Ali, além, acolá…, por Fernando Correia da Silva

 

 


 

               Ali, além, acolá,

            vê-se que o dinheiro já

            não manda. É tal fartura

            que ninguém jamais procura

            ser dono de coisa alguma.

            Por isso não se costuma

            usar tranca ou cadeado,

            apelar a magistrado,

            condenar sem compaixão,

            meter homem na prisão,

            empurrá-lo para a guerra.

            Onde fica essa terra?

            Onde fica ou ficará?

            Ali, além, acolá…

 

            É povo, por natureza,

            inclinado à gentileza.

            Todos são donos de tudo

            porque todos fazem tudo

            para todos. Mais distingo

            ser ali sempre domingo.

            É festa continuada,

            irmandade partilhada

            entre homens e mulheres,

            bem-te-quero, bem-me-queres,

            sejam quais as gerações.

            Desigual doutras nações

            onde fica ou ficará?

            Ali, além, acolá…

 

            Arribado me quisera

            ao país da Primavera.

            Com a minha confraria

            hei-de ali surdir um dia

            sem daqui arredar pé.

            Trocar eu quero o que é.

            Porém ânsia desmedida

            troca-me as voltas da vida

            e comigo me deparo

            solitário ao desamparo

            a pregar neste deserto.

            O azul é tão incerto…

            Onde fica ou ficará?

            Ali, além, acolá…

Leave a Reply