País Basco – conflito e presos etarras

 

País Basco – conflito e presos políticos

 

Com o anúncio do fim das ações armadas da ETA no País Basco abriram-se novas expectativas para a resolução dum conflito que se vinha a prolongar há muitos anos e que parecia bloqueado na violência das partes.

Se durante a ditadura franquista as acções da ETA  – dirigidas a alvos directamente associados à opressão e repressão do fascismo imperial espanhol – colhiam compreensão, e até simpatia, em muitos sectores antifascistas – dentro e fora do estado espanhol – com o fim daquela, o recurso a uma violência não seletiva – atingindo indiscriminadamente também civis inocentes – alienou muitos que não aceitavam o terror como forma de luta política.

A acção política terrorista, mesmo se invocando uma intenção de resistência, constituiu-se objectivamente num obstáculo à aceitação da reinvindicação independentista e de libertação do domínio espanhol.

O fim das acções da ETA abriram espaço para a afirmação duma luta política activa dissociada do terror e para  a consequente afirmação nacionalista e independentista basca e sua aceitação por importantes sectores da sociedade basca.

As últimas eleições na “comunidade autónoma” mostraram, aliás, um aumento significativo do apoio da população e dos eleitores aos nacionalistas bascos e, mesmo, pró-independentistas.

Assim, têm vindo a ser dados passos importantes no caminho do direito da nação basca  a decidir sobre o seu autogoverno, perspectivando-se a possibilidade duma consulta livre e democrática sobre a independência e soberania do País Basco.

Pela história recente, uma das areias na engrenagem é a situação dos presos bascos, acusados e condenados por  participação em acções associadas à ETA ou apoio à organização, desterrados para cadeias fora e distante do Páis Basco.

Aceitar a transferência desses presos para cadeias no País Basco, como é pedido por muitos, poderá ser um elemento facilitador na negociação da paz e do fim do conflicto histórico, ainda não resolvido.

Bilbo750-kolosala

Leave a Reply