As guerras para lá da guerra na Ucrânia — “A guerra no tempo das plataformas digitais”. Por Dario Guarascio, Andrea Coveri e Claudio Cozza

Seleção e tradução de Francisco Tavares

10 min de leitura

A guerra no tempo das plataformas digitais

A guerra na Ucrânia tem realçado como os estados e as plataformas estão cada vez mais estreitamente ligados no plano militar.

Por Dario Guarascio, Andrea Coveri e Claudio Cozza

Publicado por  em 10 de Janeiro de 2023 (original aqui)

 

Oferecendo uma plataforma segura, o pessoal da Amazon encontrou-se com representantes do governo em Kiev no dia da invasão para discutir a transferência de dados para a sua nuvem (Drop of Light / shutterstock.com)

 

Nos últimos meses, o papel activo das plataformas digitais na guerra da Ucrânia tem vindo a assumir um papel preponderante. Em Outubro, o súbito encerramento do Starlink – o sistema de satélites Space-X que proporciona acesso à Internet a civis e pessoal militar – praticamente pôs em risco uma operação militar decisiva no leste do país. Um mês mais tarde, Elon Musk, proprietário do Space-X e agora Twitter, terá falado com o presidente russo, Vladimir Putin, antes de tuitar o seu “plano de paz” para a Ucrânia (Musk negou-o).

Em Junho, a Amazon Web Services – a divisão nuvem da empresa – revelou que a 24 de Fevereiro, dia em que a invasão começou, o seu pessoal técnico reuniu-se com representantes do governo ucraniano para discutir a introdução de hardware de armazenamento da Amazon no país para transferir dados dos sectores público e privado para a nuvem. O mesmo se aplica à Microsoft. Em Novembro, comprometeu-se a fornecer tecnologia no valor de 100 milhões de dólares “para assegurar que as agências governamentais, infra-estruturas críticas e outros sectores na Ucrânia possam continuar a servir os cidadãos” através da sua nuvem.

Será isto uma “privatização” da guerra? Sim e não. Por um lado, os Estados-nação – com os seus exércitos, forças paramilitares e agências de inteligência – permanecem os principais actores (mortais) da guerra. Por outro lado, o papel activo desempenhado por um punhado de plataformas digitais marca uma importante descontinuidade com o passado.

 

Poder técnico-económico

Tornando-se actores estratégicos na guerra, as plataformas estão a revelar um lado novo e sub-investigado do seu poder tecno-económico. Uma dependência mútua liga os Estados-nação a eles.

Os Estados já quase não podem prosseguir os seus objectivos sem o controlo das plataformas de dados, tecnologia e infra-estruturas. Envolver-se em actividades de inteligência, utilizar armamento digital controlado à distância, executar ou resistir a ciberataques – nada disto pode ser conseguido se as plataformas não fornecerem apoio activo.

Ao controlar infra-estruturas vitais, tais como a nuvem e os cabos submarinos, as plataformas tornam-se os “olhos e ouvidos” dos Estados-nação (no país e no estrangeiro), bem como interlocutores inevitáveis quando os Estados exploram a interdependência armada nas relações internacionais. A sua dependência tecnológica é ampliada pela complexidade e carácter cumulativo do conhecimento digital, bem como pela dupla utilização civil-militar e pela natureza de “caixa negra” das plataformas de tecnologias críticas que monopolizam, tais como grandes dados, aprendizagem automática e algoritmos de inteligência artificial.

Por sua vez, as plataformas globais necessitam de apoio governamental para contornar os obstáculos internos e externos à sua expansão: regulamentos que limitam o acesso aos dados pessoais, acções hostis por parte das autoridades antitrust ou fiscais, governos estrangeiros que se opõem aos seus investimentos ou sindicatos que lutam para obter salários mais elevados e melhores condições de trabalho. O valor económico das plataformas está fortemente correlacionado com a dimensão da rede e a quantidade de informação que controlam, pelo que as barreiras legais e institucionais que impedem essa expansão podem ameaçar a sua capacidade de acumulação.

Contudo, como as plataformas assumem o papel de parceiros indispensáveis para a segurança e actividades militares – bem como representam uma parte importante do produto interno bruto – torna-se bastante improvável que os governos perturbem as suas estratégias expansionistas. Do mesmo modo, as aquisições militares representam uma fonte de acumulação cada vez mais importante e um motor crucial do lado da procura para plataformas que prosseguem projectos de investigação e desenvolvimento e inovação de alta incerteza.

 

Fronteiras difusas

Esta dependência mútua reforça o poder económico das plataformas. Para além das suas actividades de lobby e capacidade de retaliação, as plataformas podem alinhar mais facilmente as políticas governamentais com as suas próprias estratégias. Esbate as fronteiras convencionais entre estado e mercado, confirmando tradições esquecidas do pensamento económico – como o “novo liberalismo” do Imperialismo do início do século XX de John Hobson ou o Marxismo da Capital Monopolista dos anos 60 de Paul Baran e Paul Sweezy – sublinhando a convergência entre o poder monopolista e as estratégias militares de domínio dos Estados-nação.

A dependência mútua entre plataformas e governos está especificamente relacionada com as crescentes tensões entre os Estados Unidos e a China. Eles não só competem pelo domínio económico e geopolítico, como são também a pátria das plataformas globais – como a Amazon e a Microsoft, Alibaba e Tencent – que dominam a esfera digital.

O nexo entre as plataformas e o Estado pode ser explorado de forma mais completa utilizando dados sobre aquisições e despesas. O valor monetário dos contratos de aquisições militares (e de segurança) adjudicados pelo Departamento de Defesa dos EUA (DoD) e outras agências federais às quatro principais plataformas domésticas – Amazon, Google, Facebook e Microsoft – aumentou de forma constante entre 2008 e 2021 (ver gráfico). De facto, este crescimento foi exponencial em contratos plurianuais para tecnologias e infra-estruturas chave (ver quadro abaixo).

Valor ($m) dos contratos da Amazon, Google, Facebook e Microsoft com o DoD e outras agências federais

Fonte: elaboração pelos autores a partir dos dados de USAspending.gov

 

Selecção de contratos militares e de segurança plurianuais adjudicados às principais plataformas digitais dos EUA

 

Ano e departamento/agência Fornecedor Valor ($) Natureza do serviço Fim declarado
2013–Central Intelligence Agency Amazon 600 milhões Nuvem Gestão de dados para evitar ataques terroristas
2019-Departamento de Defesa Amazon e Microsoft 50 milhões Drones Defesa
2020-CIA Alphabet, Amazon, Microsoft e Oracle Não disponível Nuvem Serviços em nuvem comercial (C2E) centralizados para 17 agências de inteligência
2021-DoD Microsoft 21,9 mil milhões Visores de realidade aumentada Capacetes holográficos computurizados para actividades militares em contextos altamente complexos
2022-National Security Agency Amazon 10 mil milhões Nuvem Infraestruturas de nuvem para a NSA
2022-DoD Amazon Não disponível Acelerador de arranque Coordenação de actividades inovadoras e promoção de start-ups de relevância militar
2022-DoD Microsoft Não disponível Veículos blindados Stryker Dispositivos digitais a serem incorporados em veículos armados
2022-DoD Alphabet (Google) Não disponível Área de trabalho Google Fornecimento de área de trabalho Google a 250.000 empregados do DoD
2022-DoD Alphabet, Amazon, Microsoft e Oracle 10 mil milhões Nuvem Infra-estrutura de nuvem para a “Capacidade de Combate Conjunto na Nuvem

Fonte: elaboração pelos autores com base em fontes da imprensa

 

De acordo com os dados fornecidos por Lucas Maaser e Stephanie Verlaan, isto sugere que o aparelho militar dos EUA está cada vez mais dependente da tecnologia, conhecimentos e infra-estruturas críticas das plataformas. Na mesma linha, Cecilia Rikap e Bengt-Åke Lundvall demonstraram que mais de 80% das patentes relacionadas com a Inteligência Artificial são detidas por corporações digitais americanas e chinesas.

Tal dependência cresce à medida que a quantidade de dados sob controlo das plataformas aumenta e os processos tecnológicos relacionados, tais como algoritmos de aprendizagem automática, tornam-se mais impenetráveis. As plataformas são essenciais para o funcionamento da Internet e, consequentemente, para o funcionamento dos mercados, para a produção e fornecimento de bens públicos e, como indicado, para as principais actividades militares e de segurança.

Ao mesmo tempo, os recursos fornecidos pelo DoD e outros departamentos federais tornam-se cada vez mais importantes para as plataformas, em termos monetários e como motores de inovação. O fabrico de armas (ou componentes e contrapartidas digitais) tornou-se uma actividade relevante para as plataformas. Representantes de alto nível das plataformas encontram-se nas instituições públicas encarregadas de desenvolver e controlar tecnologias relacionadas com as forças armadas.

Tomemos Eric Schmidt, antigo chefe executivo da Alphabet. Juntamente com o ex-secretário de estado veterano Henry Kissinger e o ex-secretário adjunto da defesa Robert Work, Schmidt é membro de dois conselhos consultivos governamentais que procuram impulsionar a inovação tecnológica no DoD. Ao mesmo tempo, ele apoiou-se na sua própria empresa de capital de risco, e numa fortuna de 13 mil milhões de dólares, para investir em mais de seis empresas start-up de defesa.

 

Desenvolvimento preocupante

Embora contradições e conflitos estejam sempre em jogo, esta dependência mútua entre Estados e plataformas aponta para uma relativa convergência das suas estratégias expansionistas – convergência reforçada à medida que as plataformas se tornam actores-chave na prossecução de objectivos militares e de segurança. Tal como em 1902, quando surgiu o Imperialismo de Hobson, estas estratégias estão interligadas devido à procura contínua de novas oportunidades de acumulação, dados e tecnologia para controlar, interdependência infra-estrutural a ser armada e domínio geopolítico a ser exercido.

Isto não é necessariamente uma novidade, mas é preocupante. Torna as fronteiras entre estados e mercados mais difusas e põe em questão a vontade – mesmo a capacidade – dos primeiros de regular e disciplinar os segundos no interesse colectivo. O controlo sobre tecnologias e infra-estruturas vitais de dupla utilização pode ainda permitir às plataformas, e às empresas em geral, alinhar as estratégias dos governos com as suas próprias estratégias. Finalmente, isto confirma o risco de subordinar a produção de conhecimento e inovação a tais estratégias empresariais e as suas ligações perturbadoras com as prosseguidas pelos aparelhos militares.

 

Uma versão anterior deste artigo foi publicada em italiano em Il Menabò di Etica ed Economia

 


Os autores

  Dario Guarascio é professor assistente de política económica na Universidade Sapienza de Roma. É também filiado na Escola de Estudos Avançados de Sant’Anna em Pisa. A sua investigação abrange a economia da inovação, digitalização e mercados de trabalho, a economia europeia e a política industrial.

 Andrea Coveri é professor assistente de economia aplicada na Universidade de Urbino, onde ensina a economia da globalização e economia política global. Os seus interesses de investigação incluem cadeias de valor globais, dinâmicas de inovação e a teoria do valor, preço e distribuição.

 Claudio Cozza é professor associado em política económica na Universidade de Nápoles ‘Parthenope’. Os seus interesses de investigação incluem a economia da ciência, tecnologia e inovação, desenvolvimento regional e internacionalização.

 

Leave a Reply