Pentacórdio para Domingo 24 de Fevereiro

por Rui Oliveira

 

 

 

   A semana encerra com um Domingo 24 de Fevereiro mediano quanto a oferta cultural. É contudo ainda possível destacar os três primeiros espectáculos que em seguida referimos.

 

1 divino sospiro

   Assim, chamaríamos a atenção, a abrir, para a coincidência simbólica de se ter escolhido o exacto dia para, 406 anos depois, levar ao palco do Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, às 19h, no seu Ciclo de Música Antiga, a versão semi-encenada da “fundadora e imortal” ópera de Monteverdi “L’Orfeo”, estreada em Mantova (Mântua) em 24 de Fevereiro de 1607.3 ana quintans

2 fulvio bettini   A execução musical estará a cargo da orquestra “Divino Sospiro” sob a direcção de Enrico Onofri e do Coro Gulbenkian sob a mesma chefia.

   Na interpretação das diversas figuras esta ópera em 4 actos (legendada em português) estará uma maioria de artistas portugueses, a saber : a soprano Ana Quintans (como La Musica/Euridice)(foto), o barítono Fulvio Bettini (Orfeo)(foto), o tenor Fernando Guimarães (como pastor/Apollo), a meio-soprano Romina Basso (como Speranza/Proserpina), a meio-soprano Luciana Mancini (como messagera), o barítono Hugo Oliveira (como Plutone/Eco/pastor), o baixo Antonio Abete (como Caronte), o contralto Joana Nascimento (como Pastore), a contralto Carolina Figueiredo (como Ninfa), o tenor Pedro Cachado (como Spirito), o tenor Luca Dordolo (como Pastore) e o barítono Manuel Rebelo (como Pastore/Eco).

 

 

 

4 Dryads Duo   No Centro Cultural de Belém, entretanto, às 11h na sua Sala Luís de Freitas Branco, apresenta-se, pela primeira vez no seu ciclo Bom Dia Música, o Dryads Duo, duo constituído por Carla Santos violino e Saul Picado piano.

   Criado com o objectivo principal de abordar o repertório existente para duo desde os finais do século XIX até à actualidade, tendo a preocupação de apresentar obras não tão conhecidas, mas não menos merecedoras, e um interesse especial por interpretar obras contemporâneas de jovens compositores, estreou-se em Setembro de 2012 na Casa da Música com a obra “On a Quiet Place” (para violino, piano e electrónica em tempo real) do compositor Igor C. Silva, jovem compositor em residência na Casa da Música, 2012. No mesmo mês fez o lançamento do seu primeiro CD, num recital inserido no Festival Jovens Músicos 2012, da Fundação Gulbenkian.

   Do programa constam de :

      Ludwig van Beethoven  Sonata n.º 4, op. 23

      Maurice Ravel  Sonata Póstuma

      Olivier Messiaen  Tema e Variações

      Ottorino Respighi  Sonata em Si menor, op. 110

 

   Para conhecer a qualidade do duo, ouça-se esta peça (infelizmente não identificada) executada a quando do evento “Primavera musical 2012” no Conservatório Regional de Castelo Branco :

 

   O primeiro andamento Com Moto duma Sonata para Violino de Janacék (e os seguintes) pode também ser ouvido aqui :  http://youtu.be/AziDo4RlKUQ   

 

  

5 percussoes OML

   Também no Domingo 24 de Fevereiro, mas às 18h, no Cinema São Jorge na Avenida da Liberdade (Lisboa) há mais um Concerto ao Domingo das Percussões da Metropolitana  de entrada livre.

   Um grupo de percussionistas da Orquestra Metropolitana de Lisboa sob a direcção artística de Marco Fernandes irá tocar de :

      George GershwinPorgy and Bess (arr. de Edward Freytag)

      Chuck MangioneTribute To Mangione (arr. de Chris Crockarell)

      Djavan e Doug FiegerThe Zoo Blues (arr. de Chris Brooks)

      Béla Fleck Sunset Road (arr. de David Steinquest)

      Donald FagenThe Goodbye Look (arr. de Chris Brooks)

      Roland Vazquez Pire (arr. de Steve Houghton e Tom Warrington)

      Enrique Garcia Conga (arr. de Chris Crockarell)

      Michel Camillo, Julie Eigenberg e Hilary Koski Why Not! (arr. de Chris Brooks)

      Andy Smith Lalopalooza

   O concerto será comentado, como usualmente, por Rui Campos Leitão.

 

   Até para avaliar a sua evolução (que aliás tem valido a estes jovens percussionistas a participação em festivais internacionais de percussão e a conquista de prémios, num percurso de sucesso) ouça-se uma sua interpretação há exactamente dois anos, no CCB, tocando de Bill Whelan “Riverdance” (arranjo de Lino Guerreiro) :

 

 

 

 

6 Polyphonia Schola Cantorum7 Cartaz_Jeronimos2   Um concerto menos habitual e que poderá ser interessante é o Concerto de Inverno que neste Domingo 24 de Fevereiro, às 16 horas, o Museu Nacional de Arqueologia (no Mosteiro dos Jerónimos) promove nas suas instalações e que será de entrada livre.

   Ali receberá o Coro Académico Egas Moniz, o coro Polyphonia Schola Cantorum (foto) e a Camerata de Sopros Silva Dionísio da Escola Superior de Música de Lisboa.

   Sob a direção do maestro Paulo Videira, serão então interpretadas a Missa Alemã D. 872 de Franz Schubert e a Serenata “Gran Partita” KV 361 de Wolfgang Amadeus Mozart.

 

 

 

8 márcio páscoa   Há ainda outros encontros musicais neste dia de Domingo 24 de Fevereiro, como o Recital de Flauta e Cravo que os músicos Márcio Páscoa flauta e Mário Trilha cravo propiciam na Sala dos Espelhos do Palácio Foz, às 16h com entrada livre, onde serão tocadas obras de J. B. Boismortier e C. P. E. Bach.

 

 

 

9 vander lee 0   O mineiro Vander Lee é o intérprete da Semana Cantores Brasileiros que virá ao Espaço Brasil /LX Factory (Rua Rodrigues de Faria, 103 – Armazém L), às 22h, neste Domingo 24 de Fevereiro para a celebração do «Ano Brasil-Portugal».

   Compositor gravado por cantoras tão conhecidas e consideradas como Gal Costa, Alcione, Leila Pinheiro e Margareth Menezes, Vander Lee acaba de lançar um álbum chamado “Sambarroco” que marca uma nova fase na sua carreira voltada para o samba mas sem perder de vista a sua  “mineiridade”.

   Este é o tema “Terno Cinza” pertencente a esse álbum :

 

 

 

 

10 cinema-La-nostra-vita   Há este Domingo 24 de Fevereiro nova sessão do ciclo Domenica al Cinema organizada pelo  Instituto Italiano de Cultura (Istituto Italiano di Cultura) que tem habitualmente lugar às 21h nas instalações do Teatro do Bairro (Rua Luz Soriano, nº 63).??????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

   Com o subtítulo “Incontro con il cinema italiano contemporaneo”, o ciclo inicia-se com a projecção do film “La nostra vita” (Itália, 2010) de Daniele Luchetti (foto) com Elio Germano, Raoul Bova e Isabella Ragonese, entre outros (legendado em português).

   Sinopse :

   Claudio é um operário camarário que trabalha num estaleiro da periferia romana, é casado, tem dois filhos e está à espera do terceiro. De repente, porém, esta existência feliz é devastada : a mulher, Elena, morre de parto. Claudio, incapaz de enfrentar a dor, pensa ter de compensar os filhos e, como tal, mete-se num negógio maior que ele, de repercussões económicas e morais e tem de enfrentar a injustiça social e pessoal que o envolve. O apoio da família, dos amigos e o amor aos filhos irão ajudá-lo a vencer a sua aposta de existência.

   Eis o filme-anúncio italiano :

 

 

 

 

   Por último uma NOTÍCIA em ATRASO :

 

   Realiza-se hoje (Sexta-feira 22) no Centro de Reuniões (Sala Luís Freitas Branco) do Centro Cultural de Belém, às 19h, a Conferência “Concurso Público Internacional Campo das Cebolas / Doca da Marinha”, evento integrado na “Lisbon Ground” (ver abaixo) − a mostra representativa de Portugal na “Mostra Internacional de Arquitectura da Bienal de Veneza” −  onde serão conferencistas João Gomes da Silva, João Luís Carrilho da Graça e João Nunes, com a apresentação a cargo de Gonçalo Byrne e de Manuel Salgado.

   A entrada é livre.

 

   Este é o pretexto ideal para lembrar que neste mesmo Domingo 24 de Fevereiro, no novo espaço do Centro Cultural de Belém, a Garagem Sul, encerram ao público duas exposições de interesse.

 

 

 

12lisbon ground   Uma, “Lisbon Ground” (como se disse) é o título da exposição que representou Portugal na 13ª Mostra Internacional de Arquitectura, La Biennale di Venezia, entre 29 de Agosto e 25 de Novembro de 2012.

   É um projecto criado e desenvolvido pela sua comissária, a Arquitecta Inês Lobo, que respondeu assim ao tema base lançado por David Chipperfield, o comissário geral desta edição de La Biennale di Venezia – “Common Ground”. Nas suas palavras “o conceito desta exposição tem Lisboa como foco principal, sob uma perspectiva da cidade como território comum, numa das possíveis traduções do tema base «Common Ground»”, “território de saberes, território comum a um grupo de pensadores onde se incluem pessoas da Arquitectura, do Cinema, da Fotografia, da Literatura…”.

14 LISBON URBAN GROUND ccb -06 -20120123-DSC_881406   Assim, em Lisbon Ground a Cidade apresenta-se declinada em três temas – Lisbon Downtown, Lisbon River e Lisbon Connections, temas que nascem de discussões e reflexões sobre um conjunto de projectos e obras concretas que partilham um território e tema comuns (Lisboa)  os quais tiveram a participação de um grupo de arquitectos de referência desde Álvaro Siza Vieira e Eduardo Souto Moura a Francisco Mateus, Gonçalo Byrne, João Carrilho da Graça, Manuel Graça Dias, Manuel Salgado ou Paulo Mendes da Rocha.

   As obras em análise reflectem vinte e quatro anos de intervenção na cidade, pelo que esse é o tempo sobre o qual se debruçaram estas reflexões (1988-2012), que são a matéria-prima das diferentes peças que constituem a exposição :

15 LISBON URBAN GROUND ccb -07 -20120123-DSC_882707– Vídeo de Catarina Mourão, projecção do registo das conversas de três mesas redondas onde se discute a cidade a partir dos temas propostos, bem como dos desenhos produzidos pelos oradores durante esses debates;

– Mapa de Lisboa sobre “os espaços entre” registo síntese da cidade em 2012;

– Fotografias de Duarte Belo, que representam e sintetizam a complexidade envolvida do desenho da cidade e, simultaneamente, afirmam Lisboa como uma metrópole plurissignificante no contexto de uma cultura urbana europeia;

– Testemunho sobre a cidade através de uma selecção de textos de Antonio Tabucchi ditos pelo actor italiano Marco Baliani.

13 LISBON URBAN GROUND ccb -04 -20120123-DSC_879504

 

 

16 nuno portas17 nuno portas SerUrbanoCCB_Interior   Por fim, neste mesmo dia encerra igualmente na Garagem Sul do CCB a exposição “O Ser Urbano – Nos Caminhos de Nuno Portas” cuja curadoria coube ao arquitecto Nuno Grande.

   Esta mostra abrange cerca de 50 anos do percurso profissional de Nuno Portas (Vila Viçosa, 1934 -), descrito como “ personalidade multíplice e heterodoxa que atravessou momentos fulcrais da cultura portuguesa, produzindo obras de referência – no âmbito da crítica cultural, da investigação, da arquitectura, do urbanismo, das políticas da habitação e da cidade −, as quais indexam as últimas décadas da nossa história recente”.

18 nuno portas 1

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sexta aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply