POESIA AO AMANHECER – 485 – por Manuel Simões

poesiaamanhecer

                                                                                                       WALT WHITMAN

                                                                                                            ( 1819 – 1892 )

            DAI-ME O ESPLÊNDIDO SOL SILENTE

            (fragmento)

            Dai-me o esplêndido sol silente, com todos os seus raios em pleno esplendor,

            dai-me o fruto maduro de outono, sumoso e vermelho na horta,

            dai-me o prado onde cresce a erva que não foi ceifada,

            dai-me uma árvore, dai-me o cacho de uvas que pende da latada,

            dai-me milho e trigo novos, e animais que se movem serenos, ensinando

                                                                                                          contentes,

            dai-me noites plenamente tranquilas sobre altos planaltos a oeste do

                                                Mississipi, onde possa olhar as estrelas,

            dai-me ao amanhecer um jardim balsâmico, rico de esplêndidas flores,

                                               onde possa caminhar tranquilo,

            dai-me como esposa uma mulher de respiração suave, da qual nunca

                                               tenha de me cansar,

            dai-me um filho perfeito, e uma doméstica vida rural, longe dos sons

                                                                                                          do mundo,

            dai-me cantos espontâneos para gorgear e só para os meus ouvidos,

            dai-me a solidão, dai-me a Natureza, e tu, Natureza, volta a dar-me a tua

                                                                                  sanidade primitiva!

 

            Estas coisas, por tê-las pedido (cansado da excitação que não tem

                                               trégua, torturado pelas batalhas da guerra),

            sem repouso, pedindo para as obter, com gritos que do coração jorram,

            enquanto continuo a pedi-las, fico todavia agarrado à minha cidade,

            um dia após outro, um ano após outro, ó cidade, caminhando pelas tuas

                                                                                                          ruas,

            onde tu me tens acorrentado há tempos, recusando-te a libertar-me,

            enquanto, todavia, me dás de comer, enriqueces a minha alma, me dás

                                                                                              rostos;

            (oh, vejo fugir tudo o que procurava, e então enfrento, sufoco os meus

                                                                                              gritos,

            e vejo a minha alma pisar tudo aquilo que antes pedia.)

            (de “Drump-Taps”, versão de Manuel Simões)

Poeta e prosador americano. A sua poética é caracterizada por um certo misticismo panteísta, bases do chamado transcendentalismo. Precursor do Modernismo (cf. Álvaro de Campos, “Saudação a Walt Whitman”). Da sua obra poética: “Leaves of Grass” (“Folhas d’erva”, 1831, última ed. 1891); “Song of Myself” (“O Canto de mim próprio”,1855), “Drum-Taps” (“Rufar de tambor”, 1865), “Passage to India” (1871).

Leave a Reply