Category Archives: Ciências Sociais.

A GALIZA COMO TAREFA – razão – Ernesto V. Souza

Vox populi, vox dei, eis, como sabemos, aforismo em latim, que já o Padre Feijó, seguindo aqueles eruditos, scotistas, ockaminstas, erasmistas e sanchistas, refutou sabiamente e em romance, no primeiro discurso do tomo primeiro do seu Teatro Crítico Universal lá

A GALIZA COMO TAREFA – razão – Ernesto V. Souza

Vox populi, vox dei, eis, como sabemos, aforismo em latim, que já o Padre Feijó, seguindo aqueles eruditos, scotistas, ockaminstas, erasmistas e sanchistas, refutou sabiamente e em romance, no primeiro discurso do tomo primeiro do seu Teatro Crítico Universal lá

BRASIL – CORREIO DA CIDADANIA – “ÚLTIMOS GOVERNOS PREPARARAM O TERRENO PARA BOLSONARO NEGAR TODOS OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS”, por GABRIEL BRITO – ENTREVISTA com

OBRIGADO A MARCO MOREL, GABRIEL BRITO E CORREIO DA CIDADANIA “A saga histórica dos índios botocudos se constitui num patrimônio da humanidade”. É assim que o historiador Marco Morel define o povo que pesquisou durante anos, sobre o qual publica

BRASIL – CORREIO DA CIDADANIA – “ÚLTIMOS GOVERNOS PREPARARAM O TERRENO PARA BOLSONARO NEGAR TODOS OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS”, por GABRIEL BRITO – ENTREVISTA com

OBRIGADO A MARCO MOREL, GABRIEL BRITO E CORREIO DA CIDADANIA “A saga histórica dos índios botocudos se constitui num patrimônio da humanidade”. É assim que o historiador Marco Morel define o povo que pesquisou durante anos, sobre o qual publica

A GALIZA COMO TAREFA – habitus- Ernesto V. Souza

Somos filhos da nossa cultura e práticas sociais. Ou dito doutro jeito: a nossa atuação social, estética e comportamentos de grupo: políticos, associativos, alimentícios, estéticos, profissionais vêm definidos pela nossa socialização e habitus cultural. E o que é mais, o

A GALIZA COMO TAREFA – habitus- Ernesto V. Souza

Somos filhos da nossa cultura e práticas sociais. Ou dito doutro jeito: a nossa atuação social, estética e comportamentos de grupo: políticos, associativos, alimentícios, estéticos, profissionais vêm definidos pela nossa socialização e habitus cultural. E o que é mais, o

DIÁSPORA. LA RAYA IBÉRICA, por Moisés Cayetano Rosado

La Raya Ibérica, desde el inicio de su conformación a mediados del siglo XII, hasta ya entrado en siglo XIX, ha sido un espacio de enfrentamientos fronterizos, de lo que es testimonio presente un patrimonio fortificado de extraordinario valor, construido

DIÁSPORA. LA RAYA IBÉRICA, por Moisés Cayetano Rosado

La Raya Ibérica, desde el inicio de su conformación a mediados del siglo XII, hasta ya entrado en siglo XIX, ha sido un espacio de enfrentamientos fronterizos, de lo que es testimonio presente un patrimonio fortificado de extraordinario valor, construido

SINAIS DE DESILUSÃO, de JOÃO MARQUES

  O João Marques já não está entre nós. Publicamos hoje outro dos seus textos, que muito ajuda a compreender a situação em que, nós portugueses, nos encontramos. À família e aos amigos o nosso abraço. Não o esqueceremos.  

SINAIS DE DESILUSÃO, de JOÃO MARQUES

  O João Marques já não está entre nós. Publicamos hoje outro dos seus textos, que muito ajuda a compreender a situação em que, nós portugueses, nos encontramos. À família e aos amigos o nosso abraço. Não o esqueceremos.  

A GALIZA COMO TAREFA – propaganda – Ernesto V. Souza

Resulta interessante considerar como a noção que hoje temos a respeito do que é a Literatura é aplicada a todas as manifestações das escritas antepassadas. Fazemos com tudo, é verdade, interpretando e dando sentido ao passado, a cada vez, em

A GALIZA COMO TAREFA – propaganda – Ernesto V. Souza

Resulta interessante considerar como a noção que hoje temos a respeito do que é a Literatura é aplicada a todas as manifestações das escritas antepassadas. Fazemos com tudo, é verdade, interpretando e dando sentido ao passado, a cada vez, em

A GALIZA COMO TAREFA – conversas – Ernesto V. Souza

É sempre interessante a conversa com livreiros (livreiras de mais em mais), daqueles que conhecem, como artesãos com anos de prática constante, o seu ofício. Não sou eu mui dado à conversa, não vaiam pensar. Sou mais um desses clientes

A GALIZA COMO TAREFA – conversas – Ernesto V. Souza

É sempre interessante a conversa com livreiros (livreiras de mais em mais), daqueles que conhecem, como artesãos com anos de prática constante, o seu ofício. Não sou eu mui dado à conversa, não vaiam pensar. Sou mais um desses clientes

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Viagem ao país do absurdo: eu sonhei que a extrema-direita destruía o país …   Por Franck Crudo

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Viagem ao país do absurdo: eu sonhei que a extrema-direita destruía o país … “Os media repetiam: nada de amálgamas “   Por Franck Crudo Publicado por  em 18 de maio de 2018

Da crise atual à próxima crise, sinais de alarme – Viagem ao país do absurdo: eu sonhei que a extrema-direita destruía o país …   Por Franck Crudo

Seleção e tradução de Júlio Marques Mota Viagem ao país do absurdo: eu sonhei que a extrema-direita destruía o país … “Os media repetiam: nada de amálgamas “   Por Franck Crudo Publicado por  em 18 de maio de 2018

CASA DA ACHADA – CENTRO MÁRIO DIONÍSIO – CICLO DE CINEMA AO AR LIVRE – «MODOS DE HABITAR»: “REFUGIÉ-ES CITY PLAZA” e “À PROPOS DE NICE” – HOJE, SEGUNDA-FEIRA, 10 de SETEMBRO, às 21.30

    Ciclo de cinema ao ar livre «Modos de habitar»: Refugié-es City Plaza e À propos de Nice   Enquadrado no ciclo «Outra sociedade – à volta das ideias de Ivan Illich», que revisita as ideias de Ivan Illich (1926-2002)

CASA DA ACHADA – CENTRO MÁRIO DIONÍSIO – CICLO DE CINEMA AO AR LIVRE – «MODOS DE HABITAR»: “REFUGIÉ-ES CITY PLAZA” e “À PROPOS DE NICE” – HOJE, SEGUNDA-FEIRA, 10 de SETEMBRO, às 21.30

    Ciclo de cinema ao ar livre «Modos de habitar»: Refugié-es City Plaza e À propos de Nice   Enquadrado no ciclo «Outra sociedade – à volta das ideias de Ivan Illich», que revisita as ideias de Ivan Illich (1926-2002)