Na Fundação Calouste Gulbenkian de 20 de Novembro 2015 a 22 de Fevereiro 2016 O Círculo Delaunay | Sonia e Robert Delaunay

Na Gulbenkian de 20 Novembro 2015 a 22 de Fevereiro 2016  |  Das 10:00 às 18:00  |  Encerra às terças

delaroy

O Círculo Delaunay

Sonia e Robert Delaunay

CAM

CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO DAS IMAGENS: As imagens que constam desta galeria destinam-se exclusivamente à divulgação da exposição O CIRCULO DELAUNAY, devendo a sua publicação ser acompanhada dos respetivos créditos fotográficos (assinalados). A Fundação Calouste Gulbenkian declina quaisquer responsabilidades pelo uso indevido destas imagens.

Curadoria: Ana Vasconcelos

Sonia e Robert Delaunay viveram em Portugal desde Agosto de 1915 até Dezembro de 1916, aprofundando as relações, que já mantinham em Paris, com alguns portugueses – Amadeo de Souza-Cardoso, Eduardo Viana e José Pacheko, e a que se junta Almada Negreiros. Esta exposição reconstitui o ambiente criativo gerado pela presença destes artistas que a guerra traz ao seu país de origem ou que empurra para o exílio, apresentando novas investigações sobre as relações dos Delaunays com Amadeo de Souza-Cardoso.

Bilheteira

Entrada no CAM: 5 €

Entrada gratuita ao domingo

À descoberta do CAM – visitas de domingo

O Círculo Delaunay

A programação do Centro de Arte Moderna é marcada por um grande dinamismo, mudando com muita regularidade. As visitas de domingo são assim uma oportunidade de fazer abordagens gerais ou temáticas à coleção permanente ou às exposições temporárias em cartaz, acompanhando de perto o ritmo de mudança desta linha expositiva. Sob a forma de diálogo participado, estas visitas são um convite a conhecer a produção e a prática artísticas contemporâneas, os artistas representados na coleção, as exposições temporárias e alguns temas interessantes da contemporaneidade, dirigindo-se a todos aqueles que nutrem curiosidade e interesse por estas temáticas, independentemente do seu nível de conhecimento sobre arte contemporânea.

Robert e Sónia Delaunay ficaram só dois anos em Vila do Conde, mas esse tempo foi muito profícuo. Na sua Temporada Lusitana, entre 1914 e 1917, o casal fortaleceu ligações com os artistas portugueses que havia conhecido, tempos antes, em Paris como Viana ou Souza-Cardoso. O sol e a luminosidade de uma terra do Norte vai guiá-los nas suas pesquisas simultaneístas e órficas. É todo esse ambiente de inovação, rutura, pesquisa e modernidade que estes anos de Guerra Mundial irão trazer ao nosso país, através do labor artístico deste casal invulgar.

Orientação
Hilda Frias

Leave a Reply