MEMÓRIA DAS FESTAS POPULARES NO MONTIJO – por JOSÉ BASTOS

MTJ

Memória das festas  populares no Montijo

festas popu

Nasci no Beco mais antigo do Bairro dos Pescadores e trabalhei durante muitos anos na avenida dos pescadores e na praça da República. Conheço bem a história das nossas festas.

As festas dos pescadores consistiam na procissão no dia de S. Pedro  à tarde e na lavagem ao Senhor dos Aflitos no dia de São Marçal,  seguida da arrematação das bandeiras e do S. Pedro e de almoço de confraternização da classe piscatória.

Os jovens da minha geração, pescadores ou não, pouco se entusiasmavam com  estas festas. Adoravam a festa grande em honra da Nª Sª da Atalaia, onde se realizava uma festa de arromba, com feira de diversões, comes e bebes, bailes nos círios, prostitutas. Tudo o que de melhor e pior havia na época  ia parar à Atalaia.

O Montijo e a região “despejavam-se” para a Atalaia. Os que tinham maiores rendimentos alugavam uma casa para o período da festa. As famílias ricas tinham lá casa.

Em 1951, uma comissão liderada pelo Sr. Humberto de Sousa organizou com a ajuda da população, as festas em honra de S. Pedro, aproveitando das antigas a procissão, a lavagem e o almoço de confraternização.

A partir daí passou a haver festa a valer no Montijo com arraial, fogo de artifício, queima do batel, feira de diversões, bandas de música e ranchos folclóricos.

As festas eram o orgulho do nosso povo, basta lembrar que uma grande parte das pessoas estreavam roupa nova e nos meses que antecediam as festas, os alfaiates e as costureiras trabalhavam dia e noite para satisfazerem os clientes.

Hoje, já ninguém estreia roupa pelas festas, os jovens continuam a adorá-las, mas estas tornaram-se mais populares, com muitas diversões, tertúlias de amigos, comes e bebes e muitas largadas de toiros. O bibe eléctrico  por ser muito popular e divertido tem tido um grande sucesso das últimas festas.

Nas festas de 1951 até 1957 não havia praça de toiros e por isso não havia corridas e o povo lamentava e dizia que se as nossas festas tivessem corridas de toiros eram mais completas. Em 1958, depois da inauguração da praça  as corridas fizeram sempre parte das festas e com grande sucesso dos primeiros anos. Nos últimos anos apesar de termos uma grande e bem conservada praça de toiros só têm dado uma corrida pelas festas quase como uma obrigação.

Em 1986 ,uma comissão das festas liderada pelo José Lourenço (já lá vão quase 30 anos), teve a feliz ideia de incluir no programa uma procissão de S. Pedro no rio que tem tido um grande sucesso pela sua beleza que é muita apreciada pelos montijenses e pelas pessoas que nos visitam.

O povo de todas as idades gosta muito de festas, razão por que a feira medieval que se realizou pela primeira vez o ano passado e que marcou o primeiro ano de mandato do Presidente Nuno Canta ,de um novo ciclo político, teve um extraordinário e surpreendente sucesso junto de toda a população.

 

 

Leave a Reply