APRESENTAÇÃO DO ARGONAUTA LUÍS ROCHA

Luis Augusto Fernandes J. Rocha, nasceu em 1946, em Castelo Branco. É licenciado em Organização e Gestão de Empresas pelo ISCTE. (actual IUL). É membro da Ordem dos Economistas e sócio do Sport Lisboa e Benfica. Diz –nos que teve uma infância com muito amor dos pais e de todos os familiares, o que contribuiu para a sua maneira de estar na vida. Tem dois filhos e quatro netos.

Quando terminou o serviço militar, foi, em Abril de 1972, admitido numa Editora internacional em constituição. Participou assim num projecto inovador na área da edição em Portugal, de tal modo inovador e aliciante, com participação directa na gestão da empresa, que teve como consequência a sua permanência nessa Editora durante 25 anos. Frequentou também vários cursos de formação profissional e participou na gestão de várias empresas, sempre ligadas à edição e comercialização de publicações.

Aos 50 anos saiu da editora e apresentou, a um distribuidor de publicações (quiosques, tabacarias, supermercados e livrarias), um projecto de negócio que tinha como base o tratamento de assinaturas das publicações dos editores. Tratava-se de propor aos Editores mais um serviço e neste caso inovador nas empresas de distribuição de publicações. O projecto tornou-se realidade com a constituição de uma empresa em sociedade com o Distribuidor. Durante 10 anos a empresa que começou do “zero”, foi por ele gerida com sucesso. Na edição e na distribuição teve contactos e negociações com editores portugueses, espanhóis, franceses e ingleses.

Aos 60 anos decidiu reformar-se por antecipação. Após umas férias “sabáticas”, passou a fazer as coisas de que gosta e que não teve tempo para fazer, enquanto trabalhava. Está sempre ocupado e costuma dizer “ não sei como é que tinha tempo para trabalhar”. Para além do exercício físico e da prática de tiro ao alvo, aprecia os espectáculos (Cinema/futebol/Teatro/Bailado/Concertos) e as Artes em geral. Gosta de fotografia, de dançar, viajar e é um apaixonado pela música clássica. Gosta de ler (poesia e prosa), contar histórias aos netos e representar peças de teatro com eles.

Dá grande importância ao convívio com amigos e familiares. Em alguns momentos de solidão (sentado por exemplo numa esplanada á beira mar, sente um desejo súbito de escrever sobre o que sente ou o que vê. Escreve sobre memórias e sobre o que chama “fotografias da mente – do que vai vendo e observando”, andando por isso sempre acompanhado de um caderno de apontamentos. Algumas dessas “fotografias” serão mostradas aqui n’A Viagem dos Argonautas. Tenciona também escrever sobre Economia e Edição.

Da experiência profissional e formação académica ficou-lhe o “bichinho” do gosto pela gestão de empresas, continuando a querer estar informado sobre o tema a nível nacional e internacional. Tem em mente o projecto de um livro técnico sobre a sua experiência profissional, adaptada aos dias de hoje e de um romance. Espera ter tempo para os concretizar.

2 comments

  1. Pingback: Poesia ao amanhecer / 81 | A Viagem dos Argonautas

  2. Já sei que criticar Marinho e Pinto é ponto de ordem, motivo de orgulho, condição sine qua non para merecer a vossa atenção, publicação e destaque. Mas haverá alguma forma de poder dizer bem, nem que seja numa breve?

    Grato (certamente pela não resposta),

    Orlando Castro

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s