aconselham agora. Essa lista inclui algumas escolhas bastante convencionais, incluindo um ou dois veteranos de Obama, mas também inclui especialistas respeitados que não fazem parte da indústria de segurança nacional democrata existente. O seu Gabinete e administração provavelmente não se pareceriam com o de Obama – haveria menos pessoas tentando convencê-lo a tomar a abordagem convencional e intervencionista – e nesse sentido, isso representará uma rutura significativa com o status quo.

É talvez por isso que os infiltrados do partido estão a tentar tanto parar  Sanders, enquanto ignoram os outros candidatos democratas. A agenda doméstica de Warren pode representar uma ameaça tão grande para os líderes empresariais e executivos de companhias de seguros como a de Sanders, mas será (é o que eles imaginam) mais fácil parar no Congresso e nos tribunais. Para The Blob, uma presidência de Sanders pode significar ficar fora do poder. Para o resto de nós, esse pode ser o argumento mais convincente para a sua candidatura.

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: