MARGARIDA JÁCOME CORREIA, NA BIBLIOTECA NACIONAL ATÉ 30 DE ABRIL

 

Margarida Vitória Borges de Sousa Jácome Correia, Marquesa de Jácome Correia ou A Marquesinha, para os populares da Ilha de São Miguel, foi “Senhora de grande beleza, de enorme vitalidade, e de uma considerável fortuna familiar”, como descreve Luiz Fagundes Duarte, em Retratos imperfeitos.

A Marquesa relacionou-se com vultos do meio cultural português como os escritores Domingos Monteiro, Hernâni Cidade, Natália Correia e Armando Côrtes-Rodrigues, poeta do Orpheu e seu terceiro marido, através do qual conheceu Vitorino Nemésio, que por ela se apaixonou, vivendo os dois uma relação amorosa de enorme intensidade, que perdurou até à morte de Nemésio.

Um amor que Nemésio foi registando nos poemas que viria a reunir no livro Caderno de Caligraphia, escritos entre março de 1973 e maio de 1977, e cujos manuscritos serão exibidos nesta mostra.


Como lembra Fagundes Duarte, «Nemésio chegou a criar, materializando-as em cartões-de-visita impressos, uma SOCIEDADE LUDO-IMAGINÁRIA MARGANÉSIO, e uma outra, MARGA, ILIMITADA, dedicada a pura ficção e a poesia e novela».

Também Margarida Jácome Correia deixou memórias desta paixão no polémico Amores de Cadela «Pura»: confissões, sobretudo no segundo volume, concluído pouco antes da morte da autora e só publicado em 2004, e cujo primeiro volume (1976) ainda escreveu com o apoio de Vitorino Nemésio.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: