A BARRACA – ENCONTROS IMAGINÁRIOS. Na segunda-feira.

O próximo Encontro Imaginário – 12 de Novembro 2012 –chama à mesa , como sempre , três figuras especiais da História.
Portugal é representado pelo Padre José Agostinho de Macedo, poeta, polémico, devasso e absolutista. Conquistou, com todo o mérito, o de ser considerado a figura mais infame e repelente daquela massa de gente que lambe as botas ao poder de ocasião e se transforma no denunciador activo e policial dos adversários ideológicos ou artísticos.
Para um debate frutuoso e com alguma elegancia, chamámos Sir Thomas More, o jurista, diplomata, e chanceler do Reino de Inglaterra. Autor da obra-prima “UTOPIA” , que convém ler também com os olhos da ironia – porque More exagerou propositadamente no dito ” projecto social”, sendo um precursor do absurdo exemplarmente cultivado por Swift em ” Gulliver”, foi um exemplo do intelectual rigoroso e comprometido  com o dever absoluto de respeitar a palavra dada.
Amigo ´íntimo de Erasmo, que lhe dedicou “Elogio da Loucura”,acabou por ser decapitado pelo carrasco às ordens de Henrique VIII. A dignidade paga -se e a infâmia é acarinhada. Assim foi sempre e assim continua.
A terceira figura é John Reed, o jornalista Norte- Americano que acompanhou Pancho Villa na sua  revolução de que deu testemunho em “México Insurrecto”, e que escreveu “Os dez dias que abalaram o mundo” sobre a revolução bolchevique que se concretizou  em Novembro de 1917 com o ataque ao palácio do governo em Petrogrado, posteriormente Leningrado, e hoje, com o fim da União Soviética em 1991, a cidade S. Petersbourg. Com este personagem evocámos também essa histórica vitória sobre o czarismo e o cerco internacional de que foi vítima o primeiro país que implantou o socialismo.

Reservas: para este mail, costhelder@gmail.com,  ou 213965360.

Leave a Reply