POESIA AO AMANHECER – 356 – por Manuel Simões

poesiaamanhecer

 

 

                                   AGUINALDO FONSECA

                                               ( 1922 )

            HERANÇA

             O meu avô escravo

            legou-me estas ilhas incompletas

            este mar e este céu.

 

            As ilhas

            por quererem ser navios

            ficaram naufragadas

            entre mar e céu.

 

            Agora

            aqui vivo eu

            e aqui hei-de morrer.

 

            Meus sonhos

            de asas desfeitas pelo sol da vida

            deslocam-se como répteis sobre a areia quente

            e enroscam-se raivosos

            no cordame petrificado da fragata

            das mil partidas frustradas.

 

            Ah meu avô escravo

            como tu

            eu também estou encarcerado

            neste navio fantasma

            eternamente encalhado

            entre mar e céu.

 

            Como tu

            também tenho a esmola do luar

            e por amante

            essa mulher de bruma, universal, fugaz,

            que vai e vem

            passeando à beira-mar

            ou cavalgando sobre o dorso das borrascas

            chamando, chamando sempre,

            na voz do vento e das ondas.

             (de “Claridade”, nº 8)

 Poeta cabo-verdiano. Colaborou em “Seara Nova” “Mensagem” (CEI). Representado em “Modernos poetas cabo-verdianos” (1961), “Modern Poetry From Africa” (1963), “Poesia africana di rivolta” (1969). Publicou “Linha do Horizonte” (CEI, 1951). São conhecidos os poemas “Mãe negra” e “Canção dos rapazes da ilha”.

2 Comments

Leave a Reply