CASA DA ACHADA – BARRANCO DE CEGOS de ALVES REDOL, OFICINA de FOTOGRAFIA, JOHN BERGER sobre GAUGUIN, CINEMA com GESTOS E FRAGMENTOS e FIGHTING FOR WORKERS’ POWER

Microsoft Word - 26 -30 JUN

MD pintura abstracta_Painel 1

Nesta sessão vamos falar sobre Barranco de cegos de Alves Redol com Jorge Portugal.

«Um momento veio, porém, de completo triunfo, um momento em que toda a obra de Redol culmina, os seus temas fundamentais se reelaboram, o escritor atinge a plena posse de si mesmo, e se chama Barranco de Cegos: a sua obra-prima sem dúvida, sem dúvida um dos romances portugueses mais completos dos nossos dias, sem dúvida também um dos grandes romances de toda a nossa história literária.
O que mais, ou primeiro, nele impressiona é a densidade e a variedade dos materiais e a unidade que interiormente os faz viver no universo fechado de toda a obra acabada. E é essa decerto a nota maior que define um romancista. Mas o que neste romance poderia ser pesado de imobilidade ou de andamento menos ágil anima-se, pelo contrário, de surpresas narrativas ou descritivas que não comprometem nunca a gravidade do contexto. »
Mário Dionísio, «Prefácio de Barranco de cegos» (para a 3.ª edição, 1970)

Nos domingos de Junho vamos trabalhar, de muitas maneiras diferentes, à volta da pintura de Mário Dionísio.

Nesta última sessão vamos fazer fotografia com Youri Paiva.
Temos duas máquinas fotográficas disponíveis, quem tiver a sua própria pode trazê-la.

Para todos a partir dos 8 anos.

18h30 – Continuação da leitura comentada, com projecção de imagens, de textos de John Berger sobre a pintura de Gauguin. Quem lê é Manuela Torres.

21h30 – Cinema com Gestos e fragmentos (1983, 90 min.) de Alberto Seixas Santos, que apresenta o filme, precedido de Fighting for workers’ power (1975, 19 min.) de Newsreel Collective, que apresenta o filme.

HÁ TAMBÉM MAIS COISAS PARA VER E LER DURANTE O HORÁRIO DE ABERTURA (2ª, 5ª e 6ª das 15h às 20h, sábados e domingos das 11h às 18h):

  • EXPOSIÇÃO «MÁRIO DIONÍSIO – PINTURA A PARTIR DE 1974»
    Exposição, até ao dia 22 de Setembro, de dezenas de obras de Mário Dionísio que mostra o seu percurso como pintor abstracto, entre 1974 e 1993.

  • BIBLIOTECA E MEDIATECA DA ACHADA

    A Biblioteca da Achada tem secções de Literatura, Arte, Cinema, Teatro, História, Ciência, Literatura Infanto-Juvenil, etc…

    A Mediateca da Achada está em fase de catalogação. Para já, começam por estar disponíveis os filmes que temos vindo a projectar nos nossos ciclos de cinema.

    O catálogo da Biblioteca e Mediateca está disponível na internet, aqui.

    E agora vamos ter pólos da Biblioteca aqui no bairro. Já podem visitar e ler livros no pólo do restaurante Alcaide, na Rua de São Cristóvão, e no pólo do Posto de Atendimento de São Nicolau da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, na Rua da Prata.

  • LIVROS LIVRES

    No terreno em frente à Casa da Achada, desde que não chova, é só entrar, escolher, sentar-se um pedacinho ou a tarde inteira a folhear ou a ler. Para continuar, levar o livro começado ou a começar, e era bem bom deixar outro para o próximo que vier. Hoje mesmo ou amanhã.

EM QUALQUER DIA, COM MARCAÇÃO, É POSSÍVEL CONSULTAR:

  • CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO
    Constituído pelo arquivo de Mário Dionísio e pela sua biblioteca e de Maria Letícia Clemente da Silva (mais de 6000 volumes e mais de 200 publicações periódicas).

    O catálogo pode ser consultado na internet, aqui.

QUEM QUER EXPERIMENTAR TEATRAR?

  • GRUPO DE TEATRO DA ACHADA
    Quem quer experimentar usar a voz e o corpo para dizer coisas com ou sem palavras? O grupo, com F. Pedro Oliveira, ensaia habitualmente todas as terças e nas quintas-feiras às 21h. É só aparecer e participar.

QUEM QUISER E PUDER AJUDAR A CASA DA ACHADA:

Leave a Reply