Author Archives: clara castilho

CARTA DE BRAGA – “O PROBLEMA DOS ESPELHOS” por António Oliveira

Se procurarmos o termo ‘cultura’ mas evocando os clássicos, logo nos acode a conhecida proposição de Aristóteles ‘todos os homens, por natureza, desejam saber’ Recorrendo depois aos modernos, ‘devemos definir cultura como o esforço da aquisição de um saber maior,

CARTA DE BRAGA – “O PROBLEMA DOS ESPELHOS” por António Oliveira

Se procurarmos o termo ‘cultura’ mas evocando os clássicos, logo nos acode a conhecida proposição de Aristóteles ‘todos os homens, por natureza, desejam saber’ Recorrendo depois aos modernos, ‘devemos definir cultura como o esforço da aquisição de um saber maior,

QUAIS AS CAUSAS? por Luísa Lobão Moniz

De tanto se falar, e bem, da violência contra as mulheres fica a pergunta: Porque é que os homens batem nas mulheres? E as respostas geralmente baseiam-se no facto de estarem bêbados, de terem ciúmes, de não se quererem separar,

QUAIS AS CAUSAS? por Luísa Lobão Moniz

De tanto se falar, e bem, da violência contra as mulheres fica a pergunta: Porque é que os homens batem nas mulheres? E as respostas geralmente baseiam-se no facto de estarem bêbados, de terem ciúmes, de não se quererem separar,

SÓ HÁ VÍTIMAS SE HOUVER AGRESSORES por Luísa Lobão Moniz

  Este ano de 2019 tem sido dominado pelo tema da violência contra as mulheres que acaba com o homicídio. Muitas justificações têm sido dadas: “ele só bate quando vem bêbado”, “ ele bate porque a mulher o provoca”, “

SÓ HÁ VÍTIMAS SE HOUVER AGRESSORES por Luísa Lobão Moniz

  Este ano de 2019 tem sido dominado pelo tema da violência contra as mulheres que acaba com o homicídio. Muitas justificações têm sido dadas: “ele só bate quando vem bêbado”, “ ele bate porque a mulher o provoca”, “

CARTA DE BRAGA – “de memórias, das boas e das menos boas”- António Oliveira

Começo este texto com o excelente julgamento do escritor catalão Luis Racionero, antigo director da Biblioteca Nacional de Espanha, enunciando raízes e memórias da Europa e de uma cultura de nunca devermos nem podermos esquecer. ‘A cultura europeia resulta da

CARTA DE BRAGA – “de memórias, das boas e das menos boas”- António Oliveira

Começo este texto com o excelente julgamento do escritor catalão Luis Racionero, antigo director da Biblioteca Nacional de Espanha, enunciando raízes e memórias da Europa e de uma cultura de nunca devermos nem podermos esquecer. ‘A cultura europeia resulta da

CARTA DE BRAGA – “de torniquetes e pulseiras” por António Oliveira

  Primeiro foram uns torniquetes, instalados para controlar as entradas e saídas dos funcionários! Depois a afirmação ‘se pudesse, em alguns funcionários, punha pulseira electrónica!’ Não se trata de uma estação do Metro nem de instituição policial, militar ou militarizada,

CARTA DE BRAGA – “de torniquetes e pulseiras” por António Oliveira

  Primeiro foram uns torniquetes, instalados para controlar as entradas e saídas dos funcionários! Depois a afirmação ‘se pudesse, em alguns funcionários, punha pulseira electrónica!’ Não se trata de uma estação do Metro nem de instituição policial, militar ou militarizada,

DOCUMENTAÇÃO SOBRE ANTIGO REGIME, RECOLHIDA POR JOSÉ CARDOSO PIRES ENTREGUE NA TORRE DO TOMBO por Clara Castilho

Resultante de uma exposição  realizada no ano passado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), a família de José Cardoso Pires (1925-1998) entregou os dossiers de estudo a este Arquivo. Os dossiers e os manuscritos literários estão na Biblioteca

DOCUMENTAÇÃO SOBRE ANTIGO REGIME, RECOLHIDA POR JOSÉ CARDOSO PIRES ENTREGUE NA TORRE DO TOMBO por Clara Castilho

Resultante de uma exposição  realizada no ano passado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), a família de José Cardoso Pires (1925-1998) entregou os dossiers de estudo a este Arquivo. Os dossiers e os manuscritos literários estão na Biblioteca

ESTÁ A SER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA? por Luísa Lobão Moniz

  Não hesite em denunciar. Acredite que há sempre alguém que cuidará de si. Texto retirado De  APAV Violência Doméstica  (  A  Consultar) O CICLO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência doméstica funciona como um sistema circular – o chamado Ciclo da

ESTÁ A SER VÍTIMA DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA? por Luísa Lobão Moniz

  Não hesite em denunciar. Acredite que há sempre alguém que cuidará de si. Texto retirado De  APAV Violência Doméstica  (  A  Consultar) O CICLO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA A violência doméstica funciona como um sistema circular – o chamado Ciclo da

PORQUÊ? por Luísa Lobão Moniz

  Que mais há a dizer sobre a violência que as mulheres e crianças e, quantas vezes também, idosos e deficientes, sofrem dentro das suas casas. Não são raras as vezes em que os vizinhos, os companheiros do café relatam

PORQUÊ? por Luísa Lobão Moniz

  Que mais há a dizer sobre a violência que as mulheres e crianças e, quantas vezes também, idosos e deficientes, sofrem dentro das suas casas. Não são raras as vezes em que os vizinhos, os companheiros do café relatam

CARTA DE BRAGA – “da dignidade e de preços” por António Oliveira

Lev Tolstoi deixou escrito no texto ‘Patriotismo e Governo’, datado de 1900 e agora reeditado e integrado em ‘Os últimos escritos’. ‘Um governo no sentido mais amplo, que inclui em si os capitalistas e a imprensa, não é mais do

CARTA DE BRAGA – “da dignidade e de preços” por António Oliveira

Lev Tolstoi deixou escrito no texto ‘Patriotismo e Governo’, datado de 1900 e agora reeditado e integrado em ‘Os últimos escritos’. ‘Um governo no sentido mais amplo, que inclui em si os capitalistas e a imprensa, não é mais do

NÚMERO INDETERMINADO por Luísa Lobão Moniz

Professora agredida por uma mulher numa escola do Porto. Onze mulheres mortas desde o dia 1 de Janeiro. Número indeterminado de mulheres mal tratadas. Número indeterminado de mulheres vítimas de violências várias, em casa, na rua, no trabalho. Cento e

NÚMERO INDETERMINADO por Luísa Lobão Moniz

Professora agredida por uma mulher numa escola do Porto. Onze mulheres mortas desde o dia 1 de Janeiro. Número indeterminado de mulheres mal tratadas. Número indeterminado de mulheres vítimas de violências várias, em casa, na rua, no trabalho. Cento e

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

CALÇADA DE CARRICHE por Luísa Lobão Moniz

  Luísa sobe, sobe a calçada, sobe e não pode que vai cansada. Sobe, Luísa, Luísa, sobe, sobe que sobe sobe a calçada. Saiu de casa de madrugada; regressa a casa é já noite fechada. Na mão grosseira, de pele

CARTA DE BRAGA – “tempos de vacas magras” por António Oliveira

Dada como verdade adquirida e sem grande contestação, a crise hoje vivida na maioria dos países europeus, foi motivada e decorre pela enorme perda de confiança das gentes, confrontadas com discursos e percursos políticos que são e estão muito longe

CARTA DE BRAGA – “tempos de vacas magras” por António Oliveira

Dada como verdade adquirida e sem grande contestação, a crise hoje vivida na maioria dos países europeus, foi motivada e decorre pela enorme perda de confiança das gentes, confrontadas com discursos e percursos políticos que são e estão muito longe

EXIGIR O QUE PARECE IMPOSSÍVEL por Luísa Lobão Moniz

Entre notícias de um jornal que prima por divulgar escândalos, a menina dos olhinhos pretos e brilhantes relembra passagens da sua vida enquanto criança, adolescente…enquanto Mulher e mãe de três filhos. O nome dos filhos foi escolhido por ela porque

EXIGIR O QUE PARECE IMPOSSÍVEL por Luísa Lobão Moniz

Entre notícias de um jornal que prima por divulgar escândalos, a menina dos olhinhos pretos e brilhantes relembra passagens da sua vida enquanto criança, adolescente…enquanto Mulher e mãe de três filhos. O nome dos filhos foi escolhido por ela porque

LÊ. SONHA. AGE por Luísa Lobão Moniz

Dois olhinhos pretos e brilhantes sorriem e ficam suspensos em pensamentos secretos, pensamentos sobre a sua vida passada… Muitos foram os dias em que não sabia como era VIVER. Muitos foram os dias em que o brilho dos olhos embaciava

LÊ. SONHA. AGE por Luísa Lobão Moniz

Dois olhinhos pretos e brilhantes sorriem e ficam suspensos em pensamentos secretos, pensamentos sobre a sua vida passada… Muitos foram os dias em que não sabia como era VIVER. Muitos foram os dias em que o brilho dos olhos embaciava

CARTA DE BRAGA – “dos ignorantes vaidosos e de náufragos”- por António Oliveira

Lembro-me de há pouco tempo ter lido, mas já nem sei onde, que Bertrand Russel ao criticar a fatuidade e ignorância (a qualificação é dele!) de boa parte da classe política, disse um dia que nada o satisfaria mais do

CARTA DE BRAGA – “dos ignorantes vaidosos e de náufragos”- por António Oliveira

Lembro-me de há pouco tempo ter lido, mas já nem sei onde, que Bertrand Russel ao criticar a fatuidade e ignorância (a qualificação é dele!) de boa parte da classe política, disse um dia que nada o satisfaria mais do