Category Archives: Política

UM ANO DE ATAQUES CONTRA AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS, por RICARDO MARCELO FONSECA, reitor da UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – enviado por CAMILO JOSEPH

OBRIGADO A RICARDO MARCELO FONSECA, MARCOS A. PIMENTA E CAMILO JOSEPH  6 de dezembro de 2017 – 20h04 Há quase um ano, no dia 9 de dezembro de 2016, a polícia federal irrompeu na UFRGS, em vista de uma suspeita

UM ANO DE ATAQUES CONTRA AS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS, por RICARDO MARCELO FONSECA, reitor da UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – enviado por CAMILO JOSEPH

OBRIGADO A RICARDO MARCELO FONSECA, MARCOS A. PIMENTA E CAMILO JOSEPH  6 de dezembro de 2017 – 20h04 Há quase um ano, no dia 9 de dezembro de 2016, a polícia federal irrompeu na UFRGS, em vista de uma suspeita

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (9ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

INFORMAÇÃO Nº2 AOS BENEFICIÁRIOS DA ADSE – A SUSTENTABILIDADE DA ADSE, O QUE FOI DECIDIDO PELO CONSELHO GERAL E SUPERVISÃO DA ADSE SOBRE O ALARGAMENTO A MAIS BENEFICIÁRIOS, E O AUMENTO DE PREÇOS DA TABELA DA ADSE PROPOSTA PELO CONSELHO DIRETIVO DA ADSE – por EUGÉNIO ROSA

    Com o objetivo de cumprir o compromisso que tomei de informar os beneficiários e de respeito pelo princípio de transparência elaborei esta informação para os trabalhadores e aposentados da Função Pública, onde analiso três questões importantes, duas delas

INFORMAÇÃO Nº2 AOS BENEFICIÁRIOS DA ADSE – A SUSTENTABILIDADE DA ADSE, O QUE FOI DECIDIDO PELO CONSELHO GERAL E SUPERVISÃO DA ADSE SOBRE O ALARGAMENTO A MAIS BENEFICIÁRIOS, E O AUMENTO DE PREÇOS DA TABELA DA ADSE PROPOSTA PELO CONSELHO DIRETIVO DA ADSE – por EUGÉNIO ROSA

    Com o objetivo de cumprir o compromisso que tomei de informar os beneficiários e de respeito pelo princípio de transparência elaborei esta informação para os trabalhadores e aposentados da Função Pública, onde analiso três questões importantes, duas delas

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte III

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No entanto, as questões de “qualidade do emprego” são agora brutalmente desafiadas por alguns estudos prospetivos que anunciam nada mais, nada menos do que o desaparecimento de um número muito grande de postos de trabalho e do fim da força de trabalho, devido à revolução tecnológica em curso.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte III

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No entanto, as questões de “qualidade do emprego” são agora brutalmente desafiadas por alguns estudos prospetivos que anunciam nada mais, nada menos do que o desaparecimento de um número muito grande de postos de trabalho e do fim da força de trabalho, devido à revolução tecnológica em curso.

ECODEBATE – CIDADANIA & MEIO AMBIENTE – BLOGUE CIDADÃOS DO MUNDO – PROTOCOLOS DE CONSULTA DE DIFERENTES POVOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA SÃO INSTRUMENTOS DE LUTA PELOS DIREITOS – ENTREVISTA COM ANGELA AMANKAWA KAXUYANA, por SUCENA SHKRADA RESK

OBRIGADO A ANGELA AMANKAWA KAXUYANA, SUCENA SHKRADA RESK, BLOGUE CIDADÃOS DO MUNDO E ECODEBATE   O protagonismo indígena na defesa dos seus direitos é a pauta desta semana. Na seara do contexto amazônico, a entrevistada é Angela Amankawa Kaxuyana, da

ECODEBATE – CIDADANIA & MEIO AMBIENTE – BLOGUE CIDADÃOS DO MUNDO – PROTOCOLOS DE CONSULTA DE DIFERENTES POVOS INDÍGENAS NA AMAZÔNIA SÃO INSTRUMENTOS DE LUTA PELOS DIREITOS – ENTREVISTA COM ANGELA AMANKAWA KAXUYANA, por SUCENA SHKRADA RESK

OBRIGADO A ANGELA AMANKAWA KAXUYANA, SUCENA SHKRADA RESK, BLOGUE CIDADÃOS DO MUNDO E ECODEBATE   O protagonismo indígena na defesa dos seus direitos é a pauta desta semana. Na seara do contexto amazônico, a entrevistada é Angela Amankawa Kaxuyana, da

ALMINHA DO ARQUIPÉLAGO, por CÉSAR PRÍNCIPE

  No âmbito das denegrições e celebrações da Revolução de Outubro, evocaremos, no fechar do centenário, um cabeça de cartaz anti, um tal Alexander Soljenytsine.1 Este guarda-branco da Intelligence foi fonte inquinada de citação. Enfeitou estantes de leitores Readers Digest.2

ALMINHA DO ARQUIPÉLAGO, por CÉSAR PRÍNCIPE

  No âmbito das denegrições e celebrações da Revolução de Outubro, evocaremos, no fechar do centenário, um cabeça de cartaz anti, um tal Alexander Soljenytsine.1 Este guarda-branco da Intelligence foi fonte inquinada de citação. Enfeitou estantes de leitores Readers Digest.2

A IDEIA – REVISTA de CULTURA LIBERTÁRIA – LANÇAMENTO de NÚMERO TRIPLO 81/83 + livro “ANARQUISMO MODERNO MAS NÃO PÓS-MODERNO” – AMANHÃ, SÁBADO, 16 de DEZEMBRO, às 15 horas, no MUSEU DO ALJUBE

Prezados Amigos e Colaboradores O número triplo da revista “A Ideia” respeitante a 2017 será apresentado na tarde do dia 16 de Dezembro de 2017 no Museu do Aljube. Segue em anexo o cartaz do evento, com o programa e

A IDEIA – REVISTA de CULTURA LIBERTÁRIA – LANÇAMENTO de NÚMERO TRIPLO 81/83 + livro “ANARQUISMO MODERNO MAS NÃO PÓS-MODERNO” – AMANHÃ, SÁBADO, 16 de DEZEMBRO, às 15 horas, no MUSEU DO ALJUBE

Prezados Amigos e Colaboradores O número triplo da revista “A Ideia” respeitante a 2017 será apresentado na tarde do dia 16 de Dezembro de 2017 no Museu do Aljube. Segue em anexo o cartaz do evento, com o programa e

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (8ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (7ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte II

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No final do século XIX, em vez de suprimir a relação salarial em vias de formação, o discurso e a prática social-democrática, pelo contrário, fazem dos salários o canal através do qual a riqueza se espalhará e através do qual uma ordem social mais justa (fundada sobre o trabalho e as capacidade) e verdadeiramente coletiva (os “produtores associados”) irá gradualmente enraizar-se.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte II

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No final do século XIX, em vez de suprimir a relação salarial em vias de formação, o discurso e a prática social-democrática, pelo contrário, fazem dos salários o canal através do qual a riqueza se espalhará e através do qual uma ordem social mais justa (fundada sobre o trabalho e as capacidade) e verdadeiramente coletiva (os “produtores associados”) irá gradualmente enraizar-se.

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (6ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte I

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No início do século XIX, muitos textos ecoavam a mesma transformação: o trabalho já não era considerado apenas como dificuldade, esforço, sacrifício, como uma despesa, como uma “desutilidade”, mas também como uma “liberdade criativa”, através da qual o homem pode transformar o mundo, torná-lo gerivel, habitável, imprimindo nele a sua marca.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 6 – O futuro do trabalho: sentido e valor do trabalho na Europa – Parte I

(Dominique Méda, publicação da OIT, 2016, Tradução Júlio Marques Mota)

No início do século XIX, muitos textos ecoavam a mesma transformação: o trabalho já não era considerado apenas como dificuldade, esforço, sacrifício, como uma despesa, como uma “desutilidade”, mas também como uma “liberdade criativa”, através da qual o homem pode transformar o mundo, torná-lo gerivel, habitável, imprimindo nele a sua marca.

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Dos conhecimentos básicos em finança à opacidade e complexidade do mundo financeirizado – Uma exposição e uma análise crítica. Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança – 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte). Por Finance Watch

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Parte III – A finança ao serviço da sociedade e não a sociedade ao serviço da finança. 3. Investir não é andar a apostar (5ª parte) Colocando os mercados financeiros ao serviço da

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 5 – A gestão de pessoal não se interessa pelo trabalho – Parte II

(Isabelle Bourboulon, Setembro de 2017, Tradução Júlio Marques Mota)

Não ter em conta esta questão central do trabalho num contexto de descontentamento social devido a dificuldades económicas, à precariedade e ao desemprego, podemos voltar a ver a ocorrência de fenómenos de violência como outrora em que se verificaram casos de sequestro de patrões ou ameaças para explodir o local de produção e os  meios de produção. A crise do trabalho poderá então  assumir formas muito mais radicais do que as dos  “riscos psicossociais”.

Sobre o mercado de trabalho atual: do século XXI ao século XIX, um retorno a Marx. 5 – A gestão de pessoal não se interessa pelo trabalho – Parte II

(Isabelle Bourboulon, Setembro de 2017, Tradução Júlio Marques Mota)

Não ter em conta esta questão central do trabalho num contexto de descontentamento social devido a dificuldades económicas, à precariedade e ao desemprego, podemos voltar a ver a ocorrência de fenómenos de violência como outrora em que se verificaram casos de sequestro de patrões ou ameaças para explodir o local de produção e os  meios de produção. A crise do trabalho poderá então  assumir formas muito mais radicais do que as dos  “riscos psicossociais”.