Category Archives: Finanças

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 6º Texto – Dos Coletes Amarelos aos Coletes Azuis: quem beneficia com a repressão policial?

(Tao Cheret,  31 de janeiro de 2019)

A política neoliberal denunciada pelos Coletes Amarelos também impacta a polícia: “Pensamos como os Coletes Amarelos; no final do mês, não somos ricos”, confessa Eric. Assim, duas ideias antagónicas coexistem, provavelmente entre a maioria dos polícias. Por um lado, a simpatia sentida pelos Coletes Amarelos e as suas exigências. Por outro lado, a necessidade de obedecer a ordens – mesmo violentas – pela ilusão de proteger a ordem pública e pelo medo de ser despedido.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 6º Texto – Dos Coletes Amarelos aos Coletes Azuis: quem beneficia com a repressão policial?

(Tao Cheret,  31 de janeiro de 2019)

A política neoliberal denunciada pelos Coletes Amarelos também impacta a polícia: “Pensamos como os Coletes Amarelos; no final do mês, não somos ricos”, confessa Eric. Assim, duas ideias antagónicas coexistem, provavelmente entre a maioria dos polícias. Por um lado, a simpatia sentida pelos Coletes Amarelos e as suas exigências. Por outro lado, a necessidade de obedecer a ordens – mesmo violentas – pela ilusão de proteger a ordem pública e pelo medo de ser despedido.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 5º Texto – O regresso dos corpos dos pobres

(Cyril Barde,  janeiro de 2019)

A irrupção dos corpos dominados passa primeiro pelo emblema que os manifestantes tinham escolhido para si mesmos: o colete amarelo é um sinal. O colete amarelo é um sinal. Um sinal de um corpo vulnerável que se trata de fazer aparecer, para ser realçado. Um sinal de um corpo em perigo que deve ser tornado visível, sinalizando à  atenção e à vigilância dos outros. Os coletes amarelos são o sinal do retorno do corpo dos pobres na política.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 5º Texto – O regresso dos corpos dos pobres

(Cyril Barde,  janeiro de 2019)

A irrupção dos corpos dominados passa primeiro pelo emblema que os manifestantes tinham escolhido para si mesmos: o colete amarelo é um sinal. O colete amarelo é um sinal. Um sinal de um corpo vulnerável que se trata de fazer aparecer, para ser realçado. Um sinal de um corpo em perigo que deve ser tornado visível, sinalizando à  atenção e à vigilância dos outros. Os coletes amarelos são o sinal do retorno do corpo dos pobres na política.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 4º Texto – . « Menos impostos », « mais Estado » : duas reivindicações complementares

(William Bouchardon, 21 de dezembro de 2018)

Embora a redução de impostos tenha permitido conquistar parte do eleitorado popular, particularmente no caso de Nicolas Sarkozy em 2007, não há garantias de que esta estratégia continue a longo prazo. De facto, o movimento dos Coletes Amarelos , se surgir em torno de uma reivindicação fiscal, faz frequentemente a ligação entre a tributação elevada e a evasão fiscal ou a abolição do imposto sobre a fortuna ou a fuga aos impostos. Não sei se a estratégia Sarkozyista  ainda seja  eficaz após os inúmeros escândalos de evasão e fraude: Panama Papers, Luxleaks, Paradise Papers, Football Leaks…

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 4º Texto – . « Menos impostos », « mais Estado » : duas reivindicações complementares

(William Bouchardon, 21 de dezembro de 2018)

Embora a redução de impostos tenha permitido conquistar parte do eleitorado popular, particularmente no caso de Nicolas Sarkozy em 2007, não há garantias de que esta estratégia continue a longo prazo. De facto, o movimento dos Coletes Amarelos , se surgir em torno de uma reivindicação fiscal, faz frequentemente a ligação entre a tributação elevada e a evasão fiscal ou a abolição do imposto sobre a fortuna ou a fuga aos impostos. Não sei se a estratégia Sarkozyista  ainda seja  eficaz após os inúmeros escândalos de evasão e fraude: Panama Papers, Luxleaks, Paradise Papers, Football Leaks…

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 3º Texto – Coletes Amarelos: o levantamento da França popular

(Marion Beauvalet, 19 de novembro de 2018)

Não, senhoras e senhores comentadores, aliados do poder, os Coletes Amarelos  não são apenas um bando de saloios a passear com uma lata de cerveja nas mãos no sábado de manhã na sua rotunda habitual, como alguns têm tentado fazer as pessoas acreditarem nas redes sociais. O problema vai muito mais fundo.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 3º Texto – Coletes Amarelos: o levantamento da França popular

(Marion Beauvalet, 19 de novembro de 2018)

Não, senhoras e senhores comentadores, aliados do poder, os Coletes Amarelos  não são apenas um bando de saloios a passear com uma lata de cerveja nas mãos no sábado de manhã na sua rotunda habitual, como alguns têm tentado fazer as pessoas acreditarem nas redes sociais. O problema vai muito mais fundo.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 2º Texto – Porque é que os trabalhadores franceses pobres exigem a demissão de Emmanuel Macron

(Oliver Davis, 2 de dezembro de  2018)

Como o historiador Gérard Noiriel observou, as reformas económicas de Macron estão a deixar  as pessoas  bloqueadas à beira da estrada, cheias de dificuldades e com apenas os seus Coletes Amarelos como  proteção. Os seus coletes de grande  visibilidade seguramente  conseguiram chamar a atenção para esta causa emergente. Suspeito que há vários outros atos a seguir neste drama político em particular.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 2º Texto – Porque é que os trabalhadores franceses pobres exigem a demissão de Emmanuel Macron

(Oliver Davis, 2 de dezembro de  2018)

Como o historiador Gérard Noiriel observou, as reformas económicas de Macron estão a deixar  as pessoas  bloqueadas à beira da estrada, cheias de dificuldades e com apenas os seus Coletes Amarelos como  proteção. Os seus coletes de grande  visibilidade seguramente  conseguiram chamar a atenção para esta causa emergente. Suspeito que há vários outros atos a seguir neste drama político em particular.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 1º Texto – A cor dos Coletes Amarelos

(Aurélien Delpirou, 23 de Novembro de 2018)

Finalmente, ao disseminar sociologismos simplistas ou infundados em detrimento de análises e controvérsias argumentadas, os autoproclamados especialistas em Coletes Amarelos correm o risco de passar ao lado das verdadeiras questões , a não ser  soprar sobre as  brasas do movimento. Oporem , como fazem implicitamente estes comentadores, “automobilistas  periurbanos ” e “favorecidos do centro”, “bons pobres” e “maus pobres”, e territórios “ganhadores” e  espaços “abandonados”, talvez forneça algumas chaves tranquilizadoras para a leitura – e também reduza o número daqueles que merecem ajuda. Mas isto nunca resolveu os seus problemas.

Os Coletes Amarelos, um sintoma da próxima crise na Europa. Uma série de textos. 1º Texto – A cor dos Coletes Amarelos

(Aurélien Delpirou, 23 de Novembro de 2018)

Finalmente, ao disseminar sociologismos simplistas ou infundados em detrimento de análises e controvérsias argumentadas, os autoproclamados especialistas em Coletes Amarelos correm o risco de passar ao lado das verdadeiras questões , a não ser  soprar sobre as  brasas do movimento. Oporem , como fazem implicitamente estes comentadores, “automobilistas  periurbanos ” e “favorecidos do centro”, “bons pobres” e “maus pobres”, e territórios “ganhadores” e  espaços “abandonados”, talvez forneça algumas chaves tranquilizadoras para a leitura – e também reduza o número daqueles que merecem ajuda. Mas isto nunca resolveu os seus problemas.

O ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2020 NÃO ACABA COM O SUBFINANCIAMENTO CRÓNICO DO SNS NEM COM SUA ENORME DÍVIDA COMO AFIRMOU O GOVERNO, E AS DIFICULDADES DOS PORTUGUESES NO ACESSO À SAÚDE VÃO CONTINUAR EM 2020 – por EUGÉNIO ROSA

EM 2020 AS TRANSFERÊNCIAS DO OE PARA O SNS INFERIORES ÀS DESPESAS EM 809 MILHÕES € Gráfico 1 – As transferências do OE para o SNS, a despesa anual do SNS e o saldo negativo anual-M€ A DÍVIDA ENORME DO

O ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2020 NÃO ACABA COM O SUBFINANCIAMENTO CRÓNICO DO SNS NEM COM SUA ENORME DÍVIDA COMO AFIRMOU O GOVERNO, E AS DIFICULDADES DOS PORTUGUESES NO ACESSO À SAÚDE VÃO CONTINUAR EM 2020 – por EUGÉNIO ROSA

EM 2020 AS TRANSFERÊNCIAS DO OE PARA O SNS INFERIORES ÀS DESPESAS EM 809 MILHÕES € Gráfico 1 – As transferências do OE para o SNS, a despesa anual do SNS e o saldo negativo anual-M€ A DÍVIDA ENORME DO

O AGRAVAMENTO DA INJUSTIÇA FISCAL COM O GOVERNO PS DEVIDO AO AUMENTO ENORME DOS IMPOSTOS INDIRETOS, A DESCIDA DA CARGA FISCAL DURANTE O GOVERNO PS, E O AUMENTO DA CARGA FISCAL SOBRE AS CLASSES DE RENDIMENTO MÉDIO E BAIXO DEVIDO À MÁ REPARTIÇÃO – por EUGÉNIO ROSA

A CARGA FISCAL AUMENTOU COM O GOVERNO PSD/CDS E DIMINUIU COM O GOVERNO PS NOS IMPOSTOS DIRETOS, FORAM AS RECEITAS DE IRS QUE AUMENTARAM MAIS COM O GOVERNO PSD/CDS, ENQUANTO COM O GOVERNO PS FORAM AS DO IRC AUMENTO DA

O AGRAVAMENTO DA INJUSTIÇA FISCAL COM O GOVERNO PS DEVIDO AO AUMENTO ENORME DOS IMPOSTOS INDIRETOS, A DESCIDA DA CARGA FISCAL DURANTE O GOVERNO PS, E O AUMENTO DA CARGA FISCAL SOBRE AS CLASSES DE RENDIMENTO MÉDIO E BAIXO DEVIDO À MÁ REPARTIÇÃO – por EUGÉNIO ROSA

A CARGA FISCAL AUMENTOU COM O GOVERNO PSD/CDS E DIMINUIU COM O GOVERNO PS NOS IMPOSTOS DIRETOS, FORAM AS RECEITAS DE IRS QUE AUMENTARAM MAIS COM O GOVERNO PSD/CDS, ENQUANTO COM O GOVERNO PS FORAM AS DO IRC AUMENTO DA

O QUE HÁ DE VERDADE NO PLANO DE MELHORIAS DO SNS (PMR-SNS) DO GOVERNO, A SUBORÇAMENTAÇÃO EM 2020, A CONTINUAÇÃO DO ENDIVIDAMENTO DO SNS, E AS DIFICULDADES DOS PORTUGUESES NO ACESSO À SAÚDE – por EUGÉNIO ROSA

A ALTERAÇÃO DOS DADOS DO RELATÓRIO DO ORÇAMENTO DO ESTADO DE 2019 PARA APRESENTAR AUMENTOS MAIS ELEVADOS EM 2020 O AUMENTO REAL DAS TRANSFERÊNCIAS DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA O SNS EM 2020 É INFERIOR ÀQUELE QUE O GOVERNO APREGOA

O QUE HÁ DE VERDADE NO PLANO DE MELHORIAS DO SNS (PMR-SNS) DO GOVERNO, A SUBORÇAMENTAÇÃO EM 2020, A CONTINUAÇÃO DO ENDIVIDAMENTO DO SNS, E AS DIFICULDADES DOS PORTUGUESES NO ACESSO À SAÚDE – por EUGÉNIO ROSA

A ALTERAÇÃO DOS DADOS DO RELATÓRIO DO ORÇAMENTO DO ESTADO DE 2019 PARA APRESENTAR AUMENTOS MAIS ELEVADOS EM 2020 O AUMENTO REAL DAS TRANSFERÊNCIAS DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA O SNS EM 2020 É INFERIOR ÀQUELE QUE O GOVERNO APREGOA

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: 5º Texto. Economia Inglesa- atualização: mais empregos, crescimento – e medo

(Victor Hill, 17/05/2019)

Na zona euro, a França, que desde o outono passado tem sido abalada pelos protestos dos Coletes Amarelos, está a crescer muito mais rápido do que a Itália ou a Alemanha. Mas, em geral, as maiores economias do mundo estão a desacelerar e, de acordo com a OCDE, 2019 pode vir a ser o pior ano para o crescimento global desde 2009. O índice de crescimento da OCDE caiu para 99,0 em março – o mais baixo desde setembro de 2009. Há seis meses, o Morgan Stanley reduziu a sua previsão de crescimento global para 2019 de 3,6% para 3,4%.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: 5º Texto. Economia Inglesa- atualização: mais empregos, crescimento – e medo

(Victor Hill, 17/05/2019)

Na zona euro, a França, que desde o outono passado tem sido abalada pelos protestos dos Coletes Amarelos, está a crescer muito mais rápido do que a Itália ou a Alemanha. Mas, em geral, as maiores economias do mundo estão a desacelerar e, de acordo com a OCDE, 2019 pode vir a ser o pior ano para o crescimento global desde 2009. O índice de crescimento da OCDE caiu para 99,0 em março – o mais baixo desde setembro de 2009. Há seis meses, o Morgan Stanley reduziu a sua previsão de crescimento global para 2019 de 3,6% para 3,4%.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: 4º Texto. A reivindicação do Living Wage: renovação ativista, negociação coletiva ou responsabilidade social das empresas?

(Jacques FREYSSINET, 01/07/2019)

A reivindicação de um Living Wage, um “salário digno”, um salário para viver decentemente reapareceu no Reino Unido no início dos anos 2000. Inicialmente defendido na base pelos movimentos sociais, a campanha assumiu formas militantes. Uma segunda abordagem será justaposta, a de um trabalho convincente levado a cabo pelas principais instituições para obter dos empregadores a implementação voluntária do Living Wage. A combinação das duas abordagens é uma fonte de tensão entre as organizações da sociedade civil e o movimento sindical.

Ano de 2019, ano de eleições europeias. Parte II – Imagens soltas de uma União Europeia em decomposição a partir de alguns dos seus Estados membros. Reino Unido: 4º Texto. A reivindicação do Living Wage: renovação ativista, negociação coletiva ou responsabilidade social das empresas?

(Jacques FREYSSINET, 01/07/2019)

A reivindicação de um Living Wage, um “salário digno”, um salário para viver decentemente reapareceu no Reino Unido no início dos anos 2000. Inicialmente defendido na base pelos movimentos sociais, a campanha assumiu formas militantes. Uma segunda abordagem será justaposta, a de um trabalho convincente levado a cabo pelas principais instituições para obter dos empregadores a implementação voluntária do Living Wage. A combinação das duas abordagens é uma fonte de tensão entre as organizações da sociedade civil e o movimento sindical.