Author Archives: clara castilho

CARTA DE BRAGA – “das singelas explicações da cultura” por António Oliveira

  Uma das consequências, talvez a mais marcante da contemporaneidade, esta, a que vivemos pela imposição das regras materializadoras do capitalismo global, é a diluição da noção de fronteira, a que não lhes interessa pela liberalização e homogeneização de consumo

CARTA DE BRAGA – “das singelas explicações da cultura” por António Oliveira

  Uma das consequências, talvez a mais marcante da contemporaneidade, esta, a que vivemos pela imposição das regras materializadoras do capitalismo global, é a diluição da noção de fronteira, a que não lhes interessa pela liberalização e homogeneização de consumo

PORTUGAL NÃO TEM CALÇADA PARA O RACISMO por Luísa Lobão Moniz

Ouvir dizer que Portugal é um país racista faz doer a nossa existência, enquanto seres humanos que lutam pelas liberdades e pelos direitos individuais e colectivos. “A negação, a persistência na desvalorização do fenómeno conduzem ao desastre e à radicalização

PORTUGAL NÃO TEM CALÇADA PARA O RACISMO por Luísa Lobão Moniz

Ouvir dizer que Portugal é um país racista faz doer a nossa existência, enquanto seres humanos que lutam pelas liberdades e pelos direitos individuais e colectivos. “A negação, a persistência na desvalorização do fenómeno conduzem ao desastre e à radicalização

CARTA DE BRAGA – “Brexit e nuvens” por António Oliveira

  ‘Corbyn pede um novo referendo sobre o Brexit’, a notícia que caiu com estrondo nos primeiros dias do mês! Má altura pelo início da época estival, por o tempo estar tão estável como instável continua o louro do lado

CARTA DE BRAGA – “Brexit e nuvens” por António Oliveira

  ‘Corbyn pede um novo referendo sobre o Brexit’, a notícia que caiu com estrondo nos primeiros dias do mês! Má altura pelo início da época estival, por o tempo estar tão estável como instável continua o louro do lado

TZVETAN TODOROV por Luísa Lobão Moniz

Tzvetan Todorov (1990), em “A Conquista da América“, reconhece que “… nada se torna mais aflitivo do que ver-se a História repetir-se – sobretudo quando se trata da história de uma destruição.” As sociedades não são estáticas, mas sim dinâmicas,

TZVETAN TODOROV por Luísa Lobão Moniz

Tzvetan Todorov (1990), em “A Conquista da América“, reconhece que “… nada se torna mais aflitivo do que ver-se a História repetir-se – sobretudo quando se trata da história de uma destruição.” As sociedades não são estáticas, mas sim dinâmicas,

CARTA DE BRAGA – “a foto do Paris Match” por António Oliveira

‘O senhor Sarkozy mais alto que a senhora Sarkoza?’ Ou perguntado de outra maneira, ‘A senhora Bruni mais baixa que o senhor Bruno?’ As duas perguntas são possíveis face à idiotia de uma polémica tal, que levou o ‘Paris Match’

CARTA DE BRAGA – “a foto do Paris Match” por António Oliveira

‘O senhor Sarkozy mais alto que a senhora Sarkoza?’ Ou perguntado de outra maneira, ‘A senhora Bruni mais baixa que o senhor Bruno?’ As duas perguntas são possíveis face à idiotia de uma polémica tal, que levou o ‘Paris Match’

SARAH AFFONSO E A ARTE POPULAR DO MINHO NA FUNDAÇÃO GULBENKIAN DE 12 DE JULHO A 7 DE OUTUBRO

  Esta exposição explora a relação entre a obra de Sarah Affonso e a arte popular do Minho. Muitas vezes recordada como a mulher de Almada Negreiros, pretende-se aqui evocar Sarah Affonso como uma artista modernista reconhecida com um percurso

SARAH AFFONSO E A ARTE POPULAR DO MINHO NA FUNDAÇÃO GULBENKIAN DE 12 DE JULHO A 7 DE OUTUBRO

  Esta exposição explora a relação entre a obra de Sarah Affonso e a arte popular do Minho. Muitas vezes recordada como a mulher de Almada Negreiros, pretende-se aqui evocar Sarah Affonso como uma artista modernista reconhecida com um percurso

EDUARDO GALEANO – OBRAS COMPLETAS EM PDF

Eduardo Galeano nasceu no dia 3 de Setembro de 1940 em Montevideu e faleceu a 13 de abril de 2015, Autor de mais de 40 obras traduzidas em diversos idiomas, a mais conhecida das quais é «Las venas abiertas de América

EDUARDO GALEANO – OBRAS COMPLETAS EM PDF

Eduardo Galeano nasceu no dia 3 de Setembro de 1940 em Montevideu e faleceu a 13 de abril de 2015, Autor de mais de 40 obras traduzidas em diversos idiomas, a mais conhecida das quais é «Las venas abiertas de América

NÃO SE ENSINA PARA A DEMOCRACIA, VIVE-SE EM DEMOCRACIA por Luísa Lobão Moniz

A democracia, tal como a conhecemos, foi algo encontrado como sendo uma forma de acabar com as ditaduras e de fazer o povo direccionar o seu caminho para as questões que verdadeiramente lhe interessar. Antes da Revolução, a voz do

NÃO SE ENSINA PARA A DEMOCRACIA, VIVE-SE EM DEMOCRACIA por Luísa Lobão Moniz

A democracia, tal como a conhecemos, foi algo encontrado como sendo uma forma de acabar com as ditaduras e de fazer o povo direccionar o seu caminho para as questões que verdadeiramente lhe interessar. Antes da Revolução, a voz do

CARTA DE BRAGA – “Amen” por António Oliveira

Aqui há umas semanas e, no meu portátil, tive a inconsciência de clicar na imagem de uns sapatos, só por me terem parecido jeitosos para esta época! Passados que foram dois dias, em qualquer site que frequente ou apenas abra, logo me aparecem mais

CARTA DE BRAGA – “Amen” por António Oliveira

Aqui há umas semanas e, no meu portátil, tive a inconsciência de clicar na imagem de uns sapatos, só por me terem parecido jeitosos para esta época! Passados que foram dois dias, em qualquer site que frequente ou apenas abra, logo me aparecem mais

CARTA DE BRAGA – “A noite em que não conheci um poeta! por António Oliveira

Era Setembro ou Outubro, Outubro com certeza, na memória dos tempos de cadete no convento de Mafra. E também me lembro, apesar de já lá irem quase sessenta anos, de as noites já serem mais frias. Tinha chegado ali no

CARTA DE BRAGA – “A noite em que não conheci um poeta! por António Oliveira

Era Setembro ou Outubro, Outubro com certeza, na memória dos tempos de cadete no convento de Mafra. E também me lembro, apesar de já lá irem quase sessenta anos, de as noites já serem mais frias. Tinha chegado ali no

ESTOU ALÉM por Luísa Lobão Moniz

Vou viver Até quando eu não sei Que me importa o que serei Quero é viver Amanhã, espero sempre um amanhã E acredito que será mais um prazer António Variações   António Variações foi uma figura “estranha” porque diferente não

ESTOU ALÉM por Luísa Lobão Moniz

Vou viver Até quando eu não sei Que me importa o que serei Quero é viver Amanhã, espero sempre um amanhã E acredito que será mais um prazer António Variações   António Variações foi uma figura “estranha” porque diferente não

CARTA DE BRAGA- “o neutrino, o meio, a mensagem e o JN” por António Oliveira

Não é jogador de futebol, nunca entrou numa telenovela nem foi, algum dia, notícia de primeira página num ‘manha’ qualquer. É só uma coisa minúscula muito difícil de detectar, misteriosa por isso mesmo, um spin, uma partícula elementar, subatómica, sem carga e

CARTA DE BRAGA- “o neutrino, o meio, a mensagem e o JN” por António Oliveira

Não é jogador de futebol, nunca entrou numa telenovela nem foi, algum dia, notícia de primeira página num ‘manha’ qualquer. É só uma coisa minúscula muito difícil de detectar, misteriosa por isso mesmo, um spin, uma partícula elementar, subatómica, sem carga e

UMA SEMENTE DE AFECTO por Luísa Lobão Moniz

As mudanças sociais são acompanhadas pelas instituições que as suportam enquanto sociedades dinâmicas. Por vezes essa mudança não se vive de forma pacífica devido a divergências ideológicas, a percas de pequenos poderes, a crises de valores que as sociedades não

UMA SEMENTE DE AFECTO por Luísa Lobão Moniz

As mudanças sociais são acompanhadas pelas instituições que as suportam enquanto sociedades dinâmicas. Por vezes essa mudança não se vive de forma pacífica devido a divergências ideológicas, a percas de pequenos poderes, a crises de valores que as sociedades não

CARTA DE BRAGA – “da ignorância e da inteligência” por António Oliveira

‘Os líderes da União Europeia voltaram a fracassar na tentativa de fixar 2050 como prazo limite para a neutralidade climática (zero emissões de CO2), devido à oposição de Hungria, Polónia, República Checa e Estónia’, numa votação que pedia unanimidade. Tirado

CARTA DE BRAGA – “da ignorância e da inteligência” por António Oliveira

‘Os líderes da União Europeia voltaram a fracassar na tentativa de fixar 2050 como prazo limite para a neutralidade climática (zero emissões de CO2), devido à oposição de Hungria, Polónia, República Checa e Estónia’, numa votação que pedia unanimidade. Tirado

O DIA MAIS LONGO DO ANO por Luísa Lobão Moniz

O Solstício de Verão é o dia mais longo do ano devido a um fenómeno astronómico. O Solstício de Verão ocorre no hemisfério Norte, enquanto no hemisfério Sul se celebra o Solstício de Inverno. O facto deste dia ser tão

O DIA MAIS LONGO DO ANO por Luísa Lobão Moniz

O Solstício de Verão é o dia mais longo do ano devido a um fenómeno astronómico. O Solstício de Verão ocorre no hemisfério Norte, enquanto no hemisfério Sul se celebra o Solstício de Inverno. O facto deste dia ser tão