Actividades no Hot Clube de 8 a 12 de Março 2016

hot club imagem rubrica I

hot club imagem rubrica

Hot Clube – Praça da Alegria 48

Dia 8 de Março

“Jazz e Animação”

Projecção com música ao vivo de 12 curtas metragens, a partir das 22h30. Entrada livre.

Com Bernardo Tinoco – saxofone, Gonçalo Campos – Vibrafone, André Rosário – guitarra, João Correia – contrabaixo, David Bóris Nunes – bateria.

Em colaboração com o Festival MONSTRA e Escola de Jazz Luiz Villas-Boas.

www.monstrafestival.com

Giants Steps | Michal Levy, Israel, 2001;’

Tim Tom | Romain Segaud, Christel Pougeoise, França, 2002;

Kid Koala: Basin ́ Street Blues | Ken Wong a.k.a Monkmus, EUA, 2003;

Story Ville | Marion NoveJosserand, Patrick Kraft, Florian Mounié, França, 2005;

JumpRumpTrumpBump | Heui Won Jeong, Justin Murphy, Canadá, 2006;

L ́Homme à Tête de Poule | Sylvain Georget, Axel Morales, Mathias Rodriguez, França, 2007;

Jazzed | Anton Setola, França, 2008;

Preservation Hall Hot 4: St. James Infirmary (King Britt Remix) | James Tancill, EUA, 2009;

Playtime | Steven Woloshen, Canadá, 2010;

Leitmotif | Mette Ilene Holmriis, Marie Jørgensen, Jeanette Nørgaard, Marie Thorhauge, Dinamarca, 2009;

Swing of Change | Harmony Bouchard, Andy Le Cocq, Joakim Riedinger, Raphael Cenzi, França, 2011;

Jazz that nobody asked for | Rune Fisker, Esben Fisker, Dinamarca, 2013.

Desde a década de 30 do século XX, têm-se vindo a desenvolver laços próximos entre a música jazz e o cinema de animação, quando o jazz era a música pop Norte-Americana. Ao longo das décadas, passando pelo trabalho dos clássicos – Dave Fleischer, Bob Clampett, Friz Freneleng, Tex Avery – até aos autores contemporâneos com diferentes abordagens poéticas, vindas de todo o mundo e que mantém as expectativas elevadas para este tipo de música. Tão vibrante e vívido, o jazz transporta-nos para uma entusiasmante viagem sem fim.

Dia 9 de Março

Jam session com Diogo Duque

As jam sessions de 4ª feira contam com um músico convidado que lidera a sessão durante um mês. Em Março teremos como convidado o trompetista Diogo Duque.

A sessão começa às 22h30, com um set do grupo residente, passando depois para jam aberta aos músicos que queiram participar. Entrada livre.

Dias 10, 11 e 12 de Março

Reinier Baas/João Hasselberg/Luís Figueiredo/Joel Silva

jazz

Reinier Baas – guitarra; João Hasselberg – contrabaixo; Luís Figueiredo – piano; Joel Silva – bateria.

Reinier Baas (guitarra) e João Hasselberg (contrabaixo) conhecem-se em 2006, enquanto alunos do Conservatório de Amesterdão.

Baas e Hasselberg decidem encontrar- se novamente, em Portugal, para uma digressão na Primavera de 2016. Grupo a que se juntam Luís Figueiredo (piano) e Joel Silva (bateria), também intérpretes e autores.

O programa incluirá repertório dos quatro músicos e compositores, cujas obras se articulam pela maturidade com que exploram novos horizontes musicais.

Reinier Baas é uma das figuras centrais da cena jazzística holandesa da actualidade. A sua natureza irreverente (ver foto) confere à sua música uma marca singular na improvisação instrumental, merecendo o distinto Edison Award em 2013.

João Hasselberg é já um nome conhecido na cena musical nacional, ultrapassando as barreiras do género base da sua formação Jazz. Tendo-se estreado com o disco Whatever It Is You’re Seeking, Won’t Come In The Form You’re Expecting (2013), Hasselberg revelou-se um compositor ímpar que rapidamente conquistou a critica especializada e um público heterogéneo.

Desde sempre que Luís Figueiredo promove a sua versatilidade como compositor, tendo já escrito para diferentes formações e projectos editados em nome próprio. A sua participação em projectos ligados ao teatro e ao cinema, enquanto músico, compositor e performer, conferem singularidade ao seu percurso artístico.

O disco de estreia de Joel Silva, Geyser (2014), veio mostrar-nos a sobriedade das suas composições e uma cuidada preocupação com a riqueza melódica em cada tema.

Estas quatro personalidades vão descobrir em palco a transição da sua participação, por vezes solística, por vezes funcional, avançando e recuando sempre que a música assim o exigir. É neste balanço que vamos testemunhar uma experiência musical a superar todas as nossas expectativas.

Concerto a partir das 22h30 (2º set às 00h). 7,5€ para não sócios, entrada gratuita para sócios.

 

Leave a Reply