A ECONOMIA MUNDIAL NO CAOS. QUEM VAI PAGAR A CRISE? – por MICHEL HUSSON

 

 

 

L’économie mondiale en plein chaos. Qui va payer la crise? por Michel Husson

Contretemps – Revue de critique communiste, 15 de Maio de 2020

Artigo publicado primeiro em  À l’Encontre. 

Selecção e tradução de Júlio Marques Mota 

 

“Qualquer criança sabe que qualquer nação morreria, que deixaria de trabalhar, não quero dizer durante um ano, quero dizer mesmo durante algumas semanas”.

 

A pandemia perturbou profundamente a economia mundial. Em vez de tentar fazer previsões, este artigo gostaria de mostrar porque é que este é um exercício impossível. A lógica desta crise é, de facto, sem precedentes, e a sua saída dependerá não só de fatores económicos, mas também de factores de saúde e sociopolíticos. As consequências desta crise para a gestão da dívida na Europa serão discutidas em maior profundidade.

A desarticulação da economia

Esta crise é incrivelmente brutal, como ilustrado, entre outros, por este gráfico espectacular que mostra o número de desempregados registados nos Estados Unidos1 .

Tínhamos salientado num texto anterior que “o coronavírus não infecta um organismo saudável, mas um organismo que já sofre de doenças crónicas”2. No entanto, o impacto da crise não pode ser totalmente explicado pelas fraquezas do sistema que efetivamente existe. Além disso, pode-se pensar que a pandemia teria tido efeitos violentos em qualquer caso, mesmo numa economia “saudável”. Esta crise não teve origem na esfera financeira, mas diretamente na chamada economia “real”. Por conseguinte, não pode ser analisada da mesma forma que a crise anterior, a de 2008. De facto, são as relações produtivas que foram diretamente bloqueadas, pelo que os canais de transmissão são completamente diferentes.

Os economistas distinguem facilmente entre “choques de oferta” e “choques de procura”, mas esta distinção, que provavelmente nunca fez muito sentido, não faz claramente qualquer sentido no caso desta crise. É o conjunto de padrões de reprodução – para utilizar uma noção marxista – que tem sido desarticulado. O que é importante na análise de Marx é que as condições desta reprodução dizem respeito tanto à produção de mercadorias – e de mais-valia (“oferta”) – como à procura social capaz de “realizar” esta mais-valia. Mas as condições para esta reprodução já não estão asseguradas nas atuais circunstâncias.

Basta olhar para as diferentes componentes desta oferta e procura para compreender porquê. O efeito imediato do confinamento é uma queda no consumo e na produção: as empresas são encerradas e, portanto, deixam de produzir, as lojas são encerradas e os consumidores são confinados. Os investimentos estão obviamente parados devido à queda das carteiras de encomendas, mas também devido à incerteza quanto às perspectivas. Finalmente, o comércio mundial encolheu. Podemos ver a interacção indissolúvel entre oferta e procura, que as previsões oficiais não têm em conta.

Não é uma retoma em “V”

O ponto de partida aqui são as últimas previsões da Comissão Europeia (as do FMI não são qualitativamente diferentes) 3 . O quadro seguinte mostra que, para todos os países, a Comissão prevê uma recuperação em “V”, ou seja, uma queda em 2020, seguida de uma recuperação em 2021 : -7,7% em 2020 e depois +6,3% em 2021 para a zona euro.

Os dados para 2020 são provisórios e ilustram a magnitude do choque. No entanto, como se trata de valores de crescimento médio anual, estes pressupõem implicitamente uma enorme recuperação já no segundo semestre do ano. No caso da França, o Governo elaborou o seu último orçamento com base no pressuposto de um declínio de 8% do PIB para 2020, mas, dado o declínio já registado, tal equivale a postular um crescimento muito improvável de 35% no terceiro trimestre e de 16% no quarto4 .

Na sua intimidade, os economistas estão (ou deveriam estar) preocupados com esta “economia do buraco negro 5” . Com efeito, postulam que o desconfinamento será total a partir do segundo semestre de 2020. Mas isto ignora uma característica essencial desta crise, a de combinar dois mecanismos: a paragem da economia – uma recessão que poderia ser chamada “normal” se não fosse excecionalmente violenta – e uma crise sanitária que induz um ciclo específico. Por outras palavras, a recuperação será condicionada por fatores extra-económicos que poderão desencadear flutuações em forma de onda. Esta foi a hipótese formulada numa contribuição anterior6, corroborada por um estudo recente7, do qual se extrai o gráfico seguinte: este ilustra a possível trajetória do número de pessoas infectadas no cenário menos pessimista.

“Todos os nossos cenários em forma de V foram postos de lado”, reconhece um economista de empresa8 .  Em suma, parece estar excluída uma recuperação em forma de V porque a recessão económica tem sido brutal, enquanto que o desconfinamento será necessariamente gradual. Além disso, existem fatores económicos que dificultam uma rápida recuperação.

O confinamento global

A desarticulação das cadeias de valor globais irá bloquear permanentemente o comércio de mercadorias. A crise anterior já tinha conduzido a um declínio duradouro do seu crescimento: a partir de 2011, a tendência é inferior à verificada entre 1990 e 2008, como mostra o gráfico abaixo. A crise atual terá o mesmo efeito a curto prazo e é o cenário pessimista da OMC (Organização Mundial do Comércio) 9  que parece mais provável: também aqui, não há regresso à tendência anterior.

A isto vêm juntar-se as repercussões da crise nos países do Sul. Ao contrário dos receios, a pandemia propagou-se relativamente pouco em África até agora, o que é uma sorte. Mas em muitos países do Sul, há mais medo da fome do que do vírus, porque a crise está a reduzir a atividade económica e os recursos disponíveis10 .  Além disso, as cadeias de abastecimento alimentar, que são altamente globalizadas, foram, tal como outras, desorganizadas11.

“O choque do Covid-19 apenas destaca o que já era uma crise de dívida soberana em rápida evolução nos países em desenvolvimento”, relata a CNUCED (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento) 12.  A crise tem sido uma importante fonte de preocupação para muitos países em desenvolvimento. 12 Estes países já estavam a ser esmagados pelo peso da dívida: por exemplo, os países africanos estavam a gastar mais dinheiro em dívida do que em cuidados de saúde. Com a crise, confrontam-se com uma deterioração do seu comércio externo, a queda dos preços (petróleo!) e o refluxo do capital internacional. É certo que o FMI decidiu suspender o pagamento da dívida e dos juros para este ano e para o próximo, e o Clube de Paris, que reúne os principais credores, fez o mesmo para este ano no que se refere aos países africanos.

Mas a CNUCED tem razão em salientar que esta suspensão “se baseia no heróico pressuposto de que o choque Covid-19 será de curta duração e de que a manutenção do status quo será retomada em 2021”. AA CNUCED apela solenemente à anulação da dívida porque “a devastação que a crise corre o risco de causar se não forem tomadas medidas decisivas deve ser motivação mais do que suficiente para que a comunidade internacional avance finalmente para um quadro coerente e abrangente para lidar com a dívida soberana insustentável”.

Em termos mais gerais, a reconstrução das cadeias de valor globais será também dificultada pela vontade de muitos governos de apoiar especificamente as suas empresas e  de incentivar a relocalização da produção. Embora estas tentativas sejam sem dúvida em vão, ilustram mais uma vez as dimensões sanitárias e económicas interligadas da crise.

A outra dívida: as empresas

A dívida das empresas já tinha atingido um nível elevado de quase 110% do PIB na zona do euro, ou seja, superior à dívida pública. O gráfico ao lado13 também mostra que a curva aumenta de forma em escada : a cada aumento do endividamento (por exemplo, com a crise de 2008) segue-se um período de desalavancagem. Depois a curva começa a subir novamente, etc. Pode ser facilmente prolongada: a crise do coronavírus conduzirá a um novo aumento da dívida, o que levará as empresas a procurarem reduzir a sua dívida, reduzindo os salários e o investimento (mas provavelmente não os dividendos, os acionistas devem ser tranquilizados).

 

Os obstáculos a uma recuperação “normal

Os obstáculos a uma rápida recuperação incluem a distorção da estrutura sectorial da procura em detrimento dos bens industriais, os inventários a alienar e as perdas de produtividade do trabalho, para não falar do risco de um reativar da  austeridade orçamental . Limitar-nos-emos aqui a reproduzir a conclusão de um texto anterior já citado (nota 7

1. As empresas terão relutância em investir e procurarão reduzir os postos de trabalho e os salários devido ao endividamento e às incertezas do mercado;

2. As famílias, empobrecidas ou preocupadas, reduzirão o seu consumo, favorecerão a poupança preventiva ou adiarão a compra de bens duradouros ;

3. Os governos acabarão por procurar “limpar” as finanças públicas;

4.  As cadeias de valor estão desorganizadas e o comércio internacional vai abrandar;

5. Os países emergentes, afetados pela saída de capitais e pela queda dos preços das matérias-primas, contribuirão para a retração da economia mundial.

A questão do endividamento  público

O impacto imediato da crise é um agravamento dramático dos défices públicos e, consequentemente, um aumento da dívida pública, devido à perda de recursos ligada ao declínio da atividade e das despesas de apoio às famílias e às empresas. Isto é válido para todos os países da zona do euro, como mostra o quadro que se segue, elaborado pela Comissão Europeia14.

Estes números são, naturalmente, provisórios, mas dão uma ideia da escala do choque. Para Espanha, o défice público deverá aumentar de 2,8% do PIB em 2019 para 10,1% em 2020. Quanto à dívida pública pendente, espera-se que aumente de 95,5% do PIB em 2019 para 115,6% em 2020.

A questão passa então a ser como é que esta dívida será “paga”. Há vários métodos, que podemos enumerar rapidamente: inflação, reestruturação, cancelamento, monetização, tributação, austeridade.

Historicamente, a inflação tem sido frequentemente (especialmente após a Segunda Guerra Mundial) um meio de reduzir o peso real da dívida. Pode desempenhar um papel nos próximos anos, mas não é um instrumento que possa ser manipulado, e a deflação parece igualmente provável. Além disso, é um mecanismo cego que não só atinge os reformados, como também pode empobrecer os trabalhadores assalariados e os reformados.

A austeridade só pode ter efeitos desastrosos para a maioria da população, como as experiências recentes na Grécia, Espanha ou Portugal já demonstraram suficientemente. Mas se a austeridade orçamental parece estar, de momento, fora de questão, é provável que a austeridade salarial seja a resposta. Um dos desafios de sair da crise será fazer todos os possíveis para evitar que “o financiamento de hoje seja a dívida de amanhã e os ajustamentos estruturais de depois de amanhã”, para usar a frase muito apropriada de Daniel Albarracín15.

A reestruturação da dívida consiste em reduzir o peso real da dívida após negociações com os credores. O cancelamento, por outro lado, é uma medida unilateral. Voltaremos a estas opções mais radicais depois de examinarmos as que são mais amplamente debatidas no debate público.

Graças a Deus que existe o BCE!

A primeira proposta consiste em utilizar o MEE (Mecanismo de Estabilidade Europeu) criado durante a crise anterior. Tem atualmente à sua disposição 410 mil milhões de euros, mas poderá emitir novas obrigações se forem necessários mais recursos. Mas encontrar-nos-íamos numa situação em que os países requerentes teriam de aceitar em troca um Memorando de Entendimento (ME) semelhante aos que, de memória sinistra, tinham sido impostos à Grécia ou à Espanha em particular. Na prática, os países teriam de se submeter a instituições que seriam encorajadas a defender rapidamente medidas de austeridade. Claro que se poderia sempre imaginar menos condicionalidade, mas esta perspetiva está demasiado afastada da lógica de controlo que permitiu a implementação deste mecanismo. Além disso, sem condições, é provável que os mercados se mostrem relutantes em subscrever novas questões do MEE.

A segunda opção consiste em alargar o que o BCE já pôs em prática, o que já é considerável. Após um passo em falso de Christine Lagarde – a sua presidente, alegando que o BCE não tinha de se preocupar com os spreads (as diferenças entre as taxas de juro de cada país da zona euro) – o passo foi dado, com o lançamento de um “Pandemic Emergency Purchase Programme” (PEPP), no valor de 750 mil milhões de euros. O BCE poderá readquirir títulos de dívida dos Estados-Membros no mercado secundário e não terá de seguir a regra anterior sobre as proporções a respeitar de acordo com o peso de cada Estado no capital do BCE. Além disso, as regras estabelecidas no Pacto de Estabilidade e Crescimento relativas ao défice orçamental e à dívida pública são suspensas.

Trata-se, de facto, de uma violação das regras, uma forma de contornar os tratados europeus. Os juízes do tribunal de Karlsruhe (Tribunal Constitucional Federal alemão), não se enganaram ao procurar refrear esta iniciativa do BCE. Esta é uma oportunidade para prestar homenagem ao BCE, que reagiu melhor e mais rapidamente do que na crise anterior: “Graças a Deus que existe o BCE! “É assim que os funcionários do Ministério das Finanças francês exprimem o seu alívio16 .

 Coronabonds

A terceira proposta seria a questão dos coronabonds , que é uma repetição da emissão de euro-obrigações, que foi apresentada sem êxito durante a crise anterior. Os títulos de dívida pública seriam emitidos diretamente a nível europeu. Por outras palavras, seria uma dívida europeia e já não uma dívida espanhola, francesa, etc. Esta mutualização teria a vantagem de eliminar os diferenciais das taxas de juro de um país para outro e evitar assim qualquer crise específica que atingisse os países mais frágeis, como aconteceu durante a crise da dívida soberana na Europa. A taxa de juro única seria provavelmente intermédia entre a da Alemanha e as da Itália ou da Espanha, mas talvez relativamente próxima  da Alemanha, se os mercados forem “tranquilizados” pela garantia comum. 

No entanto, estas euro-obrigações, ou coronabonds neste caso, continuariam a estar sujeitos à boa vontade dos mercados. Além disso, se este mecanismo se limitasse às novas obrigações relacionadas com a crise, não eliminaria todos os riscos. De facto, todos os anos os vários países emitem novas obrigações para reembolsar as que venceram (eles “renovam” a dívida) e é neste ponto que os mercados podem exercer pressão e introduzir novos spreads entre países. Por último, o dinheiro pago pelo BCE quando recompra títulos de dívida pública no mercado só pode levar a um aumento na compra de ativos financeiros e, portanto, do seu preço, e é por esta razão que os mercados bolsistas, depois de terem sofrido uma queda acentuada, recuperaram quase metade desta queda.

O não-papel espanhol

Uma das propostas mais inovadoras é a que o Governo espanhol apresentou timidamente sob a forma de um documento não-papel17 . Seria criado um fundo de apoio, financiado por uma dívida perpétua europeia; este deveria ser da ordem dos 1500 mil milhões de euros, ou seja, cerca de 10% do PIB europeu. Os subsídios, e não os empréstimos, seriam concedidos aos Estados-Membros através do orçamento da UE, proporcionalmente aos prejuízos sofridos por cada Estado-Membro (percentagem da população afetada, diminuição do PIB, aumento do desemprego).

Há vários pontos importantes no plano espanhol. A primeira é a proposta de uma dívida perpétua. Uma dívida perpétua é, como o seu nome indica, uma dívida que nunca é reembolsada: apenas são pagos juros. Poder-se-ia imaginar cada Estado-Membro a emitir as suas próprias obrigações perpétuas (ou obrigações com um prazo de vencimento muito longo, 50 ou 100 anos). A propósito, era isto que Yanis Varoufakis, o Ministro das Finanças grego, tinha proposto, sem sucesso, no início de 2015. O orçamento da zona do euro, eventualmente alargado, serviria de garantia. Mas os mercados teriam ainda de concordar em subscrever estas emissões: continuariam a ser eles os decisores finais nesta matéria.

A ideia adicional do plano espanhol é que esta dívida perpétua seria emitida a nível europeu e que os juros seriam pagos a partir de novos impostos também estabelecidos a nível europeu. Segundo o Financial Times, os méritos deste projeto são “irrefutáveis 18.”  Em primeiro lugar, está à altura da crise. A dimensão do fundo proposto é de facto da mesma ordem de grandeza do choque esperado para a atividade económica: 10% do PIB. .Abaixo dessa dimensão, seria uma “resposta orçamental inadequada à recessão da Covid “19. A segunda grande vantagem deste plano é que reduz as divergências entre países e promove a ideia de harmonização fiscal a nível europeu.

E só podemos concordar com a opinião  do Financial Times:

O único  argumento verdadeiro contra este plano é muito simples: alguns prefeririam que cada governo continuasse a ser o único responsável pelas necessidades dos seus próprios cidadãos. Mas devem ser honestos quanto aos efeitos do que defendem. Se a resposta à crise continuar a ser principalmente nacional, a Europa ficará sujeita a divergências económicas ainda maiores, e talvez permanentes. Se isso acontecer, será por opção e não por acidente”.

É verdade que este plano tem poucas hipóteses de ser implementado: basta recordar a disputa entre Estados sobre o orçamento europeu, que é quase dez vezes menor do que a proposta espanhola.

Rumo a uma anulação  discreta?

Devemos avançar para uma anulação, total ou parcial, da dívida pública? De acordo com Alain Minc, isto estaria em consonância com a “lógica intelectual”. Que este admirador da “globalização feliz” e conselheiro discreto de Macron cheguer a tais afirmações é também um efeito da crise. Mas uma vez que a anulação da dívida seria uma provocação inaceitável para os mercados,  Minc recua em relação a uma proposta que, afinal de contas, faz sentido:

“A forma mais natural seria o Banco Central trocar obrigações  do Tesouro por títulos a  baixa taxa de  juro, perpétuos ou obrigações a 50 ou 100 anos”. A dívida pública seria assim dividida em duas partes: uma dívida privada [a funcionar como antes] e uma dívida pública, perpétua ou de muito longo prazo, que não pesaria sobre a solvabilidade do devedor19..

Uma proposta semelhante é interessante porque associa a questão da dívida à luta contra o aquecimento global. O mecanismo “consistiria numa anulação da dívida pública detida pelo BCE, que estaria condicionada ao compromisso de montantes equivalentes por parte dos Estados para investimentos com baixo teor de carbono 20“. Seria necessário sistematizar o que já existe, nomeadamente que, desde a introdução da flexibilização quantitativa, dita quantitative easing,  o BCE detém uma parte significativa da dívida pública, como mostra o gráfico seguinte21. E o BCE já não tem realmente munições. A alternativa pode finalmente ser a seguinte: ou se adota esta solução racional ou rebenta a zona euro.

Fazer com que os poderosos paguem

Não se deve esquecer que o aumento da dívida pública antes da crise foi em parte consequência de uma redução auto-sustentada das receitas fiscais do governo. Este princípio deve também ser tomado como base para considerar a gestão dos défices ligados à crise.

Existe uma oportunidade de inverter décadas de contra-reformas orçamentais, reintroduzindo ao nível necessário a tributação do capital, dos lucros e dos dividendos das grandes empresas e dos grandes detentores de rendimentos. As circunstâncias exigem uma reforma fiscal sustentável que possa absorver o impacto da crise e acompanhar uma bifurcação social e ecológica. O ideal seria, naturalmente, que esta reforma fosse levada a cabo a nível europeu, a fim de evitar a fuga de capitais e o dumping fiscal. Mesmo que isto possa parecer fora de alcance, temos de afirmar a necessidade e o direito de cada Estado a empreender tais reformas, liderando ao mesmo tempo a luta para que esta possa ser alargada ao maior número possível de países.

É sem dúvida útil destacar uma medida emblemática como o restabelecimento do imposto sobre a fortuna em França, ou a introdução de um “imposto Covid”, cuja redação atual, no entanto, tem os seus limites, na medida em que se trata de um imposto excecional e é proposto diretamente a nível europeu22.

Insubmissão face  aos “mercados”

A questão da dívida é um bom indicador do que está em jogo na Europa. Por detrás dos debates altamente técnicos, há questões eminentemente políticas. A primeira é suscitada pelo princípio da mutualização, independentemente da sua forma instrumental. A alternativa é a seguinte: ou cada país pode tratar dos seus problemas sozinho, ou é implementado um grau adicional de integração durante esta crise, que seria obviamente a solução racional para uma pandemia que não conhece fronteiras.

No entanto, existe um grande risco de que este passo não seja dado e que, pelo contrário, haja um recuo para supostos interesses nacionais, impulsionados por orientações políticas de natureza soberanista. Mas isso significaria uma divergência crescente entre os países da União Europeia, com uma tendência para a vassalização dos países do Sul (como a Grécia), o que, por sua vez, poderia levar à desagregação da zona euro, o que podemos imaginar que seria uma catástrofe partilhada.

A segunda questão é a relação com os “mercados”, ou seja, com os poderes financeiros e económicos. Todo o processo de construção europeia se baseou no princípio da submissão a estes “mercados”, que devem ser constantemente “tranquilizados”, nomeadamente na gestão da dívida pública e em matéria orçamental. A crise levou o BCE a fugir, pelo menos parcialmente, a esta submissão, mas esta “infração” pode muito bem ser temporária. Pelo menos a crise sanitária terá colocado em termos muito concretos esta questão fundamental: um Estado deve poder conduzir as políticas públicas que pretende produzir “bens comuns” como a saúde, sem ter de prestar contas aos interesses privados cujos mercados são os representantes.

Finalmente, a condicionalidade deve ser um requisito essencial. No auge da crise, os governos apoiam as famílias e as empresas, e isto é obviamente útil. Mas os auxílios às empresas deveriam, pelo menos, estar sujeitos a condições, por exemplo, no caso dos 7 mil milhões de euros que o Governo está disposto a pagar à Air France. Em vez de procurar regressar ao Estado anterior, seria melhor reestruturar toda uma série de indústrias, depois de as ter nacionalizado.

As orientações mais favoráveis ao bem-estar das populações  chocam-se também com os dogmas da economia dominante e com os apelos  ao esforço e às restrições. Mas por detrás destes dogmas estão, como sempre, os interesses das classes dominantes, cujo egoísmo e ganância podem ser combinados com a invocação de interesses nacionais. É por esta razão que as previsões económicas são impossíveis em tempos de turbulência social. É também por isso que a saída para a crise será uma questão de confronto social e político.

__________

Referência

1. Source: Bureau of Labor Statistics. Voir aussi cette animation.
2. Michel Husson, « Le néo-libéralisme contaminé », A l’encontre, 31 mars 2020.
3. Commission européenne, Forecast Spring 2020 ; FMI, The Great Lockdown, World Economic Outlook, April 2020.
4. Eric Heyer, « Une croissance de -8 % en 2020 est-elle encore possible ? », OFCE, 5 mai 2020.
5. Marie Charrel, « Face à la crise, les économistes angoissés par l’économie du trou noir », Le Monde,14 mai 2020.
6. Michel Husson, « Rebond ou plongeon ? », A l’encontre, 29 avril 2020.
7. Kristine A. Moore et al., « The Future of the COVID-19 Pandemic: Lessons Learned from Pandemic Influenza », CIDRAP, April 30th, 2020.
8. Cité par Paul Hannon et Saabira Chaudhuri, « Why the Economic Recovery Will Be More of a ‘Swoosh’ Than V-Shaped », The Wall Street Journal, May 11, 2020.
9. WTO, « Trade set to plunge as COVID-19 pandemic upends global economy », April 8, 2020.
10. Paul Anthem, « Le nombre de personnes souffrant de la faim dans le monde risque de doubler en 2020 », World Food Program, April 22, 2020 ; Mathilde Gérard, « Après la pandémie, une grave crise alimentaire menace au Nord comme au Sud », Le Monde, 12 mai 2020.
11. « The global food supply chain is passing a severe test », The Economist, May 9 2020, https://bit.ly/360cmjg
12. UNCTAD, « From the Great Lockdown to the Great Meltdown: Developing Country Debt in the Time of Covid-19 », April 2020.
13. Patrick Artus, « Comment corriger, compenser, la hausse de l’endettement des entreprises de la zone euro ? », 13 mai 2020, https://bit.ly/3cuRLpO
14. Comisión Europea, Forecast Spring 2020https://bit.ly/3cpbbwj
15. Daniel Albarracín, « ¿Del plan Marshall soñado a la farsa de los Pactos de la Moncloa? », Viento Sur, 23 de abril de 2020.
16. Raphaël Legendre, « Dette des Etats: le contre la montre a commencé », L’Opinion, 30 avril 2020.
17. Spain’s non-paper on a European recovery strategy, April 19, 2020. Un non-paper désigne un document proposant des points à discuter, mais qui n’est pas officiellement assumé par l’expéditeur.
18. Martin Sandbu, « The merits of Spain’s proposed recovery fund are irrefutable », The Financial Times, April 21, 2020.
19. Alain Minc, « Pour une dette publique à perpétuité »,  Les Echos, 16 avril 2020.
20. Laurence Scialom et Baptiste Bridonneau, « Crise économique et écologique : osons des décisions de rupture », Terra Nova, 2 avril 2020.
21. Source : Patrick Artus, « L’arrêt de la Cour de Karlsruhe révèle l’ambiguïté du comportement de la BCE », 13 mai 2020.
22. Miguel Urbán, « Por un tasa europea COVID-19 a multimillonarios y multinacionales », El Diario, 27 de abril de 2020 ; Julián Moreno, Manolo Garí, « No tropezar nuevamente con la misma piedra », El Salto, 3 de mayo de 2020.

__________

Leia este artigo clicando em: 

L’économie mondiale en plein chaos. Qui va payer la crise ?

 

e também em:

 

 

Leave a Reply

%d bloggers like this: