Os epidemiologistas entre dois muros: o mundo biológico e o mundo financeiro – Para além do Coronavírus: Compreender a Propagação de Doenças Infecciosas e Mobilizar Soluções Inovadoras . Por Peter Hotez

Espuma dos dias cientistas entre dois mundos

Da história impensável da descoberta da vacina contra o Ébola ao Covid 19

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota

 

Para além do Coronavírus: Compreender a Propagação de Doenças Infecciosas e Mobilizar Soluções Inovadoras 

Testemunho de Peter Hotez, M.D., Ph.D., perante o Comité de Ciência, Espaço e Tecnologia da Câmara dos Representantes dos EUA, em 5 de março de 2020

Baylor College of Medicine  National School of Tropical Medicine ver aqui.

Peter Hotez Peter Hotez, Reitor fundador da National School of Tropical Medicine, Professor de Pediatria e Virologia Molecular e Microbiologia no Baylor College of Medicine, onde é Director do Texas Children’s Hospital Center for Vaccine Development e do Texas Children’s Hospital Endowed Chair in Tropical Pediatrics.

 

Presidente Johnson, alto Membro Lucas, e Distintos Membros do Comité:

Os meus agradecemos pela oportunidade de fazer observações perante o comité. Ao longo dos anos, testemunhei inúmeras vezes tanto perante as comissões da Câmara como do Senado, e continua a ser para mim uma emoção especial estar aqui em Washington DC para discutir como a ciência pode ajudar a moldar as políticas nacionais. Sou cientista em vacinas e em pediatria, e durante a última década servi como Professor de Pediatria e Reitor da Escola Nacional de Medicina Tropical, onde também sou co-director (juntamente com a minha parceira científica de 20 anos, Dra. Maria Elena Bottazzi) do Texas Children’s Hospital Center for Vaccine Development. No Baylor College of Medicine e Texas Children’s desenvolvemos vacinas para doenças tropicais negligenciadas e infeções emergentes.

Por vezes digo que fazemos as vacinas que mais ninguém fará porque se destinam a doenças de extrema pobreza – como a esquistossomose, a doença de Chagas, ou a leishmaniose – ou a ameaças pandémicas e para constituição de reservas. Além disso, em 2015-16, servi como Enviado Científico do Departamento de Estado e da Casa Branca dos EUA para concentrar-me no desenvolvimento de capacidades de criação de vacinas no Médio Oriente e no Norte de África. Também escrevo livros, e como pai de uma filha adulta com autismo sou simultaneamente um defensor da vacina e do autismo, e o autor de Vaccines Did Not Cause Rachel’s Autism (Johns Hopkins Univ Press).

Relevante para a audiência de hoje, quero enfatizar como os investimentos em investigação e desenvolvimento nos EUA podem contribuir para a prevenção global e para a resposta da nossa nação às doenças infeciosas. Um dos programas de nosssa autoria no Baylor College of Medicine e Texas Children’s é um programa de vacina contra o coronavírus. Através do apoio do NIAID, NIH e em colaboração com a Walter Reed Army Institute of Research e o Laboratório Nacional Galveston, desenvolvemos, testámos e fabricámos um antigénio de vacina proteica recombinante muito promissor para prevenir o SARS (síndrome respiratória aguda grave), que surgiu no sul da China e causou uma pandemia em 2003. Também desenvolvemos um antigénio de vacina proteica recombinante para o MERS (síndrome respiratório agudo do Médio Oriente). E agora, estamos a desenvolver uma nova vacina proteica recombinante para a nova COVID19 também conhecida como SARS CoV2, ou apenas SARS-2. Além disso, estamos a realizar estudos para ver se a nossa vacina inicial que desenvolvemos e fabricámos para o SARS poderia ser reorientada para esta nova epidemia/pandemia da SARS -2.

A nossa experiência no desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus forneceu alguns conhecimentos sobre onde se encontram as lacunas em termos de preparação de emergência da nossa nação. Tenho 5 breves observações que gostaria de partilhar:

  1. Temos de reconhecer que ameaças pandémicas como SARS 2 vão muito além da saúde pública. Como tem sido noticiado em múltiplos noticiários, a epidemia na China Central prejudicou gravemente a economia chinesa, os mercados asiáticos em geral, e tem mesmo promovido agitação política. A questão é que estamos perante dezenas de milhares de milhões de dólares em prejuízos para a economia chinesa porque não houve investimento ou interesse adequados em vacinas contra o coronavírus. Nos EUA, temos uma vulnerabilidade semelhante.
  2. Deixem-me dar um exemplo. Através do apoio do NIAID NIH, desenvolvemos e fabricámos uma promissora vacina contra a SARS. Utilizou tecnologia padrão de proteínas recombinantes, semelhante à tecnologia utilizada para licenciar as atuais vacinas contra a hepatite B e HPV. A vacina era protetora contra infeções de SARS em animais de laboratório, trabalho feito no GNL, e parecia maximizar a segurança ao minimizar o que é conhecido como imunopotenciação, um problema que por vezes atormenta a vacina contra coronavírus assim como outras vacinas contra vírus respiratórios.

O problema era este: quando terminámos o fabrico da vacina contra o SARS, já não havia interesse no SARS como uma ameaça para a saúde pública. Não havia transmissão do SARS em lado nenhum e não podíamos atrair mais investimentos públicos e privados para a levar a cabo através de ensaios clínicos e licenciamentos. No final, a indústria não está interessada em investir numa vacina, que teria de armazenar. Ninguém quer investir num produto concebido para NÃO ser utilizado. Contudo, como as informações de Janeiro de 2020 mostraram que o SARS e o SARS 2 eram cerca de 80% semelhantes e os dois vírus estavam ligados ao mesmo recetor humano nos pulmões, tornou-se claro que havia a possibilidade de podermos voltar a utilizar a nossa vacina contra o SARS 1 para combater o SARS 2. O NIAID NIH está agora a ajudar-nos com alguns fundos para fazer avançar este conceito, e estamos a aplicar a outras organizações como a CEPI e mesmo o British Medical Research Council (MRC). Mas a questão é que, se isso tivesse sido feito anteriormente, poderíamos potencialmente ter uma vacina pronta a ser utilizada agora. Potencialmente, poderia ter resgatado a economia chinesa poupando milhares de milhões de dólares, ou mesmo a economia dos EUA, caso a SARS 2 viesse a ter uma posição nos EUA, como previsto pelo Dr. Redfield, o Director do CDC. Um investimento de alguns milhões de dólares para ensaios clínicos e armazenamento desta vacina, poderia ter poupado dez mil milhões ou até talvez cem mil milhões de dólares – uma taxa de retorno de 10.000 a 100.000 a 1, e ao fazê-lo estabilizaria a nossa economia global.

  1. Temos de reconhecer que as vacinas para as infeções negligenciadas e emergentes caem através das brechas porque não são uma prioridade para as farmacêuticas e biotecnológicas. Precisamos de investimentos em parcerias de desenvolvimento de produtos sem fins lucrativos e de base académica, tais como o nosso centro na nossa Escola Nacional de Medicina Tropical no Baylor College of Medicine e Texas Children’s ou um punhado de outros como o PATH em Seattle, a Universidade de Maryland CVD, para citar alguns. Esses fundos seriam utilizados para apoiar o que chamamos uma “base quente” de cientistas em centros de excelência para produzir vacinas necessárias para a saúde e segurança global da nossa nação.
  2. Não creio que todos os fundos para isto devam vir do Governo dos EUA. No meu livro de 2016 intitulado “Blue Marble Health: An Innovative Plan to Fight Diseases of Poverty Amid Wealth” (Johns Hopkins Press) fiz a observação de que, para surpresa de muitos, a maior parte das ameaças globais à saúde provenientes de doenças emergentes e negligenciadas ocorre de facto dentro das nações do G20, especialmente os pobres que vivem nas nações do G20. Contudo, na sua esmagadora maioria, o apoio público às inovações globais em matéria de saúde, incluindo vacinas, provém apenas de três fontes, os governos dos EUA e do Reino Unido e, em certa medida, da União Europeia. Atualmente, estas três entidades fornecem 86% do financiamento público de acordo com o Policy Cures G-FINDER Report. De alguma forma, precisamos de envolver as outras nações do G20, particularmente as nações BRICS, tais como a China, Rússia, Brasil e Índia, bem como o Japão e outras. Precisamos que eles intensifiquem a sua participação, e isto precisa de ser priorizado numa futura Cimeira do G20. Esta questão não tem estado no ecrã do radar dos líderes e dos assessores do G20, mas depois do que vimos acontecer na China, creio que o nosso Presidente e o Departamento de Estado devem fazer disto uma prioridade.
  3. Finalmente, em relação SARS 2 na América, estou preocupado. Sem uma vacina em mãos, será difícil combater este vírus. É uma luta com uma mão atada atrás das nossas costas. Temos também o problema de parecer cada vez mais provável que possamos precisar de combater tanto a gripe como o SARS -2 em simultâneo. Esta tem sido uma má época de gripe na América, e de acordo com o CDC, é provável que continue a durar semanas ou meses. Tragicamente, mais de 14.000 americanos, incluindo 100 crianças, morreram até agora de gripe nesta estação, e embora ainda não tenhamos os dados finais, parece que muitos, se não a maioria, desses adultos e crianças não foram vacinados, apesar das recomendações do CDC. Temos um problema neste país com um movimento agressivo, organizado e bem financiado de antivacinas que espalha desinformação sobre a vacina da gripe. Também estou preocupada com o sarampo. Devido ao movimento antivacina do ano passado, o sarampo regressou aos EUA depois de ter sido eliminado no ano 2000. Por exemplo, a epidemia em NY resultou em mais de 50 hospitalizações, incluindo 18 internamentos em unidades de cuidados intensivos (UCI). Historicamente, o sarampo atinge picos no final do Inverno e início da Primavera, ou seja, por volta desta altura. Como escrevi recentemente numa página de opinião da Fox News , se as nossas agências de saúde locais e estaduais tiverem de combater simultaneamente a SARS 2, a gripe e o sarampo, perderemos simplesmente, e isto terá um impacto terrível na economia da nossa nação. Por conseguinte, terei todo o prazer em discutir, conforme vossa conveniência, formas de este Comité poder assumir um papel ainda maior no combate aos movimentos anti-ciência.

A América enfrenta uma série de desafios nas próximas semanas. Estamos a assistir agora ao início da propagação nas comunidades em bolsas por todo o país. É trágico que não tenhamos uma vacina pronta para esta epidemia – e praticamente falando, estaremos a combater estes surtos com uma mão atada nas nossas costas. A boa notícia é que temos as melhores universidades e instituições de investigação que o mundo já viu, e sou otimista de que acabaremos por nos reagrupar para resolver problemas importantes. Obrigado pela oportunidade de partilhar convosco algumas ideias hoje.

 

 

Leave a Reply

%d bloggers like this: