Pentacórdio para Sexta-feira, 3 de Maio

por Rui Oliveira

 

 

 

   Voltamos a um dia, esta Sexta-feira, 3 de Maio em que não há eventos magnos novos nas grandes salas de espectáculo da capital (para mais tendo o concerto de Cass McCombs no Maria Matos sido cancelado/adiado…), mas subsistem contudo alguns motivos de interesse que passamos a referir.

 

 

 

   Na Sala Principal do São Luiz Teatro Municipal sobe ao palco, às 21h, o fadista Helder Moutinho para, tendo como ponto de partida o seu mais recente disco “1987”, cantar as quatro histórias que o integram: “Os Dias da Liberdade”, “A História de Um Desencontro”, “O Luto de Uma Relação” e “Maria da Mouraria”, na voz e com a emoção próprias e únicas do fadista.

1 helder moutinho 1   Com ele, no palco, estarão Ricardo Parreira guitarra portuguesa, Marco Oliveira viola e Ciro Bertini baixo.

   A opinião crítica (cita o São Luiz TM) é muito favorável , vide “um dos melhores álbuns de fado dos últimos anos, onde ao seu habitual bom gosto na escolha do reportório se alia uma qualidade interpretativa de primeira, impecável de contenção e sentimento” (João Miguel Tavares), “… só os maiores podem deixar a voz cair neste registo em que os instrumentos, perfeitos, saem da frente e limitam-se a seguir-lhe na cauda, discretamente” (Gonçalo Frota) ou “…tudo nele cresceu assombrosamente, muito perto da perfeição. Ouçam-no, por exemplo, em «Venho de um tempo», primeiro quadro da história que escreveu, e é impossível não ficar preso à voz que nos abre as portas do tempo, o tal “tempo onde o tempo não havia” (Nuno Pacheco).

   É exactamente este último poema da autoria do próprio Helder Moutinho que vos mostramos :

 

 

 

 

   Outro artista (ou melhor grupo) em destaque recente se exibe num concerto às 21h30 desta Sexta-feira, 3 de Maio no palco do Coliseu dos Recreios – trata-se de os Deolinda que, três anos após o lançamento de “Dois Selos e um Carimbo”, regressam com um novo conjunto2 os deolinda 1 de originais já editado como “Mundo Pequenino” (2013) e produzido com o apoio de Jerry Boys (ex-Abbey Road Studios).

   Oportunidade para escutar aquela que se convencionou considerar uma das mais significativas expressões da “geração à rasca”, composta pela voz de Ana Bacalhau, acompanhada por Luís José Martins guitarra, Pedro da Silva Martins guitarra, Zé Pedro Leitão contrabaixo e Sérgio Nascimento bateria.

   Parece que o single  de estreia “Seja agora” se tornou já popular, mas optamos por divulgar antes o tema “Musiquinha” (com uma suave denúncia da imobilidade Já que a ninguém espanta ver que isto não avança…) :

 

 

 

 

   Mudando radicalmente de registo musical, aqueles que se desloquem nesta Sexta-feira, 3 de Maio, às 21h30 ao Auditório do Museu do Oriente irão assistir a “Rhythm Yatra”, que pode ser traduzido livremente como “A Jornada do Ritmo”. Exibindo intricados padrões rítmicos musicais, quatro artistas de renome internacional reúnem-se para apresentar um som único, tirando o máximo partido do poder dos instrumentos de percussão da Índia.

  3 Rhythm-Yatra-2 O grupo é constituído por Prathap e Prakash Ramachandra, dois irmãos radicados em Inglaterra, especialistas em música do Sul da Índia, nomeadamente no fascinante ghatam (pote de barro) e na tradicional mridangam. Juntam-se a eles Kousic Sem, no tabla, e Bernhard Schimplesberger.

   A primeira parte do concerto é dedicada a repertório puramente clássico, unindo instrumentos tanto do Norte como do Sul. Na segunda parte, aventuram-se na experimentação e na música de fusão, convidando o público a interagir. Enquanto grupo de percussão, prevê-se uma experiência emocionante já que reúne registos de jazz, clássico e de vanguarda, pois a percussão indiana tem características únicas, com a sua própria linguagem e sílabas, o seu potencial para melodias, e seus maravilhosamente complexos padrões matemáticos.

   Esta é uma exposição didáctica recente feita por este grupo em Cambridge (U.K.):

 

 

 

 

   4 metropolitanaVoltando à Europa, há nesta Sexta-feira, 3 de Maio, no Auditório da NOVA (Campus de Campolide), às 21h, um concerto estimulante intitulado “Novos Compositores” pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, sob a direcção musical do maestro israelita Nir Kabaretti (foto)5 NirKabaretti_e1(também director da Orquestra de Santa Bárbara, Califórnia).

   Será a estreia pública das peças vencedoras num concurso em que, no início da temporada, a Metropolitana e o “mpmp” (Movimento Patrimonial pela Música Portuguesa) haviam desafiado novos compositores a apresentar uma obra original, tendo como mote comum o legado de Joseph Haydn. Assim o programa consta dessas duas composições, a par da Sinfonia n.º 100 de Haydn e a Sinfonieta que Fenando Lopes-Graça dedicou ao compositor austríaco.

 

      Francisco Chaves –  Sinfonieta em três andamentos (estreia absoluta *)

      Fernando Lopes-Graça –  Sinfonieta, LG 64, “Homenagem a Haydn”

      Carlos Filipe Cruz –  Sobre frutos secos (estreia absoluta *)

      Joseph Haydn –  Sinfonia n.º 100 em Sol Maior, “Sinfonia Militar”

                                                                   * obras vencedoras do Concurso Novos Compositores

 

   E já que obviamente não há ainda registo das estreias (mas lamentavelmente também não da peça de Lopes-Graça !) e estamos numa homenagem a Haydn, ouça-se uma sua execução integral (e célebre) da Sinfonia Militar pela New Philharmonia Orchestra dirigida por Otto Klemperer em Outubro de 1965 :

 

 

 

   Inicia-se nesta Sexta-feira, 3 de Maio, prolongando-se até 11 de Maio (Sábado), a 7ª edição da “Mostra do Documentário Português” que decorrerá entre o Cinema São Jorge, o Teatro do Bairro e a Cinemateca Portuguesa.7 belarmino

6 fernando lopes 1   Neste dia de abertura (que por coincidência assinala o primeiro aniversário da morte de Fernando Lopes, realizador marcante no movimento chamado Cinema Novo português) será exibido no Cinema São Jorge, às 21h, o seu filme “Belarmino” (1964), a primeira média-metragem por ele realizada em Portugal sobre a vida do pugilista Belarmino Fragoso.

   A sessão vai contar ainda com a actuação do Trio Hot Club de Portugal, formado por Manuel Jorge Veloso (bateria), Bernardo Moreira (contrabaixo) e Justiniano Canelhas (piano), o qual (trio) entrara numa cena do filme de Fernando Lopes.

   E lembremos um seu excerto final :

 

 

 

   E por termos falado em jazz, assinale-se a estreia (julgamos) no Onda Jazz, às 22h30 desta Sexta-feira, 3 de Maio, do Paulo de Carvalho Quarteto num espectáculo a que chamou “Anti-Crise”.Paulo de Carvalho

   Anunciam-se no palco Victor Zamora(de Cuba),piano, Leo Espinosa (de Cuba), baixo, Marcelo Araújo (Brasil/Portugal), bateria, Ruca Rebordão (Angola, Brasil, Portugal), percussões e Paulo de C.(cada vez mais cidadão do Mundo Português), voz.

   Afirma este cantor : “A verdadeira Crise somos nós. Vontade de trabalhar em conjunto é a resposta ao que nos rodeia . No nosso caso é fazer música. Partimos para um conjunto de concertos em clubes que  nos permitem tocar alguns dos temas de que gostamos. Primeiro em Lisboa, depois logo se vê …”.

 

 

 

8 logo-movimento-associativo-300x190   Por fim, integrado numa reunião de 3 a 5 de Maio promovida pelo “Movimento Associativo Cabo-Verdiano na Diáspora”, tem lugar na Aula Magna da Reitoria da Universidade de Lisboa, às 21h desta Sexta-feira, 3 de Maio, o que designaram por a grande noite “Cabo Verde – Um Mundo de Música”.9 cabo verde

   Com este concerto pretendem “celebrar a música sobre a emigração e a diáspora cabo-verdianas e, assim, homenagear as várias gerações de compositores e intérpretes cabo-verdianos que não têm regateado esforços na divulgação, na promoção e na disseminação da (nossa) crioulidade pelo mundo”.

   Pela voz de intérpretes de várias gerações, desde Titina Rodrigues, Celina Pereira, Marino Silva, Dany Silva e Mandinho Nha Djena, até Zezé Barbosa, Mário Rui, Calú Moreira, Juary Livramento, Silva Rosa e Vilma Vieira, serão evocados todos os géneros musicais cabo-verdianos e as vozes de Eugénio Tavares, B.Léza, Fernando Quejas, Codé di Dona, Manuel de Novas, Abílio Duarte, Renato Cardoso, Orlando Pantera, entre outros grandes compositores consagrados na memória musical colectiva cabo-verdiana.

   O concerto contará com a direcção musical de José Afonso (piano, voz) e ainda com Paló (guitarra, voz e cavaquinho), Tó Barbosa (violino), Ju Cabral (baixo e voz), Tony Bat (bateria e voz) e Jair (percussão e voz). Participarão ainda no concerto a Orquestra Geração Lisboa, a qual integra jovens descendentes de cabo-verdianos, e algumas vozes-surpresa.

 

 

 

10 paul hasen

   Lembra-se ainda, por último, que abre nesta Sexta-feira, 3 de Maio, no Museu da Electricidade a exposição ao público das fotografias vencedoras do “World Press Photo 2013”, que ali permanecerão até ao próximo dia 26 de Maio, de Terça a Domingo, entre as 10h e as 18h. A entrada é gratuita.

   Ali vai ser possível ver fotos como a do sueco Paul Hasen que mostra grupo de homens a transportar os cadáveres de duas crianças mortas num ataque aéreo israelita em Gaza em 20 de Novembro de 2012 e que foi eleita pelo júri internacional como a “Foto do Ano”.

   No conjunto, o júri do World Press Photo atribuiu prémios em nove categorias temáticas a 54 fotógrafos de 33 nacionalidades diferentes. O português Daniel Rodrigues foi distinguido na categoria “Vida Quotidiana” com uma imagem a preto e branco onde se pode ver um grupo de crianças a jogar futebol num campo, em Dulombi, na Guiné-Bissau.

   Mostramos aqui ambas as fotografias, propondo-nos em dias próximos ir divulgando os restantes prémios atribuidos.

11 daniel rodrigues 

 

  

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Quarta aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply