Daniel Filipe (Cabo Verde – 1925-1964)

caboverde1

Imagem1Daniel Filipe, poeta e jornalista cabo-verdiano, nasceu na ilha da Boavista,no dia 1 de Fevereiro de 1925, tendo morrido em Lisboa no dia 6 de abril de 1964. Fez os estudos liceais em Portugal. Foi co-director dos cadernosNotícias do Bloqueio“, colaborador assíduo da revista “Távola Redonda” e do jornal Diário Ilustrado (1956-), e também realizador, na Emissora Nacional, do programa literárioVoz do Império“. Foi preso o e torturado pela PIDE. Da sua obra, salienta-se Missiva (1946), Marinheiro em Terra (1949), O Viageiro Solitário (1951), Recado para a Amiga Distante (1956), A Ilha e a Solidão (1957) Prémio Camilo Pessanha,O Manuscrito na Garrafa (romance, 1960), A Invenção do Amor (1961) e Pátria, Lugar de Exílio (1963).

Romance de Tomasinho Cara-Feia

Farto de sol e de areia
Que é o mais que a terra dá,
Tomasinho Cara-Feia
vai prá pesca da baleia.
Quem sabe se tornará

Torne ou não torne, que tem?
Vai cumprir o seu destinho.
Só nha Fortunata, a mãe,
Que é velha e não tem ninguém,
Chora pelo seu menino.

Torne ou não torne, que importa?
Vai ser igual ao avô.
Não volta a bater-me à porta;
Deixou para sempre a horta,
que a longa seca matou.

Tomasinho Cara-Feia
(outro nome, quem lho dá?),
farto de sol e de areia,
foi prá pesca da baleia.

— E nunca mais voltará!

Daniel Filipe, in Pátria Lugar de Exílio

 

 

 

 

—– Fim de mensagem reenviada —–

 

1 Comment

  1. Conheci o poema numa leitura de português no tempo de escola em Moçâmedes, Namibe, Angola. Apenas me restava a memória de duas quintilhas e já não me recordava do poeta. Um poema de extraordinária qualidade. Diz tudo.

Leave a Reply