“FILHOS DO ENGANO”, DE ISABEL MARÇANO, FALA-NOS DO AMOR, SEXUALIDADE E GRUPOS SOCIAIS NO ALENTEJO

 

livro&livros1

Ao longo do século XX, Portugal apresenta valores de ilegitimidade elevados próximos do Norte e Centro da Europa e distantes de Espanha, Grécia e Itália. Filhos de Engano – Amor, Sexualidade, Grupos Sociais no Alentejo é fruto de pesquisa sobre a reprodução social ligada aos nascimentos fora do casamento no Baixo Alentejo litoral (concelho de Alcácer do Sal), com investigação empírica aprofundada em Freguesia rural. Trabalho de campo sócio-antropológico e pesquisa em Demografia Histórica articulam a análise do presente e do passado recente com um eixo diacrónico de longa duração (1891-2012). O presente estudo demonstra que a reprodução social fora do casamento não é dissociável do sistema fundiário dominante e da complexidade da estratificação social, práticas de namoro, concepções pré-nupciais, união de facto, casamento tardio, fraca religiosidade no grupo dos trabalhadores rurais privados da posse de terra. [… Um dos pontos fortes da análise de Isabel Marçano é a ênfase dada a quatro tipos diferentes de mães solteiras: as mães solteiras que nunca casam, as mães solteiras que acabam por casar com o pai do filho, as mães solteiras que acabam por casar com outro homem, as mães que estão em uniões consensuais duradouras]. […O seu debate acerca do significado destas uniões consensuais é, talvez, a maior contribuição deste estudo para a vasta literatura, na demografia histórica da ilegitimidade. De igual importância é o seu conhecimento das práticas da corte, das relações das famílias que giravam em torno das mães solteiras e o elevado grau de tolerância para com determinados segmentos de uma população, relativamente à reprodução fora do casamento]. C. B. BRETTELL

 1507-1

A 2ª edição é de 2015, da Colibri.

Isabel Marçano é natural de Alcácer do Sal, onde concluiu o ensino secundário. Socióloga, doutorada em Sociologia da Cultura e mestre em Antropologia Social e Cultural e Sociologia da Cultura pela Universidade Nova de Lisboa exerceu, após a licenciatura, atividade na Câmara Municipal de Alcácer do Sal e no Centro de Emprego de Alcácer do Sal.

Com experiência em investigação e docência universitária, é investigadora do CESNOVA (Centro de Estudos em Sociologia da Universidade Nova de Lisboa) e Conselheira Consultora da CITE (Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego). Enquanto perita transnacional de qualificações e conselheira consultora do IEFP, participou em diversos projetos europeus de investigação-ação sobre validação de competências, qualificações e perfis profissionais.

Colaboradora da Enciclopédia Verbo para o Século XXI, foi comentadora da RTP e tem-se dedicado ao estudo de fenómenos de identidade, trabalho, desemprego e desigualdade social na sociedade portuguesa. Em 2013 publicou o livro Filhos de Engano – Amor, Sexualidade e Grupos Sociais, tendo por base a investigação que desenvolveu na freguesia e aldeia de Santa Susana.

Após as eleições autárquicas de 2013, foi eleita pelo PS como vereadora (não permanente e sem pelouros atribuídos) da Câmara Municipal de Alcácer do Sal.

No posfácio escreve a autora: “revisitada Santa Susana, vemos que, nas ultimas décadas, a tendência para o declínio populacional se acentuou na aldeia, na freguesia e no concelho a que pertence. Rareiam os bebés do século XXI, com impacte nas percentagens de nascimento de filhos fora do nascimento. …. A melhoria da vida dos trabalhadores desde os anos 80 permitiu que as crianças estudem, não trabalhem e sejam melhor alimentadas e vestidas do que seus pais e avós.”

 “As bases ideológicas da marginalidade da bastardia fundamentam-se à partida na necessidade de controlar ou excluir o que representa uma ameaça para a sociedade global, considerando-se a família legal ou religiosamente constituída a unidade de reprodução social. O carácter marginal da ilegitimidade é visível no facto de a geração de ilegítimos estar socialmente circunscrita a parte dos trabalhadores rurais, grupo no fundo da hierarquia social do sistema socioeconómico”.

 

Leave a Reply