DIA 25 DE NOVEMBRO, MARCHA PELO FIM DA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES 2015

A violência contra as Mulheres, em todas as suas formas, é uma violação grave dos direitos humanos das Mulheres. É, ainda hoje, dos crimes mais praticados em todo o mundo, com consequências devastadoras para a saúde, bem-estar e vida das Mulheres.

Screen-Shot-2015-11-11-at-22.13.23
Quebremos o silêncio!
A violência exercida contra as Mulheres tem por base fatores estruturais, históricos e culturais que lhe conferem o significado político de mecanismo social pelo qual as Mulheres são forçadas à subordinação em relação aos homens. A Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica, vulgo Convenção de Istambul, afirma que a violência atinge de forma desproporcionada as Mulheres, pelo que a violência de género representa a forma mais extrema da desigualdade global e sistemática vivida por Mulheres e Meninas.
A consciência deste facto, e de que ele constitui um atentado aos direitos humanos a que nos devemos opor firmemente, impele Movimentos de Mulheres, Movimentos Sociais, Parlamentos e Estados, à definição de estratégias e ações para lhe pôr termo. Juntas e juntos, quebramos o silêncio!
A Assembleia Geral das Nações Unidas oficializou em 1999, o 25 de Novembro como o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres. Desde então este dia é assinalado como um dia de reconhecimento, luta e resistência que apela:
Ao questionamento da cultural patriarcal e sexista que discrimina as Mulheres e legitima a continuação dessa violência!
À exigência e construção de uma cultura de prevenção da violência contra as Mulheres e de efetiva igualdade de género!
À participação de todas e de todos, da sociedade no seu conjunto, e a uma responsabilidade e envolvimento coletivo no combate à violência contra as Mulheres!
Com esta Marcha quebramos o silêncio e gritamos alto para que todas e todos sejam agentes de mudança no combate à violência contra as Mulheres. Queremos combater as causas desta violência, exigimos a eliminação das discriminações e a transformação das mentalidades que legitimam a sua perpetuação. E entendemos ser imperativo pôr fim a estes crimes – fim à violência doméstica, à violência sexual, à violação, ao assédio sexual, ao assédio moral, ao tráfico de mulheres, aos chamados “crimes de honra”, aos casamentos forçados, à mutilação genital feminina e ao femicídio.
Neste 25 de Novembro, as organizações subscritoras convidam as demais organizações e toda a sociedade à ação pela Eliminação da Violência contra as Mulheres e a quebrar o silêncio em torno de todas as formas de violência. Porque juntas e juntos, quebramos o silêncio exigindo melhor justiça, mais oportunidades e a igualdade.
Juntas e juntos, levantamos a voz porque acreditamos num outro mundo: num mundo livre da violência contra as Mulheres!

Organizam a 5ª Marcha pelo Fim da Violência Contra as Mulheres: Amnistia Internacional Portugal; Associação de Mulheres Contra a Violência (AMCV); Associação para o Planeamento da Família (APF); Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV); Associação Portuguesa de Mulheres Juristas (APMJ); Casa do Brasil de Lisboa; Comissão de Mulheres da União Geral de Trabalhadores (UGT); Conselho Nacional de Juventude (CNJ); Departamento para os Direitos Sociais da Câmara Municipal de Lisboa; Escola Profissional Agostinho Roseta; Espaço das Aguncheiras Cooperativa Cultural; Grupo de Teatro do Oprimido de Lisboa (GTOLx); Plataforma Maria Capaz; Plataforma Portuguesa pelos Direitos das Mulheres (PpDM); União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR).

Leave a Reply