DIA 30, ÀS 19 H, ANÁLISE DA OBRA DO POETA RUY CINATTI NA CASA FERNANDO PESSOA

Passa um século sobre o nascimento do poeta etnólogo Ruy Cinatti sobre quem Jorge de Sena escreveu:[a sua poesia] foi das primeiras a reafirmar entre nós, pela dignidade da linguagem e pela severa independência da intenção, aquele superior sentido das exigências culturais da “aventura” poética que o grupo de Orpheu proclamara”.

24

Dia 30, segunda, às 19h00, o Professor Fernando Martinho(FLUL) e o Padre Peter Stilwell (e convidado a anunciar) relembram e repensam o trabalho do poeta.

 Quando o Amor Morrer Dentro de Ti

Quando o amor morrer dentro de ti,
Caminha para o alto onde haja espaço,
E com o silêncio outrora pressentido
Molda em duas colunas os teus braços.
Relembra a confusão dos pensamentos,
E neles ateia o fogo adormecido
Que uma vez, sonho de amor, teu peito ferido
Espalhou generoso aos quatro ventos.
Aos que passarem dá-lhes o abrigo
E o nocturno calor que se debruça
Sobre as faces brilhantes de soluços.
E se ninguém vier, ergue o sudário
Que mil saudosas lágrimas velaram;
Desfralda na tua alma o inventário
Do templo onde a vida ora de bruços
A Deus e aos sonhos que gelaram.

Ruy Cinatti, in “Obra Poética”
// Consultar versos e eventuais rimas

 

Leave a Reply