No Palácio Foz dia 19 de Julho 2016 às 18:00 Recital de violino e piano | Bruno Monteiro e João Paulo Santos

No Palácio Foz – Sala dos Espelhos – dia 19 de Julho às 18:00

Recital de violino e piano com Bruno Monteiro e João Paulo Santos

recital

FESTIVAL ESTORIL LISBOA 2016

“Música Portuguesa”

Bruno Monteiro, violino

João Paulo Santos, piano 

 

Bruno Monteiro

Natural do Porto, Bruno Monteiro estudou em Portugal com Carlos Fontes. Paralelamente recebeu a orientação de Gerardo Ribeiro, com quem trabalhou particularmente em Chicago, nos EUA, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento. Licenciado em Música com as mais elevadas classificações pela Manhattan School of Music de Nova Iorque, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e do Centro Nacional de Cultura, foi nesta instituição discípulo de Patinka Kopec (professora associada a Pinchas Zukerman), Isidore Cohen e de membros do American String Quartet. É Mestre em Música com a classificação máxima e honras académicas pelo Chicago College of the Performing Arts, onde se aperfeiçoou com Shmuel Ashkenasi. Na Europa e nos EUA recebeu ainda ensinamentos em cursos internacionais de técnica violinística e interpretação musical, de Linda Cerone, Victor Danchenko, Menahem Pressler e Yehudi Menuhin. Galardoado nacional e internacionalmente, recebeu entre outros, o 1º Prémio Nacional de Violino do Concurso da Juventude Musical Portuguesa de Lisboa e foi um dos vencedores com a Menção Especial do Júri do Ibla Grand Prize International Music Competition em Itália. Interpretando um repertório que se estende desde Bach a Coriglino, incluindo os principais compositores portugueses, tem uma intensa actividade concertística, apresentando-se em recital, como solista com orquestra e em música de câmara nos mais destacados circuitos nacionais de concerto. No estrangeiro, actuou igualmente em prestigiados palcos de países europeus, assim como nas Filipinas, Malásia, Coreia do Sul e nos EUA, nomeadamente como solista no Carnegie Hall de Nova Iorque. No domínio do recital, apresenta-se desde 2002 com João Paulo Santos. Tocou como solista com numerosas orquestras, das quais se destacam a Orquestra Filarmonia das Beiras, Orquestra do Norte, Orquestra Sinfónica de Palma de Maiorca, Orquestra Clássica da Madeira, Orquestra Sinfónica Portuguesa e a English Chamber Orchestra. Gravou por diversas vezes para a Televisão e Rádio Antena 2. Possui uma notável discografia disponível nas etiquetas Numérica-Multimédia, Movieplay Classics (Orfeu), Centaur Records, Inc., Companhia Nacional de Música (CNM) e Naxos. O seu novo CD com a integral da obra para Violino e Piano e Violino Solo de Fernando Lopes-Graça (Naxos) atingiu o top de vendas e foi unanimemente elogiado pela crítica especializada em todo o mundo.

João Paulo Santos

Nascido em Lisboa em 1959, João Paulo Santos concluiu o Curso Superior de Piano no Conservatório Nacional desta cidade na classe de Adriano Jordão. Trabalhou ainda com Helena Costa, Joana Silva, Constança Capdeville, Lola Aragón e Elizabeth Grümmer. Na qualidade de bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian aperfeiçoou-se em Paris com Aldo Ciccolini. A sua carreira atravessa os últimos 40 anos da biografia do Teatro Nacional de São Carlos onde principiou como co-repetidor (1976), função que manteve durante a permanência em Paris. Seguiu-se o cargo de Maestro Titular do Coro (1990-2004), desempenhando actualmente as funções de Director de Estudos Musicais e Director Musical de Cena. O seu percurso artístico distingue-se, essencialmente, em três áreas. Estreou-se na direcção musical em 1990 com a ópera The Bear (William Walton), encenada por Luís Miguel Cintra, para a RTP. Desde então tem dirigido obras tão diversas quanto óperas para crianças (Menotti, Britten, Henze, Respighi), musicais (Sondheim), concertos e óperas nas principais salas nacionais. Estreou em Portugal, entre outras, as óperas Renard (Stravinski), Hanjo (Hosokawa), Pollicino (Henze), Albert Herring (Britten), Neues vom Tage (Hindemith), Le Vin herbé (Martin), e The English Cat(Henze) cuja direcção musical foi reconhecida com o Prémio «Acarte 2000». Colabora com compositores portugueses, destacando-se a estreia absoluta de obras de António Chagas Rosa, António Pinho Vargas, Eurico Carrapatoso e Clotilde Rosa. Na qualidade de pianista apresenta-se a solo, em grupos de câmara e em duo, nomeadamente, com a violoncelista Irene Lima e o violinista Bruno Monteiro. Concertos e recitais por todo o País com praticamente todos os cantores portugueses preenchem regularmente o seu calendário artístico. A recuperação e reposição do património musical nacional ocupam um lugar significativo na sua carreira de músico sendo responsável pelas áreas de investigação, edição e interpretação de obras dos séculos XIX e XX. São exemplos as óperas Serrana, Dona Branca, Lauriane e O Espadachim do Outeiro que já foram levadas à cena no Teatro Nacional de São Carlos e no Centro Cultural Olga Cadaval. Fez inúmeras gravações para a RTP (rádio e televisão) e gravou discos abrangendo um repertório diverso desde canções do Chat Noir aos clássicos tais como Saint-Saëns e Liszt passando por Erik Satie, Martinů, Poulenc,Luís de Freitas Branco ou Jorge Peixinho. Quer como consultor, quer na direcção musical, é frequentemente convidado a colaborar em espectáculos de prosa encenados por João Lourenço e Luís Miguel Cintra.

festival

FESTIVAL ESTORIL LISBOA 2016

“Música Portuguesa” com

Bruno Monteiro, violino

João Paulo Santos, piano

 PROGRAMA:

Luís de FREITAS BRANCO (1890-1955)

Sonata nº1 para Violino e Piano

Andantino

Allegretto giocoso

Adágio molto

Allegro con fuoco

Fernando LOPES-GRAÇA (1906-1994)

Preludio, Capricho e Galope para Violino e Piano Op.33 (LG 98)

Óscar da SILVA (1870-1958)

Sonata Saudade para Violino e Piano

Allegro com duolo – Allegro molto

Andante

Scherzo

Allegro molto quasi presto ed appasionato

*Entrada Livre condicionada à lotação da sala.

 As portas abrem às 17H30.

Leave a Reply