Category Archives: Economia

Crise da democracia, crise da Política, Crise da Economia: o olhar de alguns analistas não neoliberais – 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum (última parte). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares, revisão de Júlio Marques Mota 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum. Última parte: Construção, retalho, desemprego. Recomendações.   Por Heiner Flassbeck, publicado por Flassbeck-economics

Crise da democracia, crise da Política, Crise da Economia: o olhar de alguns analistas não neoliberais – 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum (última parte). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares, revisão de Júlio Marques Mota 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum. Última parte: Construção, retalho, desemprego. Recomendações.   Por Heiner Flassbeck, publicado por Flassbeck-economics

5. O jornal “LIBÉRATION“ e os patrões : juntos desde 1984 – PARTE III

(Sébastian Fontenelle, in blog Bakchich, 2014)

E que importa, se a pax americana é feita à custa de grandes chacinas patrocinadas por Washington, nos indigenatos locais, com algumas centena de milhares de mortes – Yves Montand não “suporta” de resto “” que se lhe fale do Chile, ou de Salvador: “Isso, eu conheço, conheço muito bem, para., papá”

5. O jornal “LIBÉRATION“ e os patrões : juntos desde 1984 – PARTE III

(Sébastian Fontenelle, in blog Bakchich, 2014)

E que importa, se a pax americana é feita à custa de grandes chacinas patrocinadas por Washington, nos indigenatos locais, com algumas centena de milhares de mortes – Yves Montand não “suporta” de resto “” que se lhe fale do Chile, ou de Salvador: “Isso, eu conheço, conheço muito bem, para., papá”

Crise da democracia, crise da Política, Crise da Economia: o olhar de alguns analistas não neoliberais – 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum (parte 2). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares, revisão de Júlio Marques Mota 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum. Parte 2.     Por Heiner Flassbeck, publicado por Flassbeck-economics em 22 de

Crise da democracia, crise da Política, Crise da Economia: o olhar de alguns analistas não neoliberais – 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum (parte 2). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares, revisão de Júlio Marques Mota 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum. Parte 2.     Por Heiner Flassbeck, publicado por Flassbeck-economics em 22 de

5. O jornal “LIBÉRATION“ e os patrões : juntos desde 1984 – PARTE II

(Sébastian Fontenelle, in blog Bakchich, 2014)

Convém por conseguinte, explica Libération, concluir a mutação que a esquerda realista deseja de todo o seu coração e de mandar para o sótão das antiguidades a antiga França, cristalizada no Estado-Providência, de que o excelente François de Closets tão magnificamente demonstrou, num maravilhoso best-seller “publicado em junho de 1982”, que ela está povoada, nos seus espaços de trabalho, de milhões de parasitas que querem – é o título desta “fenomenal” obra: “Sempre mais! ” “

5. O jornal “LIBÉRATION“ e os patrões : juntos desde 1984 – PARTE II

(Sébastian Fontenelle, in blog Bakchich, 2014)

Convém por conseguinte, explica Libération, concluir a mutação que a esquerda realista deseja de todo o seu coração e de mandar para o sótão das antiguidades a antiga França, cristalizada no Estado-Providência, de que o excelente François de Closets tão magnificamente demonstrou, num maravilhoso best-seller “publicado em junho de 1982”, que ela está povoada, nos seus espaços de trabalho, de milhões de parasitas que querem – é o título desta “fenomenal” obra: “Sempre mais! ” “

Crise da democracia, crise da Política, Crise da Economia: o olhar de alguns analistas não neoliberais – 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum (parte 1). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares, revisão de Júlio Marques Mota 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum. Parte 1.   Por Heiner Flassbeck, publicado por Flassbeck-economics em 18 de Agosto

Crise da democracia, crise da Política, Crise da Economia: o olhar de alguns analistas não neoliberais – 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum (parte 1). Por Heiner Flassbeck

Seleção e tradução de Francisco Tavares, revisão de Júlio Marques Mota 13. Análise do ciclo económico da economia europeia no verão de 2016: nenhuma recuperação em lado nenhum. Parte 1.   Por Heiner Flassbeck, publicado por Flassbeck-economics em 18 de Agosto

5. O jornal “LIBÉRATION“ e os patrões : juntos desde 1984 – PARTE I

(Sébastian Fontenelle, in blog Bakchich, 2014)

E não é de forma alguma da sua culpa, se estes renegaram tão rapidamente a sua boa – a sua excelente – vontade que se “quebrou não sobre o muro do dinheiro mas sobre o muro da realidade”, que é não haver no mundo livre, como tão pertinentemente o ilustrou a deliciosa senhora Thatcher (mesmo que tenha posto à fome o proletariado inglês e deixasse morrer nas suas prisões alguns contestatários Irlandeses), nenhuma alternativa a uma completa submissão dos povos às justas leis do capitalismo.

5. O jornal “LIBÉRATION“ e os patrões : juntos desde 1984 – PARTE I

(Sébastian Fontenelle, in blog Bakchich, 2014)

E não é de forma alguma da sua culpa, se estes renegaram tão rapidamente a sua boa – a sua excelente – vontade que se “quebrou não sobre o muro do dinheiro mas sobre o muro da realidade”, que é não haver no mundo livre, como tão pertinentemente o ilustrou a deliciosa senhora Thatcher (mesmo que tenha posto à fome o proletariado inglês e deixasse morrer nas suas prisões alguns contestatários Irlandeses), nenhuma alternativa a uma completa submissão dos povos às justas leis do capitalismo.

4. A eterna pedagogia da submissão

(Pierre Rimbert, in Le Monde Diplomaqique, Fevereiro de 1999)

Às categorias direita-esquerda ou dominantes-dominados, eles substituíam-nas por modernidade-arcaísmo, o que era feito para desqualificar qualquer exposição de uma problemática em termos políticos. Serge July, diretor de Libération , contava-se no número destes inovadores.

4. A eterna pedagogia da submissão

(Pierre Rimbert, in Le Monde Diplomaqique, Fevereiro de 1999)

Às categorias direita-esquerda ou dominantes-dominados, eles substituíam-nas por modernidade-arcaísmo, o que era feito para desqualificar qualquer exposição de uma problemática em termos políticos. Serge July, diretor de Libération , contava-se no número destes inovadores.

3. “Viva a crise!”, Uma fábula de trinta anos – Parte II

(In Regards.fr, 21/02/2014)

A política preconizada em Viva a crise!, na verdade, infligiu-nos o que ela nos pretendia poupar – ainda que os seus defensores digam, hoje, que é assim porque não se foi então suficientemente longe nas politicas seguidas.

3. “Viva a crise!”, Uma fábula de trinta anos – Parte II

(In Regards.fr, 21/02/2014)

A política preconizada em Viva a crise!, na verdade, infligiu-nos o que ela nos pretendia poupar – ainda que os seus defensores digam, hoje, que é assim porque não se foi então suficientemente longe nas politicas seguidas.

Legislativas em França – Macron: a festa já acabou! Por Jean-Luc Gréau

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Legislativas em França – Macron: a festa já acabou! Muitas catástrofes no horizonte Por Jean-Luc Gréau, economista francês   Publicado por Causeur.fr em 8 de junho de 2017 http://www.causeur.fr/macronmania-macron-legislatives-44354.html   Todas os meios

Legislativas em França – Macron: a festa já acabou! Por Jean-Luc Gréau

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Legislativas em França – Macron: a festa já acabou! Muitas catástrofes no horizonte Por Jean-Luc Gréau, economista francês   Publicado por Causeur.fr em 8 de junho de 2017 http://www.causeur.fr/macronmania-macron-legislatives-44354.html   Todas os meios

De uma crise a outra, dos anos de Mitterrand aos anos de Hollande, da tragédia de outrora à farsa de agora. Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França, por Júlio Marques Mota (última parte)

Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França       Por Júlio Marques Mota, 30 de maio de 2017 (última parte)  Mas se a explicitação

De uma crise a outra, dos anos de Mitterrand aos anos de Hollande, da tragédia de outrora à farsa de agora. Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França, por Júlio Marques Mota (última parte)

Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França       Por Júlio Marques Mota, 30 de maio de 2017 (última parte)  Mas se a explicitação

3. “Viva a crise!”, Uma fábula de trinta anos – Parte I

(In Regards.fr, 21/02/2014)

De direita ou esquerda, as políticas antigas já não funcionam mesmo. “As receitas políticas já não funcionam ”, diz-nos Montand, que repetirá com ar mais grave : “As pessoas de condição modesta (…) sentem muito bem que não são as ideologias, quaisquer que elas sejam, que podem resolver os seus problemas, sabem muito bem que as ideologias são uma brincadeira, Deus seja louvado, as pessoas começam a compreendê-lo muito bem. ”

3. “Viva a crise!”, Uma fábula de trinta anos – Parte I

(In Regards.fr, 21/02/2014)

De direita ou esquerda, as políticas antigas já não funcionam mesmo. “As receitas políticas já não funcionam ”, diz-nos Montand, que repetirá com ar mais grave : “As pessoas de condição modesta (…) sentem muito bem que não são as ideologias, quaisquer que elas sejam, que podem resolver os seus problemas, sabem muito bem que as ideologias são uma brincadeira, Deus seja louvado, as pessoas começam a compreendê-lo muito bem. ”

Legislativas : para uma Assembleia (verdadeiramente) nacional, por Gil Mihaely

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Legislativas : para uma Assembleia (verdadeiramente) nacional Se não houver maioria, Macron deverá ter em conta a opinião pública. Por Gil Mihaely,  historiador e  diretor da revista Causeur Publicado em 9 de junho de 2017

Legislativas : para uma Assembleia (verdadeiramente) nacional, por Gil Mihaely

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Legislativas : para uma Assembleia (verdadeiramente) nacional Se não houver maioria, Macron deverá ter em conta a opinião pública. Por Gil Mihaely,  historiador e  diretor da revista Causeur Publicado em 9 de junho de 2017

De uma crise a outra, dos anos de Mitterrand aos anos de Hollande, da tragédia de outrora à farsa de agora. Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França, por Júlio Marques Mota (1ª parte)

Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França       Por Júlio Marques Mota, 30 de maio de 2017 (1ª parte)  Dedico esta peça sobretudo

De uma crise a outra, dos anos de Mitterrand aos anos de Hollande, da tragédia de outrora à farsa de agora. Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França, por Júlio Marques Mota (1ª parte)

Em jeito de conclusão: Considerações à volta de algumas razões que levaram ao desastre e à farsa das eleições presidenciais em França       Por Júlio Marques Mota, 30 de maio de 2017 (1ª parte)  Dedico esta peça sobretudo

2. No dia 22 Fevereiro de 1984, Yves Montand grita: “Viva a Crise!” – 2ª Parte

(David Doucet et Vincent Glad, 27/02/2014)

“Depois de ter militado muito à esquerda, Montand tinha virado as costas aos seus primeiros amores, explica Pascale Breugnot. Estava um pouco desencantado. Considerava que a forma como as coisas tinham evoluído na URSS tinha mostrado o malogro do socialismo e o interesse, depois, de se virar para novas trajetórias como o liberalismo.”

2. No dia 22 Fevereiro de 1984, Yves Montand grita: “Viva a Crise!” – 2ª Parte

(David Doucet et Vincent Glad, 27/02/2014)

“Depois de ter militado muito à esquerda, Montand tinha virado as costas aos seus primeiros amores, explica Pascale Breugnot. Estava um pouco desencantado. Considerava que a forma como as coisas tinham evoluído na URSS tinha mostrado o malogro do socialismo e o interesse, depois, de se virar para novas trajetórias como o liberalismo.”

De uma crise a outra, dos anos de Mitterrand aos anos de Hollande, da tragédia de outrora à farsa de agora. 4ª Parte: Os tempos do declínio de Hollande, os da farsa, os da transmissão do poder. Texto 4.12 – Da natureza do fascismo e do recurso ao argumento moral, por Claude Rochet

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 4ª Parte: Os tempos do declínio de Hollande, os da farsa, os da transmissão do poder Texto 4.12 – Da natureza do fascismo e do recurso ao argumento moral  Por Claude Rochet, 29

De uma crise a outra, dos anos de Mitterrand aos anos de Hollande, da tragédia de outrora à farsa de agora. 4ª Parte: Os tempos do declínio de Hollande, os da farsa, os da transmissão do poder. Texto 4.12 – Da natureza do fascismo e do recurso ao argumento moral, por Claude Rochet

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota 4ª Parte: Os tempos do declínio de Hollande, os da farsa, os da transmissão do poder Texto 4.12 – Da natureza do fascismo e do recurso ao argumento moral  Por Claude Rochet, 29