MÁRIO DE CARVALHO COM “QUEM DISSER O CONTRÁRIO É PORQUE TEM RAZÃO: AS PALAVRAS

livro&livros3

Retirado do livro “Quem Disser o Contrário é Porque Tem Razão”, de Mário de Carvalho (Porto Editora, 2014) que aqui já abordámos:

 

“O que importa é que as palavras, em contexto ficcional, nunca são neutras. São ultravibráveis. Ao menos movimento, ressoam. São caprichosas, sensíveis a cada minuto que passa, a cada relance de luz. Não é indiferente lê-las numa página amarelada, numa página de brancura rasa, ao alto da folha, em baixo. A própria grafia implica uma ligeira alteração de tom. As palavras são volúveis. Vêm de contrabando, estabelecem-se, envelhecem, desaparecem. Às vezes morrem, outras vezes ficam adormecidas e são despertadas pelo beijo mágico de algum príncipe das letras, que pode ser um humilde jornalista. Pulsam, ecoam, modulam a sua própria ressonância. Reverberam, espalham reflexos para todo o lado. São rebeldes, desapertam as cordas, esgueiram-se das clausuras. São leves e aéreas. São pesadas como tanques. Abismam-se, ampliam-se, encolhem-se. Redimensionam-se. São como o deus grego Proteu, sempre a mudar de forma e de género (“mha senhor”, dizia-se antes de “senhora” assumir o feminino). A mesma palavra, como se refere no Crátilo, de Platão, pode estar no Olimpo, na companhia dos deuses, ou na rua, entre a gentalha mais desordeira. A palavra depende sobretudo das companhias (pag. 224).

images

Leave a Reply