Category Archives: Belas-artes.

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (128)

HOJE PRECISEI DE TI  Hoje precisei de tiDe madrugada,Era para ser só hoje.Na penumbraDa sala gelada,Vi uma sombra de tiUm sorriso qualquerUma palavra qualquerMesmo sem a tua presença.Precisei encontrar-teEm qualquer lado,E chorei lágrimas de tiNum orgasmo atempado.Era para ser só

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (128)

HOJE PRECISEI DE TI  Hoje precisei de tiDe madrugada,Era para ser só hoje.Na penumbraDa sala gelada,Vi uma sombra de tiUm sorriso qualquerUma palavra qualquerMesmo sem a tua presença.Precisei encontrar-teEm qualquer lado,E chorei lágrimas de tiNum orgasmo atempado.Era para ser só

CASA DA ACHADA – CENTRO MÁRIO DIONÍSIO – CICLO «A PALETA E O MUNDO»: AMANHÃ, SEGUNDA-FEIRA, 10 de SETEMBRO, às 18.30: leitura de “OBRA PRIMA DESCONHECIDA, de HONORÉ DE BALZAC, e a seguir o filme “A BELA IMPERTINENTE”, de JACQUES RIVETTE

  Ciclo «A Paleta e o Mundo»: A bela impertinente   Ciclo de leituras, acompanhada pela projecção de imagens, de obras abordadas n’A Paleta e o Mundo, de Mário Dionísio. Após a leitura de «Obra prima desconhecida» (1831) de Honoré de Balzac,

CASA DA ACHADA – CENTRO MÁRIO DIONÍSIO – CICLO «A PALETA E O MUNDO»: AMANHÃ, SEGUNDA-FEIRA, 10 de SETEMBRO, às 18.30: leitura de “OBRA PRIMA DESCONHECIDA, de HONORÉ DE BALZAC, e a seguir o filme “A BELA IMPERTINENTE”, de JACQUES RIVETTE

  Ciclo «A Paleta e o Mundo»: A bela impertinente   Ciclo de leituras, acompanhada pela projecção de imagens, de obras abordadas n’A Paleta e o Mundo, de Mário Dionísio. Após a leitura de «Obra prima desconhecida» (1831) de Honoré de Balzac,

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (127)

  O MAR DA FOZ     Ondas enormes batem no farol. Sentado na esplanada Do castelo da Foz Olho o mar Por entre camadas de sol E de nuvens de água feita em nada. Ouço das ondas a voz

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (127)

  O MAR DA FOZ     Ondas enormes batem no farol. Sentado na esplanada Do castelo da Foz Olho o mar Por entre camadas de sol E de nuvens de água feita em nada. Ouço das ondas a voz

EM 1935, HENRI MATISSE ILUSTROU “ULISSES” DE JAMES JOYCE por Clara Castilho

  James Joyce escreveu o livro “Ulisses” inspirado na Odisseia de Homero. O personagem principal de seu livro, Leopold Bloom, teria algumas das características de heróis famosos, mas sem pretender imortalizarem-se pela violência. James Joyce nasceu em Dublin, numa família

EM 1935, HENRI MATISSE ILUSTROU “ULISSES” DE JAMES JOYCE por Clara Castilho

  James Joyce escreveu o livro “Ulisses” inspirado na Odisseia de Homero. O personagem principal de seu livro, Leopold Bloom, teria algumas das características de heróis famosos, mas sem pretender imortalizarem-se pela violência. James Joyce nasceu em Dublin, numa família

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (126)

  QUE FALTA ME FAZ O TEU REGAÇO     Que falta me faz o teu regaço   Tem dias em que abafo Preso nestas paredes De pedra  Dias compridos onde Deambulo entre palavras   O meu pensamento arde Por

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (126)

  QUE FALTA ME FAZ O TEU REGAÇO     Que falta me faz o teu regaço   Tem dias em que abafo Preso nestas paredes De pedra  Dias compridos onde Deambulo entre palavras   O meu pensamento arde Por

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (125)

  DOCEMENTE       Docemente, Olho o tecto do quarto, Do nosso quarto. Docemente Sinto no ar o teu perfume selvagem De que nunca me farto, Docemente. Docemente Passas por mim com a aragem Passas como quem vai de

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (125)

  DOCEMENTE       Docemente, Olho o tecto do quarto, Do nosso quarto. Docemente Sinto no ar o teu perfume selvagem De que nunca me farto, Docemente. Docemente Passas por mim com a aragem Passas como quem vai de

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (124)

      ERA QUASE NADA     Quase com cuidado Muito ao de leve O silêncio foi quebrado. Era quase nada! Como se fora Do cair da neve O rumor que se adivinhava. Ou talvez da leve brisa De

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (124)

      ERA QUASE NADA     Quase com cuidado Muito ao de leve O silêncio foi quebrado. Era quase nada! Como se fora Do cair da neve O rumor que se adivinhava. Ou talvez da leve brisa De

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (123)

“MINHA MISS P”   Continuo apaixonado Pelas coisas, Pela vida, Pela verdade E por ti Essencialmente por ti E o meu amor arderá Até que o mundo acabe.   As lembranças que tenho De nós os dois, As palavras em

IMAGEM E POESIA – Por José Magalhães (123)

“MINHA MISS P”   Continuo apaixonado Pelas coisas, Pela vida, Pela verdade E por ti Essencialmente por ti E o meu amor arderá Até que o mundo acabe.   As lembranças que tenho De nós os dois, As palavras em

ADÃO CRUZ – EXPOSIÇÃO DE PINTURA “… como um dia de Primavera nos olhos de um prisioneiro” – INAUGURAÇÃO SÁBADO, 30 de JUNHO, pelas 16 horas, na GALERIA ZELLER, em ESPINHO

Caros amigos A vossa presença, para além de tudo o mais, é uma rica forma de vos ver e estar convosco. Com um grande abraço do amigo adão   Inauguração da exposição de pintura de Adão Cruz “… como um dia de

ADÃO CRUZ – EXPOSIÇÃO DE PINTURA “… como um dia de Primavera nos olhos de um prisioneiro” – INAUGURAÇÃO SÁBADO, 30 de JUNHO, pelas 16 horas, na GALERIA ZELLER, em ESPINHO

Caros amigos A vossa presença, para além de tudo o mais, é uma rica forma de vos ver e estar convosco. Com um grande abraço do amigo adão   Inauguração da exposição de pintura de Adão Cruz “… como um dia de