Pentacórdio para Domingo 18 de Novembro

por Rui Oliveira

 

   No Domingo 18 de Novembro o público do Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian fará a experiência multissensorial de assistir em total escuridão ao espectáculo “Eclipse” da dupla formada pelos músicos malianos cegos Amadou Bagayoko e Mariam Doumbia, um dos nomes importantes do circuito da world music (colaborou com Manu Chao, Damon Albarn, Mário Lúcio), cujo repertório de canções impregnadas da tradição de um país com uma riqueza musical espantosa visa mostrar que “a cegueira não é necessariamente a antítese da luz” (como diz Amadou).

   Neste espectáculo que −  diz o Serviço de Música da FCG – “pretende exacerbar a estimulação dos sentidos como o olfacto e a percepção da temperatura ambiente (variável entre 15° e 30°C), embora esteja montado um sistema de visão nocturna (!)”, vão actuar, além de Amadou Bagayoko (voz, guitarra) e Mariam Doumbia (voz), Mamani Keita (voz), Yao Dembele (baixo eléctrico), Yvo Abadi (bateria), Ali Keita (balafon), Madou Diabate (kora) e Idrissa Soumaoro (teclados).

   O video-clip seguinte A Radio Mogo reproduz alguns dos seus temas originais :

 

 

 

 

 

   No Domingo 18 de Novembro, no Teatro Camões (no Parque das Nações), às 18h, a  Orquestra Metropolitana de Lisboa sob a direcção musical de Jesús Medina (foto à esq.) dá o seu novo concerto À Descoberta da América III em que aborda a música do México. 

   Ouvir-se-ão :

                                Javier AlvarezMetro Chabacano

                                José Pablo MoncayoHomenaje a Cervantes

                                Eduardo AnguloCitadino

                                Joaquín Gutiérrez HerasPostludio

                                Rodolfo HalffterObertura Festiva, Op. 5

                                Eugenio ToussaintDanzas de la Ciudad

 

   Das notas introdutórias de Rui Campos Leitão retirámos : “Quando se fala de música mexicana logo nos vêm à ideia os mariachis; o guitarrão e a vihuela, violinos e trompetes, a harpa, vozes timbradas sob enormes sombreros. Mas, tratando-se aqui de música orquestral, vislumbra-se um «novo mundo» carregado de influências da música clássica europeia, sempre em confluência com as referências culturais autóctones… Até aos anos 1960 imperaram sonoridades de carácter vivo e «colorido», identificadas de maneira mais ou menos explícita com as tradições civilizacionais ameríndias. Depois disso, as vanguardas estilísticas iniciaram a conquista do seu espaço… José Pablo Moncayo e Rodolfo Halffter surgem aqui como representantes de uma geração de compositores que trilhou o mesmo caminho dos pioneiros Silvestre Revueltas e Carlos Chávez, com sentido à afirmação de uma identidade musical mexicana no contexto da música sinfónica …

Abre-se assim a porta à segunda metade do século XX, designadamente por intermédio de quatro obras dos anos 1980 e 1990 que nos permitem reconhecer tendências de escrita mais recentes … Em Metro Chabacano de Javier Alvarez, Citadino de Eduardo Angulo e Danzas de la Ciudad de Eugenio Toussaint, adivinha-se a paisagem sonora contemporânea do país mais populoso da América Latina”.

   Ouçamos aqui essa peça introdutória de Javier Alvarez (1956 – )(foto à dir.) tocada pela Orquestra Sinfónica Simon Bolivar da Venezuela dirigida por Keri-Lynn Wilson em 2010 :

 

 

 

 

   A 24ª Edição da Temporada “Música em São Roque” tem o seu 2º concerto na Igreja de São Roque às 17h deste Domingo 18 de Novembro.

   Actuará o conjunto “Sete Lágrimas” que irá interpretar a Missa Pro Defunctis a 4 vozes e o Responsorium Tenebrae  de Tomás Luis de Victoria.

   Por não haver registo deste grupo, reproduzimos esta última peça pelo grupo Pro Cantione Antiqua :

 

   Na véspera Sábado 17 (para o leitor, amanhã) iniciara-se este evento já anualmente regular das Temporadas “Música em São Roque” seguindo, como nas edições anteriores, uma linha de programação que privilegia a ligação estética às características próprias dos locais onde decorrem os concertos, a participação de músicos portugueses ou residentes em Portugal e a divulgação do universo musical português.

   “A Igreja de São Roque acolhe sobretudo obras para coro e orquestra do período barroco e clássico, nomeadamente de Bach, Schütz , Vivaldi, Charpentier, Haydn, Mozart e de um conjunto de compositores portugueses e brasileiros que nos séculos XVII e XVIII aproximaram a história da música destes dois países, como sejam Marcos Portugal, André da Silva Gomes, Emerico Lobo de Mesquita e José Maurício Nunes Garcia, entre outros”.

   Nesse Sábado 17 de Novembro, às 21h30, o Coro do Tejo e o Ensemble Studio Contrapuncti sob a direcção de Pedro Rollin Rodrigues executam um programa “Weihnachtshistoire – História de Natal” que inclui obras de Heinrich Schutz e Arcangelo Corelli. Nele participarão, em particular, Elsa Cortez soprano, Pedro Cachado tenor, Armando Possante barítono, Denys Stetsenko violino concertato, Raquel Cravino violino concertato e Paulo Gaio Lima violoncelo concertato.

 

 

 

 

   Também no Domingo 18 de Novembro tem lugar na Sala dos Espelhos do Palácio Foz, às 17h, um Recital de piano de entrada livre onde a pianista Teresa Palma Pereira interpretará obras de Carlos Seixas,  Franz Schubert e Claude Debussy.

   Teresa da Palma Pereira efectuou estudos pianísticos sob orientação de Tania Achot e estudou ainda com Artur Pizarro, Grigory Gruzman,Filipe Pinto-Ribeiro e Jan Michiels e actualmente com Claudio Martinez-Mehner. Foi laureada com vários prémios nacionais e internacionais com o 1º prémio no Concurso Internacional Maria Campina e o 2º prémio e menção especial do júri no Concours International de Piano Son Altesse Royal la Princesse Lalla Meryem, em Marrocos.

 

 

 

 

   Noutra área musical, a Galeria Zé dos Bois, às 22h de Domingo 18 de Novembro, recebe os norte-americanos pop punk de Brooklin Japanther (Ian Vanek e Matt Reilly), que a define como “uma banda rock com canções de amor”. A revista“Flash Art” considera-os “uma forma estudada de anarquismo New Wave” . São precedidos no palco pelos lusos Kimo Ameba.

   Dos brooklinianos oiçam os interessados este Challenge :

 

 

 

 

   Noutra área mais popular, o cinema Tivoli recebe neste Domingo 18 de Novembro, às 21h, o espectáculo musical “Gerações do Fado” que assinala em Portugal o “Ano Europeu do Envelhecimento Activo e da Solidariedade entre Gerações” e é uma iniciativa do Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal. A entrada é livre.

   Participam, entre outros, Carlos do Carmo, Cuca Roseta, Joana Amendoeira, Ana Moura, Celeste Rodrigues, Fernando Alvim e Marco Rodrigues, havendo o desafio lançado aos artistas mais consagrados de partilharem o palco com jovens fadistas que agora começam a despontar nas Casas de Fado.

 

 

   Lembramos (porque por lapso não o referimos antes) ao mencionar a canção dita “nacional” que decorre entre nós desde Outubro passado um Festival de Flamenco (o 5º em Lisboa) e que, sendo hoje(para os leitores atentos) Sexta 16 de Novembro o “Dia internacional del flamenco”, se realiza um concerto de flamenco extremenho no Santiago Alquimista (rua de Santiago nº 19B, Lisboa) com a presença de Pedro Cintas, vencedor de inúmeros prémios em concursos de cante flamenco, que vem acompanhado do bailarino e coreógrafo El Maleno e do guitarrista Juan Manuel Moreno.

 

 

 

 

   No Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém realiza-se às 18h deste Domingo 18 de Novembro a cerimónia de abertura do Festival do Cinema Russo, uma iniciativa da Embaixada da Federação Russa, o qual se prolonga até Quarta-feira 21. A entrada é livre.

   Segue-se às 19h a projecção de “Moskva, Ya Lyublyu Tebya”(Amo-te Moscovo)  (Rússia, 2010) de Artem Mikhalkov, Oleg Fomin, Yegor Konchalovsky e outros quinze realizadores, película que tem como actores Evgueniya Dobrovolskaya, Maksim Sukhanov, Evgueniy Mironov, Ivan Okhlobystin, Vladimir Dolinskiy.

   Contam-se 18 histórias românticas sobre a cidade de Moscovo onde cada curta-metragem de 5 minutos mostra a filosofia do amor nas relações, nos encontros, nas separações … mas a protagonista é sempre Moscovo.

   É este o vídeo de uma das histórias (O Violinista de Vera Storogheva) com legendas inglesas :

 

   As exibições seguintes são : a 19 de Novembro Slove. Ao Coração Mesmo de Yuri Staa, a 20 de Novembro 4 Dias em Maio de Achim von Borries e a 21 de Novembro Extravagâncias de Livan Gabriadze.

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sexta aqui )

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply