ALENTEJO DA RAYA/ RAIA AO MAR! – por António Murteira *

Imagem2

*Escritor. Editor e diretor executivo da Revista Alentejo

Foi deputado à Assembleia da República

Alentejo | Terra de Catarina

 

O Alentejo é uma região portuguesa, ibérica e europeia; uma região com uma Pré-história e uma História muito peculiares e longas de quarenta mil anos; uma região com potencialidades significativas mas subaproveitadas e utilizadas em benefício de uma minoria.

É a terra de Catarina, a jovem proletária agrícola que foi morta na luta pelo pão e pela liberdade.

Sessenta anos após o assassinato de Catarina Eufémia pela ditadura de Salazar, que era a ditadura dos latifundiários e dos grandes capitalistas; quarenta anos após a Revolução de Abril (1974); vinte e oito anos após a adesão à União Europeia (1986); o Alentejo é, na segunda década do século XXI, uma das regiões mais pobres da Europa, uma região exaurida e profundamente desigual.

As políticas impostas pelas forças do arco da governação neocapitalista, as respetivas abordagens regionais, que não vão ao cerne das questões, a estrutura fundiária, de concentração excessiva da terra, têm inviabilizado o progresso da região.

As desigualdades são gritantes: enquanto 55% dos residentes, com mais de 15 anos, têm um rendimento mensal inferior a 300 euros, uma pequena elite de grandes proprietários de terras e de outros capitalistas (muitos nem sequer vivem no Alentejo) acumulam propriedade privada, acumulam riqueza e vivem no luxo!

 Alentejo | Terra de potencialidades

 O Alentejo é a maior região de Portugal, representando cerca de um terço do território nacional. Estende-se da margem direita do rio Tejo às cordilheiras Sul, do Atlântico à margem esquerda do rio Guadiana, fazendo a ligação à Extremadura.

 É uma região com uma cultura e um património de matizes universais e muito antigas; com duas cidades, Évora e Elvas, uma de fundação romana a outra de fundação árabe/berbere, classificadas como Património Mundial; com a Universidade de Évora, os institutos politécnicos de Beja e de Portalegre e com alguns pequenos centros de investigação.

 Uma região com o maior lago artificial de água doce da Europa (Alqueva) e uma extensa área de regadio, coberta por uma rede de barragens e albufeiras (perímetros de rega de Alqueva, Caia, Mira, Montargil, Maranhão, Divor, Minutos e outros);

uma região que produz dos melhores vinhos e azeites; com significativas potencialidades para desenvolver as fileiras das hortícolas, frutícolas, dos cereais e oleaginosas e da pecuária;

uma região produtora de cortiça e com o maior ecossistema de montado do mundo (sobreiro e azinheira);

uma região com um dos grandes portos portugueses e europeus de águas profundas (Sines); e um aeroporto (Beja);

uma região com recursos mineiros (faixa piritosa ibérica e mármores) e com potencialidades nas energias renováveis (da hídrica à fotovoltaica);

uma região com mais de cento e vinte quilómetros de costa atlântica, preservada e selvagem, com potencialidades não apenas no turismo mas também nas pescas e na industria das pescas.

 Alentejo | Terra de amizade

 Esta é a terra de Catarina. Terra tão próxima da vossa terra extremenha. Tão próxima não apenas geograficamente. Mas também na história, com os desencontros e os encontros que ocorrem entre países vizinhos e com uma língua de raiz comum. Extremadura com a qual queremos estreitar laços de cooperação e de amizade. Laços cimentados na nossa tão próxima identidade geográfica, na nossa história de conflitos e de aspirações comuns. Nos sonhos que todos temos de um presente-futuro livre, próspero e digno.

Leave a Reply