POESIA AO AMANHECER – 354 – por Manuel Simões

                              poesiaamanhecer

 ANTÓNIO NUNES

                                                                                                       ( 1917 – 1951 )

            MORNA

 

            As mesmas casas… as mesmas ruas…

            o mesmo largo…

            Só os rostos dos homens é que não são os mesmos

            e, ébrios, os braços pendem, os homens tombam…

 

            Som de violino escapando-se da casa térrea.

            Cheiro a petróleo e a fumo.

            Quêrèna treme os dedos sobre as cordas,

            olhos vidrados, berra por mais gróg!

 

            Titina sente-se frágil sob os braços de Armando.

 

            A morna traz ao corpo a lassidão e o sonho,

            como a lua pondo sombras em coisas impossíveis…

             (de “Poemas de Longe”)

 Poeta cabo-verdiano. Por voltas de 1940 fixou-se em Lisboa, convivendo com o grupo neo-realista. Colaborou em “Certeza”, “Vértice”, “Seara Nova”, “Mensagem” (CEI) e figura em “Modernos poetas cabo-verdianos” (1961). Obra poética: “Devaneios” (1938), “Poemas de longe” (1945).

Leave a Reply