A HISTÓRIA PODE DAR ALGUMA AJUDA – 2 – por Carlos Leça da Veiga

Imagem1
Este artigo foi publicado pela primeira vez na nossa edição de 8 de Setembro de 2012

 Ontem, dia 9 de Setembro, passam 176 anos sobre um acontecimento político da vida nacional – a Revolução de Setembro de 1836 – que, por má sina portuguesa, não merece a atenção que a melhor justiça devia dispensar-lhe.

Tentarei não dar continuidade a essa atitude que só posso rotular como displicente mas, também, porque a Revolução em causa, como toda a História, tem muito que ensinar.

Em 21 de Agosto último, numa viagem com os argonautas, para intitular um outro episódio da História pátria, pareceu-me acertado afirmar que “A História pode dar alguma ajuda”. Agora, por ter gostado e acreditado na virtude da asserção vou insistir na designação.

A maioria legislativa que naqueles anos trinta do século XIX dava cobertura ao regime que ficou consagrado com a denominação de “devorismo” – note-se a similitude com a actualidade – no acto eleitoral legislativo de 1834 voltou a conseguir a maioria e uma maioria folgada. Tudo parecia nos conformes!!!

No dia 9 de Setembro de 36, os deputados da minoria, uma pequena minoria – os vintistas – que, em1834, com Passos Manuel à sua frente, tinham sido eleitos pelo circulo da cidade do Porto chegaram a Lisboa embarcados no navio “Napier” e foram recebidos com musica e foguetes por um mar de gente que gritou insistentemente Viva a Constituição de 1822. Depois, com o apoio decidido das forças militares encarregadas de dominá-los – a História tem destas surpresas muito desejáveis – organizaram um cortejo por esta Lisboa fora e foram  terminar no edifício do Paço da Rainha.

No dia seguinte a monarca, tal a força demonstrada pelo levantamento da população e o apoio do Exercito, teve de deitar às urtigas a Carta Constitucional – herdada do seu Pai, Pedro IV – desprezar a tal maioria parlamentar, demitir o governo e, dois anos após, proclamou-se a Constituição de 1838, não tão igual à de 1822 como, também, não tão semelhante à Carta.

A História mostrou que as maiorias – muitas delas – nada mais são que os tais tigres de papel – talvez, agora, coelhos de peluche – e que as forças armadas, quando resolvem repudiar as mais altas hierarquias – o reumatismo nunca devia ter voltado a atacar – sabem qual é o seu lugar no todo da Nacionalidade e, sobretudo, nunca podem desconhecer a sua missão primordial na defesa intransigente da sua continuidade histórica.

Hoje em dia o exemplo dado pela defesa dum modelo constitucional parece-me dever ser observado com muita atenção. Aposto decididamente na imperiosidade de construir-se um projecto constitucional não parlamentarista capaz de garantir – sem os subterfúgios em curso – que a Democracia tem de servir, com intransigência, para dar realidade à Liberdade, à Igualdade e à Fraternidade e, sem hesitações nem tergiversações, com a firmeza mais exigível, saiba e queira instituir, sem revogação possível, os Direitos Sociais.

 

1 Comment

  1. I don’t drop many responses, however after browsing through a few of the remarks on A HISTÓRIA PODE DAR ALGUMA AJUDA – 2 –
    por Carlos Leça da Veiga | A Viagem dos Argonautas.
    I actually do have some questions for you if it’s okay.
    Could it be simply me or does it look like like some of the
    responses look like they are coming from brain dead people?
    😛 And, if you are writing on additional online sites, I’d
    like to follow everything new you have to post. Would you list of the complete urls of your public sites like
    your Facebook page, twitter feed, or linkedin profile?

Leave a Reply