Posts Tagged: união europeia

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência. Por Heiner Flassbeck

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência  Por Heiner Flassbeck  em 30 de novembro de 2019 (aqui) Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE (aqui)     Queixarmo-nos sobre

Entre a crise de 2008 e a que há-de vir, está a crise dos políticos atuais – Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência. Por Heiner Flassbeck

Seleção de Júlio Marques Mota e tradução de Francisco Tavares Alemanha: Amadores Políticos e a Inteligência  Por Heiner Flassbeck  em 30 de novembro de 2019 (aqui) Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE (aqui)     Queixarmo-nos sobre

LANÇAMENTO de “PORTUGAL E A UNIÃO EUROPEIA – DA “LONGA DESCOBERTA” À “EUROPA QUE (NÃO) QUEREMOS””, de JOÃO MARTINS PEREIRA – organização de JOÃO MOREIRA – HOJE, TERÇA-FEIRA, 26 de NOVEMBRO, às 18 horas, na ASSOCIAÇÃO 25 DE ABRIL, Rua da MISERICÓRDIA, 95, LISBOA

    A crise de 2008, que ainda vivemos, veio colocar em causa a aura democrática e solidária que ainda hoje envolve a União Europeia. Nem mesmo o Prémio Nobel da Paz ganho recentemente consegue encobrir políticas tão reprováveis como

LANÇAMENTO de “PORTUGAL E A UNIÃO EUROPEIA – DA “LONGA DESCOBERTA” À “EUROPA QUE (NÃO) QUEREMOS””, de JOÃO MARTINS PEREIRA – organização de JOÃO MOREIRA – HOJE, TERÇA-FEIRA, 26 de NOVEMBRO, às 18 horas, na ASSOCIAÇÃO 25 DE ABRIL, Rua da MISERICÓRDIA, 95, LISBOA

    A crise de 2008, que ainda vivemos, veio colocar em causa a aura democrática e solidária que ainda hoje envolve a União Europeia. Nem mesmo o Prémio Nobel da Paz ganho recentemente consegue encobrir políticas tão reprováveis como

Como o euro ajudou a Alemanha a evitar tornar-se como o Japão. Por Martin Wolf

Seleção e tradução de Francisco Tavares Como o euro ajudou a Alemanha a evitar tornar-se como o Japão Berlim deveria estar grata por aquilo que a moeda única, e Mario Draghi, lhe deram.  Por Martin Wolf Editado por The ,

Como o euro ajudou a Alemanha a evitar tornar-se como o Japão. Por Martin Wolf

Seleção e tradução de Francisco Tavares Como o euro ajudou a Alemanha a evitar tornar-se como o Japão Berlim deveria estar grata por aquilo que a moeda única, e Mario Draghi, lhe deram.  Por Martin Wolf Editado por The ,

O Problema Alemão. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares   O Problema Alemão  Por Heiner Flassbeck Editado por  em 4 de outubro de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE O mundo

O Problema Alemão. Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares   O Problema Alemão  Por Heiner Flassbeck Editado por  em 4 de outubro de 2019 (ver aqui) Originalmente editado em alemão em Makroskop Traduzido para inglês e editado por BRAVE NEW EUROPE O mundo

MINIBOTS: ILEGAIS, PERIGOSOS, DESNECESSÁRIOS. Por Mario Nuti

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota ________________________ Agradecemos a Domenico Mario Nuti a disponibilidade do presente texto e com ele esperamos que os nossos leitores se sintam enriquecidos em termos de conhecimento sobre os graves problemas com que se

MINIBOTS: ILEGAIS, PERIGOSOS, DESNECESSÁRIOS. Por Mario Nuti

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota ________________________ Agradecemos a Domenico Mario Nuti a disponibilidade do presente texto e com ele esperamos que os nossos leitores se sintam enriquecidos em termos de conhecimento sobre os graves problemas com que se

O futuro da Europa: O caso espanhol. Por Ryan Bridges

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Publicado por  em 25 de setembro de 2019 (ver aqui)   Como é que um colapso da União Europeia afetaria os seus Estados-Membros? O que é que acontece com organizações supranacionais como a

O futuro da Europa: O caso espanhol. Por Ryan Bridges

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Publicado por  em 25 de setembro de 2019 (ver aqui)   Como é que um colapso da União Europeia afetaria os seus Estados-Membros? O que é que acontece com organizações supranacionais como a

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 4º Texto – A Alemanha – Estratégia de crescimento alemã a perder força – expõe falhas profundas na arquitetura europeia

(Bill Mitchell, 19 de Fevereiro de 2019)

Como é que se sustenta o crescimento económico quando o crescimento da produtividade do trabalho ultrapassa o crescimento do salário real, especialmente quando os governos estavam a tentar reduzir os seus défices e, consequentemente, a sua contribuição para a despesa total nas suas economias? Como é que a economia recicla a crescente participação nos lucros para ultrapassar a capacidade decrescente dos trabalhadores para consumir?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 4º Texto – A Alemanha – Estratégia de crescimento alemã a perder força – expõe falhas profundas na arquitetura europeia

(Bill Mitchell, 19 de Fevereiro de 2019)

Como é que se sustenta o crescimento económico quando o crescimento da produtividade do trabalho ultrapassa o crescimento do salário real, especialmente quando os governos estavam a tentar reduzir os seus défices e, consequentemente, a sua contribuição para a despesa total nas suas economias? Como é que a economia recicla a crescente participação nos lucros para ultrapassar a capacidade decrescente dos trabalhadores para consumir?

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 3º Texto – A Alemanha – Os excedentes comerciais alemães demonstram o fracasso da zona euro

(Bill Mitchell , 24 de Abril de 2017)

Para resolver este problema (que é um enorme desequilíbrio entre poupança interna e investimento), a Alemanha necessita de uma maior procura interna e de um crescimento mais rápido dos seus salários, tanto para melhorar o desempenho muito modesto do consumo como para atrair investimentos para o mercado interno.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 3º Texto – A Alemanha – Os excedentes comerciais alemães demonstram o fracasso da zona euro

(Bill Mitchell , 24 de Abril de 2017)

Para resolver este problema (que é um enorme desequilíbrio entre poupança interna e investimento), a Alemanha necessita de uma maior procura interna e de um crescimento mais rápido dos seus salários, tanto para melhorar o desempenho muito modesto do consumo como para atrair investimentos para o mercado interno.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 2º Texto – A Alemanha – O que é que se passa com a Alemanha?

(Nick Kounis, 5 de Abril de 2019)

As autoridades alemãs poderiam fazer mais para incentivar uma transição para a procura interna, o que seria bom para a Alemanha e para a zona euro. O ponto de partida mais óbvio seria o reforço do estímulo orçamental. Na verdade, até mesmo o BCE começou a insinuar isso.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 2º Texto – A Alemanha – O que é que se passa com a Alemanha?

(Nick Kounis, 5 de Abril de 2019)

As autoridades alemãs poderiam fazer mais para incentivar uma transição para a procura interna, o que seria bom para a Alemanha e para a zona euro. O ponto de partida mais óbvio seria o reforço do estímulo orçamental. Na verdade, até mesmo o BCE começou a insinuar isso.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte B

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

O que a Grécia também mostra é que uma alternância da “esquerda radical” no contexto do euro e da UE só pode resultar na continuação e no agravamento continuado das mesmas políticas neoliberais. Porque, tal como a esquerda reformista antes dela, ela se desacredita e acaba por restaurar o poder à direita sem ter mudado nada na ordem económica e social, mas tendo acabado por desacreditar a política e a democracia: a única escolha hoje é entre o quadro europeu e a verdadeira alternância.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte B

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

O que a Grécia também mostra é que uma alternância da “esquerda radical” no contexto do euro e da UE só pode resultar na continuação e no agravamento continuado das mesmas políticas neoliberais. Porque, tal como a esquerda reformista antes dela, ela se desacredita e acaba por restaurar o poder à direita sem ter mudado nada na ordem económica e social, mas tendo acabado por desacreditar a política e a democracia: a única escolha hoje é entre o quadro europeu e a verdadeira alternância.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte A

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

Então, se na Grécia,  a Europa é paz, esta é então muito semelhante à paz dos cemitérios. E uma vez que nos disseram durante meses e em todos os tons que “a Grécia está melhor” e que os números o mostram, vejamos os números. Entre 2009 e 2017, a taxa de mortalidade caiu de 9,8 ‰ para 11 ‰, a taxa de natalidade caiu de 10,6 ‰ para 8 ‰, enquanto entre 2009 e 2015 a esperança de vida saudável caiu dois anos, de 66 para 64 anos. Tais variações nas estatísticas populacionais, que refletem mudanças que são geralmente de natureza de longo prazo, são mais parecidas com as variações dos tempos de guerra.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. 1º Texto – A Grécia – Círculo dos patriotas desaparecidos – Parte A

(Olivier Delorme, 19 de Fevereiro de 2019)

Então, se na Grécia,  a Europa é paz, esta é então muito semelhante à paz dos cemitérios. E uma vez que nos disseram durante meses e em todos os tons que “a Grécia está melhor” e que os números o mostram, vejamos os números. Entre 2009 e 2017, a taxa de mortalidade caiu de 9,8 ‰ para 11 ‰, a taxa de natalidade caiu de 10,6 ‰ para 8 ‰, enquanto entre 2009 e 2015 a esperança de vida saudável caiu dois anos, de 66 para 64 anos. Tais variações nas estatísticas populacionais, que refletem mudanças que são geralmente de natureza de longo prazo, são mais parecidas com as variações dos tempos de guerra.

GIRO DO HORIZONTE – INDIGNEMO-NOS – por PEDRO DE PEZARAT CORREIA

Nota – O Giro do Horizonte, que normalmente sai às 22 horas de segunda-feira, desta vez foi publicado com onze horas de atraso. A responsabilidade por tal falha cabe-me única e exclusivamente. Assoberbado por problemas pessoais, falhei no cumprimento desta

GIRO DO HORIZONTE – INDIGNEMO-NOS – por PEDRO DE PEZARAT CORREIA

Nota – O Giro do Horizonte, que normalmente sai às 22 horas de segunda-feira, desta vez foi publicado com onze horas de atraso. A responsabilidade por tal falha cabe-me única e exclusivamente. Assoberbado por problemas pessoais, falhei no cumprimento desta

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 12º Texto: A política monetária esgotou-se

(Martin Wolf, Abril de 2019)

Porque é que as taxas de juro são tão baixas? A hipótese de “estagnação secular” ajuda a explicá-la? O que é que essas taxas de juro baixas implicam para a provável eficácia da política monetária durante outra recessão? Que outras políticas poderiam ser tentadas, seja como alternativa à política monetária ou como forma de torná-la mais eficaz? Estas são as questões mais importantes na macroeconomia. São também extremamente controversas.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte I – Grandes planos sobre uma União Europeia em decomposição. 12º Texto: A política monetária esgotou-se

(Martin Wolf, Abril de 2019)

Porque é que as taxas de juro são tão baixas? A hipótese de “estagnação secular” ajuda a explicá-la? O que é que essas taxas de juro baixas implicam para a provável eficácia da política monetária durante outra recessão? Que outras políticas poderiam ser tentadas, seja como alternativa à política monetária ou como forma de torná-la mais eficaz? Estas são as questões mais importantes na macroeconomia. São também extremamente controversas.