Author Archives: clara castilho

CARTA DE BRAGA – “dos cínicos, da cultura, da inteligência e do celofane” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

O autor de um dos blogs que mais visito, José Ricardo Costa, do “Ponteiros Parados”, deixou há uns dias, uma frase que pode ser perfeitamente aplicada aos tempos que correm, ‘existem duas espécies de seres humanos, os que gostam de dióspiros e os

CARTA DE BRAGA – “dos cínicos, da cultura, da inteligência e do celofane” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

O autor de um dos blogs que mais visito, José Ricardo Costa, do “Ponteiros Parados”, deixou há uns dias, uma frase que pode ser perfeitamente aplicada aos tempos que correm, ‘existem duas espécies de seres humanos, os que gostam de dióspiros e os

UM NOVO OLHAR SOBRE FREUD por Clara Castilho

“Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo” é um livro de Elisabeth Roudinesco, editado em português pela Zahar. A partir de novos arquivos abertos pela Biblioteca do Congresso em Washington, Elisabeth Roudinesco reconstitui a vida de Freud através das intensas

UM NOVO OLHAR SOBRE FREUD por Clara Castilho

“Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo” é um livro de Elisabeth Roudinesco, editado em português pela Zahar. A partir de novos arquivos abertos pela Biblioteca do Congresso em Washington, Elisabeth Roudinesco reconstitui a vida de Freud através das intensas

POETA MANUEL ANTÓNIO PINA ASSINALADO DE 18 A 21 DE NOVEMBRO, EM LISBOA E NO PORTO

A 18 de Novembro de 2018, celebra-se o 75° aniversário do nascimento do Poeta Manuel António Pina, autor de uma das obras mais consistentes e imaginativas da literatura actual escrita em língua portuguesa. A necessidade, não só de homenagear e

POETA MANUEL ANTÓNIO PINA ASSINALADO DE 18 A 21 DE NOVEMBRO, EM LISBOA E NO PORTO

A 18 de Novembro de 2018, celebra-se o 75° aniversário do nascimento do Poeta Manuel António Pina, autor de uma das obras mais consistentes e imaginativas da literatura actual escrita em língua portuguesa. A necessidade, não só de homenagear e

HOMENAGEM A JOSÉ CARDOSO PIRES – DE 8 NOVEMBRO A 13 DEZEMBRO

A autarquia lisboeta e a Relógio d’Água homenageiam o escritor José Cardoso Pires, que morreu há 20 anos, com iniciativas que incluem filmes, leituras, passeios, exposição e um arquivo digital, a decorrer a partir de hoje, até final do ano.

HOMENAGEM A JOSÉ CARDOSO PIRES – DE 8 NOVEMBRO A 13 DEZEMBRO

A autarquia lisboeta e a Relógio d’Água homenageiam o escritor José Cardoso Pires, que morreu há 20 anos, com iniciativas que incluem filmes, leituras, passeios, exposição e um arquivo digital, a decorrer a partir de hoje, até final do ano.

CARTA DE BRAGA – “de bullying e canalhas” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

É cada vez mais visível que a democracia que hoje vivemos, não passa da sua própria ideia. Mas uma ideia a precisar de um aggiornamento urgente, de uma renovação das mentalidades e práticas para possibilitar melhorias estruturais, sem relembrar nem apelar a

CARTA DE BRAGA – “de bullying e canalhas” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

É cada vez mais visível que a democracia que hoje vivemos, não passa da sua própria ideia. Mas uma ideia a precisar de um aggiornamento urgente, de uma renovação das mentalidades e práticas para possibilitar melhorias estruturais, sem relembrar nem apelar a

OLAVO DELGADO CORREIA É O VENCEDOR DA PRIMEIRA EDIÇÃO DO PRÉMIO LITERÁRIO ARNALDO FRANÇA

O Prémio Literário Arnaldo França, instituído em parceria pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) e Imprensa Nacional de Cabo Verde (INCV), tem como propósito a promoção da língua portuguesa e do talento literário em Cabo Verde, bem como homenagear Arnaldo

OLAVO DELGADO CORREIA É O VENCEDOR DA PRIMEIRA EDIÇÃO DO PRÉMIO LITERÁRIO ARNALDO FRANÇA

O Prémio Literário Arnaldo França, instituído em parceria pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) e Imprensa Nacional de Cabo Verde (INCV), tem como propósito a promoção da língua portuguesa e do talento literário em Cabo Verde, bem como homenagear Arnaldo

JOÃO RUI DE SOUSA: 90 ANOS – MOSTRA NA BIBLIOTECA NACIONAL

  MOSTRA | 12 Out. – 28 Dez. ’18 | Sala de Referência | Entrada livre Poeta, crítico e ensaísta, nasceu em Lisboa, a 12 de Outubro de 1928. Depois de ter feito o curso de Regente Agrícola na Escola

JOÃO RUI DE SOUSA: 90 ANOS – MOSTRA NA BIBLIOTECA NACIONAL

  MOSTRA | 12 Out. – 28 Dez. ’18 | Sala de Referência | Entrada livre Poeta, crítico e ensaísta, nasceu em Lisboa, a 12 de Outubro de 1928. Depois de ter feito o curso de Regente Agrícola na Escola

PIER PAOLO PASOLINI – “TEOREMA” por CLARA CASTILHO

O livro “Teorema”  começou por ser um roteiro para um filme (produzido em 1968) que depois Pasolini transformou em livro. Cheio de excertos poéticos, Teorema faz a descrição impiedosa dos comportamentos e conflitos que ocorrem no seio de uma família burguesa num

PIER PAOLO PASOLINI – “TEOREMA” por CLARA CASTILHO

O livro “Teorema”  começou por ser um roteiro para um filme (produzido em 1968) que depois Pasolini transformou em livro. Cheio de excertos poéticos, Teorema faz a descrição impiedosa dos comportamentos e conflitos que ocorrem no seio de uma família burguesa num

O «NOSSO» PRÉMIO: 20 ANOS DO NOBEL DE JOSÉ SARAMAGO – MOSTRA NA BIBLIOTECA NACIONAL

MOSTRA | 12 Out. – 29 dez. ’18 | Sala de Referência | Entrada livre «Ao longo do século muitos escritores portugueses e brasileiros mereceram o Prémio Nobel e não o tiveram. Não é de surpreender, portanto, que a atribuição

O «NOSSO» PRÉMIO: 20 ANOS DO NOBEL DE JOSÉ SARAMAGO – MOSTRA NA BIBLIOTECA NACIONAL

MOSTRA | 12 Out. – 29 dez. ’18 | Sala de Referência | Entrada livre «Ao longo do século muitos escritores portugueses e brasileiros mereceram o Prémio Nobel e não o tiveram. Não é de surpreender, portanto, que a atribuição

CARTA DE BRAGA – “de cerimónias e bexigas”- por ANTÓNIO OLIVEIRA

Julgo que foi Goethe quem o disse, há mais de duzentos anos, ‘só não se equivoca quem nunca faz nada!’ O problema está em conseguir saber o que quer dizer aquele ‘quem nunca fez nada’, pois o poeta não explicou

CARTA DE BRAGA – “de cerimónias e bexigas”- por ANTÓNIO OLIVEIRA

Julgo que foi Goethe quem o disse, há mais de duzentos anos, ‘só não se equivoca quem nunca faz nada!’ O problema está em conseguir saber o que quer dizer aquele ‘quem nunca fez nada’, pois o poeta não explicou

ANA MARGARIDA DE CARVALHO VENCE GRANDE PRÉMIO DE CONTO CAMILO CASTELO BRANCO

O livro “Pequenos Delírios Domésticos”, da autoria da escritora e jornalista Ana Margarida de Carvalho (Relógio D’Água) é a obra vencedora do Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco atribuído pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão em parceria

ANA MARGARIDA DE CARVALHO VENCE GRANDE PRÉMIO DE CONTO CAMILO CASTELO BRANCO

O livro “Pequenos Delírios Domésticos”, da autoria da escritora e jornalista Ana Margarida de Carvalho (Relógio D’Água) é a obra vencedora do Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco atribuído pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão em parceria

SÉTIMO ENCONTRO TRIPLOV NA QUINTA DO FRADE, 17 de NOVEMBRO

  Realiza-se na Quinta do Frade (nas traseiras da Praça Rainha D. Filipa), Lisboa, 1600-681 Lisboa  o  7º Encontro Tripolov, no dia 17 de Novembro. LISTA DE PARTICIPANTES Maria Azenha – Abertura dos trabalhos Rui Grácio –  A estética e

SÉTIMO ENCONTRO TRIPLOV NA QUINTA DO FRADE, 17 de NOVEMBRO

  Realiza-se na Quinta do Frade (nas traseiras da Praça Rainha D. Filipa), Lisboa, 1600-681 Lisboa  o  7º Encontro Tripolov, no dia 17 de Novembro. LISTA DE PARTICIPANTES Maria Azenha – Abertura dos trabalhos Rui Grácio –  A estética e

CARTA DE BRAGA – “de viveres e mastins” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

Não quero hoje falar dos bolsonaros, salvinis, trumpas e afins, por já me ser penoso, mesmo antes de eles chegarem porque, como afirmou Lluis Bassets e aqui deixei há uns dias atrás, com a soberania das urnas tudo é possível, incluindo liquidar liberdades e limitar

CARTA DE BRAGA – “de viveres e mastins” – por ANTÓNIO OLIVEIRA

Não quero hoje falar dos bolsonaros, salvinis, trumpas e afins, por já me ser penoso, mesmo antes de eles chegarem porque, como afirmou Lluis Bassets e aqui deixei há uns dias atrás, com a soberania das urnas tudo é possível, incluindo liquidar liberdades e limitar

A POESIA MODERNA BRASILEIRA E ALGUMAS DERIVAS – DOMICIO PROENÇA FILHO, FUNDAÇÃO C. GULBENKIAN, 30 OUTUBRO, 18H30

O lugar de Machado de Assis na literatura brasileira por Domicio Proença Filho 30 outubro, terça / 18h30   Sobre o Ciclo Este ciclo apresenta alguns dos mais talentosos escritores brasileiros da atualidade, que são simultaneamente especialistas em áreas de

A POESIA MODERNA BRASILEIRA E ALGUMAS DERIVAS – DOMICIO PROENÇA FILHO, FUNDAÇÃO C. GULBENKIAN, 30 OUTUBRO, 18H30

O lugar de Machado de Assis na literatura brasileira por Domicio Proença Filho 30 outubro, terça / 18h30   Sobre o Ciclo Este ciclo apresenta alguns dos mais talentosos escritores brasileiros da atualidade, que são simultaneamente especialistas em áreas de