Author Archives: carlosloures

Brasil: Entre a Democracia e o fascismo, não pode haver neutralidade – MANIFESTO INTERNACIONAL CONTRA O FASCISMO NO BRASIL

Dezenas de deputados de diferentes grupos políticos do Parlamento Europeu (PE), assinaram o Manifesto Internacional contra o Fascismo no Brasil, declarando o mais profundo repúdio pelo candidato Jair Bolsonaro. Nós, mulheres e homens de várias partes do mundo comprometidos com

Brasil: Entre a Democracia e o fascismo, não pode haver neutralidade – MANIFESTO INTERNACIONAL CONTRA O FASCISMO NO BRASIL

Dezenas de deputados de diferentes grupos políticos do Parlamento Europeu (PE), assinaram o Manifesto Internacional contra o Fascismo no Brasil, declarando o mais profundo repúdio pelo candidato Jair Bolsonaro. Nós, mulheres e homens de várias partes do mundo comprometidos com

NESTE DIA, 18 de OUTUBRO de 1867, nasceu Eugénio Tavares

  Em 18 de Outubro, mas de 1867, nasceu na Ilha Brava (Vila Nova Sintra), Eugénio Tavares, o grande poeta cabo-verdiano (m. 1 de Junho de 1930). Autodidacta, dominava com perfeição, quer a língua portuguesa, quer o crioulo de Cabo

NESTE DIA, 18 de OUTUBRO de 1867, nasceu Eugénio Tavares

  Em 18 de Outubro, mas de 1867, nasceu na Ilha Brava (Vila Nova Sintra), Eugénio Tavares, o grande poeta cabo-verdiano (m. 1 de Junho de 1930). Autodidacta, dominava com perfeição, quer a língua portuguesa, quer o crioulo de Cabo

A NOSSA PENÍNSULA – 20 – MONARQUIAS PARA OS MUSEUS, por CARLOS LOURES

    Na edição de 5 de Outubro, dedicada ao 108º aniversário da proclamação da República em Portugal, dizíamos: «As monarquias são parques temáticos que a comunidade internacional deveria extinguir por uma simples razão de higiene democrática, […] pois ao,

A NOSSA PENÍNSULA – 20 – MONARQUIAS PARA OS MUSEUS, por CARLOS LOURES

    Na edição de 5 de Outubro, dedicada ao 108º aniversário da proclamação da República em Portugal, dizíamos: «As monarquias são parques temáticos que a comunidade internacional deveria extinguir por uma simples razão de higiene democrática, […] pois ao,

Eleição de 6 canções portuguesas para o CANCIONEIRO DA UNIÃO EUROPEIA

Álvaro José Ferreira Eleição de seis canções portuguesas para o Cancioneiro da U.E. Caros Amigos, Participem na eleição das seis melhores canções portuguesas para o Cancioneiro da União Europeia. Basta aceder a http://www.eu-songbook.org/, escolher o país (Portugal) e ir seleccionando

Eleição de 6 canções portuguesas para o CANCIONEIRO DA UNIÃO EUROPEIA

Álvaro José Ferreira Eleição de seis canções portuguesas para o Cancioneiro da U.E. Caros Amigos, Participem na eleição das seis melhores canções portuguesas para o Cancioneiro da União Europeia. Basta aceder a http://www.eu-songbook.org/, escolher o país (Portugal) e ir seleccionando

O Ultimato e a queda da Monarquia – por Carlos Loures

    O «Memorando» que, em 11 de Janeiro de 1890, o governo britânico fez chegar ao governo português, constituiu um dos factores preponderantes na queda do regime monárquico, 20 anos depois. Nesse documento, que os portugueses crismaram de «Ultimato»,

O Ultimato e a queda da Monarquia – por Carlos Loures

    O «Memorando» que, em 11 de Janeiro de 1890, o governo britânico fez chegar ao governo português, constituiu um dos factores preponderantes na queda do regime monárquico, 20 anos depois. Nesse documento, que os portugueses crismaram de «Ultimato»,

A BANDEIRA DA REPÚBLICA – por Carlos Loures

  A bandeira verde-rubra foi içada há 108 anos na varanda do Município. por José Relvas,  Não foi pacífica a sua aprovação – as cores verde e vermelha do ponto de vista da heráldica e da vexilologia*, são incompatíveis –

A BANDEIRA DA REPÚBLICA – por Carlos Loures

  A bandeira verde-rubra foi içada há 108 anos na varanda do Município. por José Relvas,  Não foi pacífica a sua aprovação – as cores verde e vermelha do ponto de vista da heráldica e da vexilologia*, são incompatíveis –

A LETRA COMPLETA DO HINO NACIONAL – da autoria de Henrique Lopes de Mendonça

Heróis do mar, nobre povo, Nação valente, imortal, Levantai hoje de novo O esplendor de Portugal! Entre as brumas da memória, Ó Pátria sente-se a voz Dos teus egrégios avós, Que há-de guiar-te à vitória! Às armas, às armas! Sobre

A LETRA COMPLETA DO HINO NACIONAL – da autoria de Henrique Lopes de Mendonça

Heróis do mar, nobre povo, Nação valente, imortal, Levantai hoje de novo O esplendor de Portugal! Entre as brumas da memória, Ó Pátria sente-se a voz Dos teus egrégios avós, Que há-de guiar-te à vitória! Às armas, às armas! Sobre

A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA – por Carlos Loures

Quando, no dia 5 de Outubro de 1910, cerca das nove horas da manhã, José Relvas içou a nova bandeira nacional na varanda do salão nobre do município lisboeta, dava-se início formal a um novo ciclo da História de Portugal. A

A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA – por Carlos Loures

Quando, no dia 5 de Outubro de 1910, cerca das nove horas da manhã, José Relvas içou a nova bandeira nacional na varanda do salão nobre do município lisboeta, dava-se início formal a um novo ciclo da História de Portugal. A

A PORTUGUESA – Hino Nacional

Quando em 1890 o governo britânico apresentou ao de Portugal o humilhante Ultimato, houve uma espontânea e vibrante reacção popular que a propaganda republicana habilmente explorou. A “nossa velha aliada”, à época a super-potência mundial, impôs-nos – ou abandonávamos os territórios

A PORTUGUESA – Hino Nacional

Quando em 1890 o governo britânico apresentou ao de Portugal o humilhante Ultimato, houve uma espontânea e vibrante reacção popular que a propaganda republicana habilmente explorou. A “nossa velha aliada”, à época a super-potência mundial, impôs-nos – ou abandonávamos os territórios

Um novo post em ESTADO E IGREJA – de Luís Salgado de Matos

  Descredibilizadas as Acusações ao Papa, Catolicismo no Banco dos Réus   Para ler, por favor clicar                                                

Um novo post em ESTADO E IGREJA – de Luís Salgado de Matos

  Descredibilizadas as Acusações ao Papa, Catolicismo no Banco dos Réus   Para ler, por favor clicar                                                

UM NOVO ARTIGO N’O ECONOMISTA PORTUGUÊS .de Luís Salgado de Matos

Dívida pública, quanto maior, menor é o spread, demonstra investigação empírica <<<Com sugestões para Portugal Para ler clicar https://oeconomistaport.wordpress.com/

UM NOVO ARTIGO N’O ECONOMISTA PORTUGUÊS .de Luís Salgado de Matos

Dívida pública, quanto maior, menor é o spread, demonstra investigação empírica <<<Com sugestões para Portugal Para ler clicar https://oeconomistaport.wordpress.com/

A CANETA MÁGICA – Catarse ou catar-se (2) – por Carlos Loures

Nova versão de um texto que foi publicado no Estrolabio.     Catarse, substantivo feminino, é a expulsão daquilo que, sendo estranho à essência ou à natureza de um ser, o corrompe. É um processo de purificação. Embora não pareça, catar, o verbo transitivo,

A CANETA MÁGICA – Catarse ou catar-se (2) – por Carlos Loures

Nova versão de um texto que foi publicado no Estrolabio.     Catarse, substantivo feminino, é a expulsão daquilo que, sendo estranho à essência ou à natureza de um ser, o corrompe. É um processo de purificação. Embora não pareça, catar, o verbo transitivo,

A CANETA MÁGICA – Catarse ou catar-se? (1) – por Carlos Loures

Este texto é uma nova versão do que, com título e conteúdo semelhantes, foi publicado no Estrolabio.   O blogue é uma forma moderna de catarse. Moderna e barata, pois os psiquiatras não cobram pouco… É também uma forma de cada bloguista

A CANETA MÁGICA – Catarse ou catar-se? (1) – por Carlos Loures

Este texto é uma nova versão do que, com título e conteúdo semelhantes, foi publicado no Estrolabio.   O blogue é uma forma moderna de catarse. Moderna e barata, pois os psiquiatras não cobram pouco… É também uma forma de cada bloguista