Pentacórdio para Quinta 25 de Outubro

por Rui Oliveira

 

 

   Na Quinta-feira 25 de Outubro, dentro da variedade razoável da oferta, aconselharíamos a ida à Fundação Calouste Gulbenkian onde, às 21h, a Orquestra Gulbenkian (dirigida pelo maestro Lawrence Foster) e a jovem violoncelista norte-americana Alisa Weilerstein cumprirão o seguinte programa (que aliás se repetirá na Sexta 26, às 19h) :

 

      Ralph Vaughan Williams  Fantasia sobre Greensleeves (arr. de Ralph Greeves)

      Edward Elgar  Concerto para Violoncelo e Orquestra, op. 85

      Richard Strauss  Uma Sinfonia Alpina, op. 64 (estreia da Orquestra Gulbenkian)

 

   Relembre-se, pela curiosidade musical, que foi a qualidade desta instrumentista (Prémio Leonard Bernstein 2006, Genius Grant da MacArthut Foundation) que demoveu o maestro Daniel Barenboim e o fez convidá-la a tocar com ele o Concerto de Elgar que Jacqueline du Pré (mulher de Barenboim falecida em 1987) marcara com uma interpretação magistral.

   Os minutos seguintes são desse concerto da Filarmónica de Berlim com Barenboim e Alisa em Abril de 2010 :

 

 

 

 

   Também na Quinta-feira 25 de Outubro estreia na Sala Principal do São Luiz Teatro Municipal, às 21h, a peça “Dança da Morte” de August Strinberg  (em tradução de João Paulo Esteves da Silva) com encenação de Marco Martins e cenografia de Artur Pinheiro.

   A interpretação estará a cabo de Miguel Guilherme, Isabel Abreu e Sérgio Praia.

   Permanece em palco até 17 de Novembro.

 

“Now I know the full power of evil. It makes ugliness seem beautiful and

goodness seem ugly and weak.” August Strindberg, The Dance of Death

 

   Sinopse : O Capitão de Artilharia Edgar e a sua esposa Alice, antiga actriz, ao cabo de um casamento de 25 anos debatem-se com uma relação desgastada. Quando Kurt, o primo de Alice, vem de visita, os três serão arrastados para um trágico drama triangular com muito humor negro. 

    Lembra o Teatro que “embora seja um texto central na obra de Strindberg, Dança da Morte é inexplicavelmente uma das peças do seu repertório menos representadas em Portugal. Um retrato diabólico e desolado da vida claustrofóbica de um casal isolado do mundo, estruturado quase como um combate de boxe em vários rounds sem qualquer perspectiva de salvação, esta obra de uma absoluta modernidade constitui a matriz para muitos dos textos mais importantes da dramaturgia contemporânea”.

 

 

   Ainda no campo teatral a Comuna Teatro de Pesquisa estreia nesta Quinta-feira 25 de Outubro, às 21h30, a peça “Agonia Irreversível” do dramaturgo espanhol Juan Benet, uma criação colectiva de Carlos Paulo, João Tempera e Hugo Franco (que ficará em palco até 16 de Dezembro).

   Diz a companhia : “Das quatro peças que Juan Benet (1927-1993) escreveu, “Agonia Irreversível”, escrita em 1966, dá à palavra a primazia em relação a todos os outros elementos. Próxima do diálogo filosófico, ela põe em cena dois homens que falam entre si. Conversa séria e cómica, a partir de jogos lógicos que são levados quase sempre até à exaustão, sobre temas abstractos: a relação consigo mesmo e a relação com o outro; contradições, solidão, identidade, tirania, submissão, amor… um combate verbal impregnado de sadomasoquismo soft que nunca consegue chegar a um fim. Este combate vai sempre mais longe que um xeque-mate, marcado pelas lembranças e pelos bocejos do desejo, e pelo rol de acontecimentos dos seus restos de vida, pela passagem incontrolável do tempo, por sábias discussões filosóficas sobre a liberdade, o destino, o desejo, o acaso, a infelicidade, a providência, por anedotas de todo o género, “rabellaisianas” ou patéticas, que surgem constantemente do espírito de um e do outro interlocutor”.

 

 

 

   No Centro Cultural de Belém prossegue o ciclo «CCB no CCB – Camilo Castelo Branco : As paixões juvenis e o Amor de Perdição», no seu quarto dia, com a conferência de Daniel Sampaio, às 18h no Pequeno Auditório, sobre “A actualidade de Amor de Perdição : amores de ontem e de hoje”.

   Às 21h exibe-se neste mesmo Auditório a quarta versão cinematográfica daquela obra-prima da literatura portuguesa, o filme de Mário Barroso igualmente intitulado “Amor de Perdição” (2009) com Tomás Alves (Simão Botelho), Catarina Wallenstein (Mariana da Cruz), Ana Padrão (Preciosa), Virgílio Castelo (João da Cruz), Rafael Morais (Manuel Botelho), Rui Morrison (Domingos Botelho), Patrícia Franco (Rita Botelho) e Ana Moreira (Teresa Albuquerque) nos papéis principais.

  Uma selecção de algumas cenas (montada por alunos liceais !) dá bem o clima do filme :

   

 

 

 

   Para ficarmos na área do cinema, chamamos a atenção neste dia (Quinta 25 de Outubro) do Doclisboa’12 – Festival  Internacional de Cinema a projecção no Cinema Londres (Sala 2) às 21h15 do filme “Babylon” (2012) dos tunisinos Youssef Chebbi, Ismaël e Ala Eddine Slim sobre uma “nova Babilónia”, uma cidade construída do nada por gente de várias nacionalidades, com línguas diferentes, que chegam a um território virgem numa zona selvagem, rodeado de árvores e animais.

 

   Já na Cinemateca onde decorre a Retrospectiva Chantal Akerman, projecta-se na Sala Dr. Félix Ribeiro, às 21h30, uma das suas obras-primas “Jeanne Dielman, 23 Quai du Commerce, 1080 Bruxelles” com Delphine Seyrig como Jeanne Dielman e Jan Decorte como Sylvain Dielman (um filme de 200’).

   Como diz o programa, trata-se de “ um trabalho espantoso de subtexto feminista onde – como notou Manny Farber – o retrato das rotinas caseiras quotidianas e dos padrões auto-impostos de uma mãe solteira belga fundiu com sucesso movimentos tão diversos quanto a Paixão de Cristo matriarcal, a etnografia arquitectural e o exame não-narrativo do espaço filmado”.

   Para quem não puder deslocar-se, pode vê-lo aqui integralmente :

 

 

   Por iniciativa da Missão do Brasil junto da CPLP, realiza-se nesta Quinta 25 de Outubro, pelas 18h, um Recital de piano e flauta (de entrada livre) na Sala dos Espelhos do Palácio Foz onde Maurício Freire, flauta e Paulo Tavares, piano tocarão um programa cujo pormenor é ainda desconhecido.

 

 

 

   Igualmente a 25 de Outubro (Quinta-feira), das 19h-20h30 com entrada livre, há no Institut Français de Portugal mais um Bar das Ciências sobre o tema “Elefantes, Mastodontes eo nascimento da Paleontologia” onde o conferencista será Pascal Tassy, paleontólogo no Museu Nacional de História Natural de Paris, seguindo-se um debate livre.

   “A paleontologia, ciência dos seres vivos do passado, deve tudo aos mastodontes. Esses animais aparentados aos elefantes não eram assim tão grandes mesmo se a palavra se tornou, em linguagem corrente, sinónimo de enorme, de gigantesco. Se aceitamos hoje a ideia de que a vida se desenvolveu na Terra com transformações e extinções, quer dizer evolução, os mastodontes tiveram nisso um importante papel. Para nos contar tudo isto, um passeio naturalista e histórico permitir-nos-á depararmo-nos com o Rei de Portugal e Louis XIV, Thomas Jefferson e Buffon, Cuvier e Darwin e alguns outros”, assim se anuncia o Bar.

 

 

 

   No campo da música dita “não-clássica”, há pelo menos três locais onde procurar experiências interessantes :

 

   Na Galeria Zé dos Bois, às 22h desta Quinta 25 de Outubro, regressa a dupla californiana  Barn Owl formada por Evan Caminiti eJon Porras após a sua “assombrosa apresentação” em 2010, aquando da sua estreia nacional. Depois dos bons álbuns  “The Conjurer” (Root Strata, 2009) e  “Ancestral Star” (Thrill Jockey, 2010) chegam à ZDB com “Lost in the Glare’”(Thrill Jockey), disco editado o ano passado – “retrato de um deserto imaginado com os olhos postos no céu”.

   É deste CD o tema “Pale Star” que aqui reproduzimos :

 

 

   Sucede-lhe no palco Riccardo Dillon Wanke, experimentalista italiano há já algum tempo estabelecido em Lisboa, que é um multi-instrumentista (seja em guitarra eléctrica, saxofone ou piano) com uma noção muito própria de tempo e espaço.

 

 

   Entretanto ao Ondajazz, às 22h30 também de Quinta 25 de Outubro, vem actuar o pianista, arranjador, compositor e produtor brasileiro Benjamin Taubkin que acaba de lançar “The Vortex Sessions”, gravado em Londres com o percussionista brasileiro Adriano Adewale, na tradicional casa de jazz “Vortex Jazz Club” e lançará ainda um disco com músicos marroquinos e com o duo de percussão Soukast.

 

 

   Também no Hot Club às 23h da mesma Quinta 25 de Outubro, actuam em conjunto os seguintes músicos com sede na Alemanha : Oliver Steidle  bateria (leader do grupo “Soko Steidle”), Rudi Mahal  clarinete baixo , Henrik Walsdorff  sax alto e Jan Roder  contrabaixo, todos eles participantes em diversos outros projectos musicais.

   Mostramos uma actuação do “SoKo Steidle” ainda este ano no Nat Jazz Festival em Bergen (Noruega) :

 

 

 

   Por último, para os interessados há ainda nesta Quinta-feira 25 de Outubro um concerto que certamente atrairá público ao Cinema Tivoli, às 21h30, o de Jorge Palma que irá percorrer o conteúdo do seu álbum de 2011 “Com todo o Respeito”.

   Foi este o compacto de excertos difundido na sua promoção :

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Terça aqui )

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply