Category Archives: Tecnologia

A COLUNA DE OCTOPUS – A TECNOLOGIA APROXIMA QUEM ESTÁ LONGE E AFASTA QUEM ESTÁ PERTO

    Até que ponto a união de milhares de quilómetros possibilitada pela internet, não afasta quem está a poucos metros de nós? A verdade é que actualmente vivemos para a internet 24h do nosso dia. Ela tornou-se um vício,

A COLUNA DE OCTOPUS – A TECNOLOGIA APROXIMA QUEM ESTÁ LONGE E AFASTA QUEM ESTÁ PERTO

    Até que ponto a união de milhares de quilómetros possibilitada pela internet, não afasta quem está a poucos metros de nós? A verdade é que actualmente vivemos para a internet 24h do nosso dia. Ela tornou-se um vício,

A REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA, O IMPACTO NO EMPREGO E NA REPARTIÇÃO DA RIQUEZA CRIADA: contributos para a reflexão e debate neste 1º de Maio de 2017 – por EUGÉNIO ROSA

  Contrariamente ao que muitos podem pensar ou dizer, a revolução tecnológica em curso, diferente das anteriores (esta é diferente das anteriores), não é nem um mito, nem uma simples criação ideológica do capitalismo. Ela é bem real, e vai

A REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA, O IMPACTO NO EMPREGO E NA REPARTIÇÃO DA RIQUEZA CRIADA: contributos para a reflexão e debate neste 1º de Maio de 2017 – por EUGÉNIO ROSA

  Contrariamente ao que muitos podem pensar ou dizer, a revolução tecnológica em curso, diferente das anteriores (esta é diferente das anteriores), não é nem um mito, nem uma simples criação ideológica do capitalismo. Ela é bem real, e vai

EDITORIAL – A Arte de Furtar

O Padre António Vieira, talvez o mais destacado ícone da literatura seiscentista portuguesa – Fernando Pessoa considerou-o como o «imperador da língua portuguesa», um lisboeta que os historiadores da Literatura Brasileira reivindicam como baiano – desmontou na sua obra, com

EDITORIAL – A Arte de Furtar

O Padre António Vieira, talvez o mais destacado ícone da literatura seiscentista portuguesa – Fernando Pessoa considerou-o como o «imperador da língua portuguesa», um lisboeta que os historiadores da Literatura Brasileira reivindicam como baiano – desmontou na sua obra, com

CONTOS & CRÓNICAS – CARLOS REIS – OS ARTIGOS IMPUBLICÁVEIS – OS TECLOMÓVEIS

Parece que ainda não é desta. Quero dizer, o smartphone, a inteligência, o esclarecimento, o raciocínio, o meu futuro em termos telefónicos. Porque simpaticamente alguém me ofereceu um objecto daqueles, quando fiquei órfão do nokia (que aliás sempre me tratou

CONTOS & CRÓNICAS – CARLOS REIS – OS ARTIGOS IMPUBLICÁVEIS – OS TECLOMÓVEIS

Parece que ainda não é desta. Quero dizer, o smartphone, a inteligência, o esclarecimento, o raciocínio, o meu futuro em termos telefónicos. Porque simpaticamente alguém me ofereceu um objecto daqueles, quando fiquei órfão do nokia (que aliás sempre me tratou

A GALIZA COMO TAREFA – ú são os bytes d’antano – Ernesto V. Souza

Resulta pavoroso comprovar como muitos dos textos publicados, entre fim dos noventa e primeiros anos do século XXI, em meios digitais, especialmente revistas, blogues e sites que no seu dia estiveram efervescentes no topo da moda, não são já simplesmente

A GALIZA COMO TAREFA – ú são os bytes d’antano – Ernesto V. Souza

Resulta pavoroso comprovar como muitos dos textos publicados, entre fim dos noventa e primeiros anos do século XXI, em meios digitais, especialmente revistas, blogues e sites que no seu dia estiveram efervescentes no topo da moda, não são já simplesmente

SEMINÁRIO INTERNACIONAL “CULTURA, LUSOFONIA E DIREITO DE AUTOR NA ERA DIGITAL”, DIAS 25 E 26 DE NOVEMBRO, NA FUNDAÇÃO GULBENKIAN

 Dias 25 e 26 de Novembro realiza-se o  III Seminário Internacional “Cultura, Lusofonia e Direito de Autor na era digital”, na Fundação Calouste Gulbenkian. É uma organização da Sociedade Portuguesa de Autores. A Cultura é um pilar que sustenta a luta

SEMINÁRIO INTERNACIONAL “CULTURA, LUSOFONIA E DIREITO DE AUTOR NA ERA DIGITAL”, DIAS 25 E 26 DE NOVEMBRO, NA FUNDAÇÃO GULBENKIAN

 Dias 25 e 26 de Novembro realiza-se o  III Seminário Internacional “Cultura, Lusofonia e Direito de Autor na era digital”, na Fundação Calouste Gulbenkian. É uma organização da Sociedade Portuguesa de Autores. A Cultura é um pilar que sustenta a luta

A GALIZA COMO TAREFA – na nuvem – Ernesto V. Souza

Para o J. R. Pichel Campos, há muitos anos na nuvem pioneiro. Há momentos em que as mudanças passam de simples retificações ou melhorias sobre mais do mesmo para re-estruturações ou a substituições de elementos que alteram todos os sistemas,

A GALIZA COMO TAREFA – na nuvem – Ernesto V. Souza

Para o J. R. Pichel Campos, há muitos anos na nuvem pioneiro. Há momentos em que as mudanças passam de simples retificações ou melhorias sobre mais do mesmo para re-estruturações ou a substituições de elementos que alteram todos os sistemas,

CÂMARA MUNICIPAL de VILA FRANCA DE XIRA – MUSEU do NEO-REALISMO – JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2015 – PATRIMÓNIO INDUSTRIAL E TÉCNICO – MOSTRA “NEORREALISMO: TÉCNICA E INVENÇÃO DO FUTURO”.

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira associa-se, mais uma vez, às Jornadas Europeias do Património, este ano subordinadas ao tema “Património Industrial e Técnico”. Com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para o seu valor e para a

CÂMARA MUNICIPAL de VILA FRANCA DE XIRA – MUSEU do NEO-REALISMO – JORNADAS EUROPEIAS DO PATRIMÓNIO 2015 – PATRIMÓNIO INDUSTRIAL E TÉCNICO – MOSTRA “NEORREALISMO: TÉCNICA E INVENÇÃO DO FUTURO”.

A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira associa-se, mais uma vez, às Jornadas Europeias do Património, este ano subordinadas ao tema “Património Industrial e Técnico”. Com o objetivo de sensibilizar os cidadãos para o seu valor e para a

A GALIZA COMO TAREFA – as modernas velhas redes – Ernesto V. Souza

Aos poucos a Galiza vai espreguiçando-se do seu sono histórico. E os galegos, com toda a sua antiga e longa história, parece que só se estão a tornar visíveis, nestes tempos de já-e-depois-da-modernidade, ou de depois mesmo do Nunca mais.

A GALIZA COMO TAREFA – as modernas velhas redes – Ernesto V. Souza

Aos poucos a Galiza vai espreguiçando-se do seu sono histórico. E os galegos, com toda a sua antiga e longa história, parece que só se estão a tornar visíveis, nestes tempos de já-e-depois-da-modernidade, ou de depois mesmo do Nunca mais.

A GALIZA COMO TAREFA – a cantiga das máquinas sem motor – Ernesto V. Souza

Para o Marcos Celeiro, com a minha admiração e solidariedade. Uma das questões mais fascinantes da história e da arqueologia é a das decadências das civilizações. De como as crises profundas que declinam em colapsos, são seguidas pelo esquecimento de

A GALIZA COMO TAREFA – a cantiga das máquinas sem motor – Ernesto V. Souza

Para o Marcos Celeiro, com a minha admiração e solidariedade. Uma das questões mais fascinantes da história e da arqueologia é a das decadências das civilizações. De como as crises profundas que declinam em colapsos, são seguidas pelo esquecimento de

A QUEM É QUE ESTA SOLUÇÃO NÃO INTERESSA?

É a segunda vez que mostramos este vídeo e, como da primeira, perguntamos – se há possibilidade de aliviar as lixeiras de toneladas de plástico e de reduzir as importações de petróleo, com benefícios evidentes para o ambiente e para a

A QUEM É QUE ESTA SOLUÇÃO NÃO INTERESSA?

É a segunda vez que mostramos este vídeo e, como da primeira, perguntamos – se há possibilidade de aliviar as lixeiras de toneladas de plástico e de reduzir as importações de petróleo, com benefícios evidentes para o ambiente e para a