Pentacórdio para Quarta 24 de Outubro

por Rui Oliveira

 

  

   Na Quarta-feira 24 de Outubro também a escolha não é abundante no campo musical, pelo que o que ressalta é o Concerto no Salão Nobre do Teatro Nacional de São Carlos, às 18h, dedicado a música de Portugal ali tocada e cantada pela Orquestra Sinfónica Portuguesa  e pelo Coro do Teatro Nacional de São Carlos dirigidos por Giovanni Andreoli.

   Ouvir-se-á de Carlos Seixas  Missa em Sol, de Fernando Lopes-Graça  Cantos de Natal e de Eurico Carrapatoso  Allelujah.

   Damo-vos a ouvir esta última peça (ou seja Alleluia nº3 do Salmo CL de E.Carrapatoso) por outros agrupamentos portugueses, o Coro Ricercare (dir. Pedro Teixeira) e a Orquestra Sinfonietta de Lisboa (maestro Vasco Azevedo) em Julho de 2009 : 

 

 

 

   Entretanto continua no Centro Cultural de Belém, nesta Quarta 24 de Outubro, o ciclo «CCB no CCB – Camilo Castelo Branco : As paixões juvenis e o Amor de Perdição» que, no seu terceiro dia, inicia os trabalhos com uma mesa-redonda às 15h15 sobre “Amor de perdição na perspectiva dos amores juvenis de hoje” coordenada por Daniel Sampaio e com a presença de Fernando Pinto do Amaral (pelo Plano Nacional de Leitura) e Margarida Braga Neves (do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Universidade de Lisboa), ambos organizadores do ciclo.

   Segue-se, às 19h, no Pequeno Auditório, a exibição da terceira abordagem temporal do romance de Camilo em foco : o filme de Manoel de Oliveira de 1978 “Amor de Perdição” com António Sequeira Lopes (Simão Botelho), Cristina Hauser (Teresa de Albuquerque), Elsa Wallenkamp (Mariana), António J. Costa (João da Cruz), Henrique Viana (Tadeu de Albuquerque), Maria Dulce (D. Rita Caldeirão) e Ruy Furtado (Domingos Botelho). A entrada é livre.

   Infelizmente não há um filme-anúncio disponível com qualidade (ou não o encontrámos…), pelo que ficam aqui algumas imagens de entrevistas a seu respeito :

 

 

 

   E porque falamos de Manoel de Oliveira lembramos que se encontra em exibição nas salas nacionais a sua mais recente criação “O Gebo e a Sombra” (2012), inspirada na peça homónima de Raul Brandão, com Michael Lonsdale, Claudia Cardinale, Jeanne Moreau, Leonor Silveira, Luís Miguel Cintra e Ricardo Trepa, entre outros e fotografia de Renato Berta.

   Diz dele, p.ex., um crítico (Francisco Ferreira, Atual) : “…Num filme que, para ter este elenco, só poderia ter sido rodado em francês, as interpretações, captadas em planos fixos, alguns deles longuíssimos, são um tour de force com um sentido de economia impressionante, levando a palavra de Brandão à sua essência alucinatória – e é com este efeito, puramente cinematográfico, que “O Gebo e a Sombra” nos convence por inteiro.”

   Eis o seu trailer :

 

 

 

 

 

   Na mesma Quarta-feira 24 de Outubro, às 18h, há nova conferência/debate (com entrada livre) doCiclo de Conferências “Matemática, a Ciência da Natureza” no Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian por José Natário (Universidade Técnica de Lisboa), intitulada  “A linguagem secreta do Universo”.

   Explica o orador : “ Há quase quatro séculos, Galileu Galilei escreveu, de forma profética : «A Filosofia [Ciência] está escrita neste grande livro, o Universo, que está permanentemente aberto e ao alcance do nosso olhar. Mas o livro não pode ser compreendido sem antes aprendermos a linguagem e os caracteres em que está escrito. A linguagem é a Matemática, e os caracteres são triângulos, círculos e outras figuras geométricas, sem as quais é humanamente impossível compreender uma única palavra.» (Il Saggiatore, 1623).

   Nesta palestra veremos como tudo o que descobrimos desde então acerca da natureza e funcionamento do Universo, dos fenómenos quotidianos às galáxias e às partículas elementares, tem vindo a dar razão a Galileu: a Matemática é a linguagem secreta do Universo, e quanto mais profundamente examinamos os fenómenos mais sofisticada (e bela) se torna a Matemática necessária para os descrever”.

   Haverá transmissão online compatível com Iphone, Ipad e Android em :

 http://www.livestream.com/fcglive e videodifusão em :  http://live.fccn.pt/fcg/

 

 

 

   Os amadores de jazz terão nesta Quarta 24 de Outubro, às 23h, no Hot Clube, o trio Azul de Carlos Bica (contrabaixo), Frank Möbus (guitarra)e Jim Black (bateria) para divulgar o quinto álbum do grupo, “Things About”.

   Trata-se de “um trabalho singular de influências diversas, como é habitual em Bica: indie jazz alimentado pela energia e pelo ritmo inquieto do rock, com o formato da canção vindo da pop e a emotividade lírica e melancólica da música popular portuguesa” (diz o programa do Hot) – que a crítica especializada (Jazz 6/4) considerou em 2011 “o melhor CD nacional  e porventura o mais perfeito dos álbuns de Carlos Bica com o seu trio Azul”.

   Mostramos-lhe o tema “Vale” de “Things About” (2011) :

 

 

 

   No Ondajazz, quase à mesma hora (22h30) dessa Quarta 24 de Outubro, actua o grupo brasileiro Graveola cujo líder e baterista Yuri Velasco afirma “não (ser) um grupo estritamente musical. A agenda da banda é fortemente pautada em questões políticas e acções populares, principalmente as ligadas ao acesso aos bens culturais da cidade e à democratização do uso do espaço público”.

   Pode escutar-se um trecho do seu álbum “Lixo Polifônico”, o tema “Desdenha” em :

http://www.youtube.com/watch?v=tdztG466C6U&feature=related 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Segunda aqui )

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply