OLHARES DE ESPANHA – CINEMA NO FEMININO, DIAS 9, 16 E 23 DE MARÇO – no INSTITUTO CERVANTES

Para comemorar o Dia Internacional da Mulher 2015, celebrado a 8 de março, a Secção de Cultura da Embaixada de Espanha, o Instituto Cervantes e o festival Olhares do Mediterrâneo – Cinema no feminino promovem Olhares de Espanha – Cinema no Feminino: quatro segundas-feiras dedicadas ao cinema realizado por mulheres espanholas.

11043260_10152938626259760_5134349519839639050_n

O programa contempla trabalhos que são exemplo da versatilidade das cineastas espanholas, reunindo duas propostas de ficção e duas documentais. Entrada livre.

Rua  de Santa Marta 43, 1150-005 Lisboa

Programa:

9 mar: 19h
15 años y un día
De Gracia Querejeta
15 anos e um dia, conta a relação entre um adolescente conflituoso e o seu avô Max, um militar reformado que vive numa vila da Costa de la Luz. Quando Jon é expulso do colégio, Margo, a mãe, decide enviá-lo junto de Max para que este o meta na ordem. Não será fácil. Jon gosta de se meter em sarilhos, e o ex-militar é um homem de brandos costumes com uma vida muito cómoda. Os dois irão enfrentar as suas limitações e medos.
M/12

16 mar: 19h
Las maestras de la República
De Pilar Pérez Solano
As professoras republicanas foram umas mulheres valentes e implicadas que participaram na conquista dos direitos das mulheres e na modernização do ensino, baseado nos princípios da escola pública e democrática.
Este documentário, através da recriação de uma professora daquela época, e imagens de arquivo inéditas, mostra-nos o maravilhoso legado que nos deixaram as professoras republicanas e que chegou até aos nossos dias. A partir de testemunhos de investigadores e familiares, vamos conhecer o momento histórico que viveram estas docentes e a sua participação na transformação social de Espanha através da educação.
M/6

23 mar: 19h
Els nens salvatges
De Patricia Ferreira
Gabi e Oki são três adolescentes que vivem numa grande cidade. São uns desconhecidos para os pais, os professores e para eles próprios  O que é que aconteceria se pudéssemos saber o que estão a pensar e se soubéssemos o que é que desejariam fazer? O seu isolamento emocional, levado ao limite, terá consequências não esperadas que abalarão a sociedade.
M/12

Leave a Reply