Nove meses na socialização do Acordo Ortográfico na Galiza

Península - Penintsula

Sempre Galiza!

A Associação Pró-Academia Galega da Língua Portuguesa foi constituída em 1 de Dezembro de 2007, dia da Restauração da Independência e aniversário do primeiro acto público de Nunca Mais. Cerca de 20 pessoas de diferentes âmbitos da defesa da língua reuniram-se na cidade de Compostela com um objectivo comum: apoiar a criação duma Academia Galega da Língua Portuguesa.

O objectivo inicial desta associação foi o de promover a criação da Academia Galega da Língua Portuguesa. Constituída esta, a associação continua fornecendo apoio logístico à Academia, acrescentando como novo objetivo o de promover a cultura da Galiza e do resto da Lusofonia precisamente aqui, na Galiza.

Associação Pró Academia Galega da Língua Portuguesa

Nove meses na socialização do Acordo Ortográfico na Galiza

A nova Junta Diretiva da Pró-AGLP recebeu como encomenda na altura da sua eleição a tarefa de contribuir para o desenvolvimento da língua e cultura da Galiza no nosso território. A encomenda era nova para a Pró que, até essa altura, era uma organização quase académica de promoção e difusão da AGLP. O paradoxo do assunto é que a novidade para a nossa associação era voltarmos à sempre velha necessidade dos movimentos socializadores da língua e cultura.

Mas, no âmbito cultural socializador galego já estão a AGAL, os locais sociais, a Mesa pola Normalización, os serviços de normalização de liceus, escolas, câmaras municipais… O copo semelha cheio e até a derramar. E agora uma quase académica organização tinha de se meter no mesmo campo. Por se isto não fosse pouco, a AGAL já está a realizar, com extraordinária planificação e, como consequência, grande sucesso, atividades de socialização do português na Galiza.

Este âmbito específico já está ocupado e podemos colaborar, mas não há porque duplicar esforços.

Confrontávamo-nos, além disso, com a dificuldade acrescentada de sermos uma organização ligada à AGLP e, como tal, termos de manter uma linha centrada, séria e que não comprometesse a Academia a nível diplomático ou institucional.

Mas houve sempre algo que tivemos claro desde as primeiras reuniões da Junta Diretiva: o que nos define é o Acordo Ortográfico.

Não há hoje na Galiza outra organização que defenda, com a mesma claridade do que nós, que o Acordo Ortográfico é a melhor garantia da “quase impossível” sobrevivência da nossa língua e cultura; não apenas porque serve para termos um status de língua e cultura internacionais, mas porque é a nossa forma de expressão viva, estimulante, re-nacionalizadora, sem medos, prejuízos, nem barreiras mentais ou físicas.

Quando o autonomismo e a sua ideia de língua e cultura esmorecem, a única alternativa de língua nacional e internacional é, para nós, a eliminação da barreira ortográfica que impede aos galegos e galegas viverem com normalidade no conjunto do espaço lusófono.

A partir desta visão fundamental, a Junta Diretiva da Pró-AGLP dedicou-se desde o primeiro momento a planificar atividades que servissem na promoção da norma internacional da língua e da AGLP na Galiza; entre outras, as seguintes:

1. Atos organizados pela Pró-AGLP

O ato mais relevante organizado pela Pró foi a homenagem a Ernesto Guerra da Cal, no dia das Letras Galegas, bem como as apresentações dos “Clássicos da Galiza” e do “Arquivo Digital da AGLP”, sendo a primeira destas apresentações a realizada em Lugo no passado 16 de Dezembro, com grande sucesso de participação, e tendo já previstas as próximas que terão lugar na Crunha, Ferrol, Ponte Vedra, Vila Garcia, Alhariz e Ourense, eventos pensados para decorrer entre Dezembro de 2011 e Fevereiro de 2012.

2. Atos nos que a Pró-AGLP tem colaborado

Teve especial importância a colaboração da Pró com a AGAL na organização dos atos que decorreram no evento “É-mundial”(em concreto: a apresentação do volume de antologia de Guerra da Cal, o debate entre diferentes representantes de festivais lusófonos da Galiza e Portugal e a exposição da fotógrafa de Ponte de Lima Maria Oliveira) e a colaboração com a própria AGLP na organização do Colóquio Guerra da Cal e o III Seminário de Lexicologia.

3. Atos nos que a Pró-AGLP marcou presença

Salientar a presença da nossa Associação no “Festigal”, no “I Encontro de escritores lusófonos” (Monção) e no “Festival da Poesia do Condado”, com postos de informação, recolhida de assinaturas para apoiar a iniciativa do MIL sobre o ingresso da Galiza na CPLP e venda de material.

4. Parcerias, protocolos e sites que a Pró-AGLP apoia

No 18 de Junho a Pró-AGLP assinava um protocolo de colaboração e apoio recíproco com o Movimento Internacional Lusófono (MIL), com a intervenção e representação da nossa embaixadora em Portugal, a companheira da Junta Diretiva Maria S. Dovigo. A Pró decidiu também manifestar o seu apoio à Associação Puntogal.

5. Outros

A Pró também tem agora uma página na rede social Facebook, onde se informa dos eventos programados através da qual se convida as pessoas a participar neles, sem prejuízo dos convites pessoais que também se fazem quando a ocasião o requerer, nomeadamente a pessoas não-sócias, e que podem ter mais dificuldades em acessarem à informação dos nossos eventos.


Estamos no caminho e cada passo é um passo que pouca gente tinha dado antes. Sabemo-nos pioneiras/os nesta tarefa e isso é um desafio encorajante. Vamos para um movimento socializador da norma internacional da nossa língua e seremos referente.

(janeiro 2012)

Mais informação no sítio da AGLP – Academia Galega da Língua Portuguesa

7 Comments

  1. Um trabalho ímpar em prol da língua portuguesa, o desenvolvido pela Academia Galega da Língua Portuguesa. Além dos vários trabalhos e publicações, recorde-se, entre outros, o ato de homenagem a Ernesto Guerra da Cal que, para além da invocação do grande poeta e lfilólogo, ganhou contornos de grande evento internacional sobre a língua, a Galiza e o português no mundo.

  2. obrigado, Pedro, obrigado, argonautas: é muito reconfortante para nós sabermo-nos considerados a S da Raia; (do resto, continuamos a “petar” nas Portas…);

    aperta!

    Carlos

  3. Parecer da «Comissão para a Integração da Língua da Galiza no Acordo da Ortografia Unificada» sobre «as bases da ortografia unificada» de 1988, da Academia das Ciências de Lisboa, com vista ao reinício de uma negociação comum entre os países lusófonos, a Galiza inclusive (Comissão presidida por Ernesto Guerra da Cal que nessa qualidade é o primeiro signatário do parecer “Com confiança no futuro da Lingua da Patria e na Patria da Lingua”):
    http://www.lusografia.org/ao/Doc7.pdf

  4. Intervenção Ângelo Cristóvão, representante da Associação Pró Academia Galega da Língua Portugesa, na Assembleia da República Portuguesa, em 07/04/2008, no contexto da Conferência Internacional Parlamentar sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. Ângelo leu, nesse dia histórico, um comunicado a respeito da posição galega e do papel da futura Academia Galega da Língua Portuguesa (AGLP):
    vídeo: http://blip.tv/reintegrante-tv/ângelo-cristóvão-aglp-assembleia-da-república-portuguesa-4789619
    pdf: http://www.academiagalega.org/images/stories/2008/20080407L-2.pdf

  5. Intervenção de Alexandre Banhos na Assembleia da República Portuguesa, em 07/04/2008, no contexto da Conferência Internacional Parlamentar sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa O texto lido pelo, na altura, presidente da AGAL foi consensualizado entre as entidades lusófonas galegas: AAG-P, AGAL, AGLP, ASPG-P, MDL:
    vídeo: http://blip.tv/reintegrante-tv/alexandre-banhos-na-assembleia-da-república-portuguesa-4789625
    pdf: http://www.academiagalega.org/images/stories/2008/20080407L-1.pdf

  6. Obrigado! E acrescentaria, triste, que a Pró está a trabalhar contra vento e maré procedentes do reino da “España” e, mesmo, da República portuguesa, institucionais, e com o grave desconhecimento por parte das instituições dos outros membros da CPLP, incluída a própria CPLP.
    Porque entendemos (permita que use este plural inclusivo) que a promoção do AO na Galiza é útil para o dificultoso processo de re-galeguização das gentes galegas.

Leave a Reply