ACADEMIA PORTUGUESA DE CINEMA ATRIBUI PRÉMIOS SOPHIA CARREIRA 2015 A EUNICE MUNOZ E LUÍS MIGUEL CINTRA, DIA 2 DE ABRIL, NO CENTRO CULTURAL DE BELÉM

logotipo

Academia Portuguesa de Cinema  irá atribuir os Prémios Sophia Carreira 2015, a Eunice Muñoz (actriz) e Luís Miguel Cintra (actor e encenador), na próxima cerimónia dos Prémios Sophia a realizar no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, no dia 2 de Abril. Esta será a terceira vez que a Academia Portuguesa de Cinema atribui Prémios Carreira a personalidades nacionais, uma homenagem pelo especial contributo ao cinema português.

 11075214_797736730318295_3240751615323878184_n

Eunice Muñoz é uma actriz de referência, conhecida pela sua versatilidade em teatro, cinema e televisão, que completa 74 anos de carreira em 2015. Considerada uma das melhores actrizes portuguesas da sua geração, participou em várias produções cinematográficas como por exemplo “Camões” (1946) de José Leitão de Barros, “Um Homem do Ribatejo” (1946) de Henrique Campos, “Os Vizinhos do Rés-do-Chão” (1947) de Alejandro Perla“A Morgadinha dos Canaviais” (1949) de Caetano Bonucci e Amadeu Ferrari, “Ribatejo” (1949) de Henrique Campos, “O Trigo e o Joio” (1965) de Manuel Guimarães, “Matar Saudades” (1988) de Fernando Lopes, “Tempos Difíceis” (1988) de João Botelho e mais recentemente em “Entre os Dedos” (2008) de Tiago Guedes e Frederico Serra.

Luís Miguel Cintra é um actor e encenador de renome que se tem destacado sobretudo no cinema, na participação e colaboração em filmes de realizadores como Manoel de Oliveira, Solveig Nordlund e João César Monteiro. Ao longo da sua vida tem sido distinguido com vários prémios, entre outros, como o Prémio Pessoa 2005. No seu curriculum constam mais de cinquenta participações em longas-metragens, entre elas destacam-se por exemplo: “Nem Pássaro Nem Peixe” (1978) de Solveig Nordlund, “A Ilha dos Amores” (1982) de Paulo Rocha, “Os Canibais” (1988) de Manoel de Oliveira, “Onde Bate o Sol” (1989) de Joaquim Pinto, “Recordações da Casa Amarela” (1989) de João César Monteiro, “Non, ou a Vã Glória de Mandar” (1990) de Manoel de Oliveira, “A Divina Comédia” (1991) de Manoel de Oliveira, “O Sangue” (1991) de Pedro Costa, “Capitães de Abril”(2000) de Maria de Medeiros, “Palavra e Utopia” (2000) de Manoel de Oliveira, “The Dancer Upstairs” (2002) de John Malkovich, “Cristóvão Colombo – o enigma” (2007) de Manoel de Oliveira, “O Gebo e a Sombra” (2012) de Manoel de Oliveira.

Em 2014 os Prémios Carreira da Academia Portuguesa de Cinema haviam sido atribuídos a José Fonseca e Costa (realizador), Eduardo Serra (director de fotografia) e Henrique Espírito Santo (actor e produtor).

HOME

Leave a Reply