TEATRO MUNICIPAL JOAQUIM BENITE

logo

COMPANHIA DE TEATRO DE ALMADA 

 Boletim # 225 * 19-03-2013


CONCERTO DE NORBERTO LOBO EM ALMADA

Norberto Lobo apresenta-se, pela primeira vez em Almada, no próximo Sábado dia 23 de Março, às 21h30, na Sala Principal do Teatro Municipal Joaquim Benite.

Autodidacta e inovador, virtuoso da guitarra, considerado por muitos como o legítimo herdeiro da tradição musical de Carlos Paredes, Norberto Lobo interpretará uma selecção de temas do seu já vasto repertório.

Norberto Lobo, talentoso guitarrista e compositor, soube criar uma linguagem própria e original, que bebe tanto da tradição portuguesa de Carlos Paredes como de John Fahey e de Takoma. No seu já substancial corpo de trabalho, que alia elementos musicais da tradição popular portuguesa a traços marcadamente modernos, podem escutar-se sons da Índia, do Brasil e do jazz, numa síntese contemporânea e inovadora.

Destacam-se, na sua discografia, Fala Mansa (2011), que mereceu, em 2011, o primeiro lugar no Top de melhores discos nacionais da revista BLITZ, a qual o elegeu, ainda em 2011, como uma das figuras do ano; e Mel Azul (2012), o seu último álbum, eleito como disco do ano pela revista Time Out em 2012 e recentemente nomeado pela Impala, associação representativa de mais de quatro mil pequenas e médias editoras independentes europeias, para o prémio de melhor álbum independente europeu de 2012.

BIOGRAFIA

Nascido em Lisboa em 1982, e considerado já por muitos como uma das principais figuras da música portuguesa deste início de século, Norberto Lobo edificou o seu trajecto através de uma aprendizagem riquíssima e independente. Autodidacta, Norberto Lobo é versado em várias guitarras, tendo dedicado particular atenção, nos últimos anos, às guitarras acústica e eléctrica, e, mais recentemente, à tambura.

Ao longo dos anos, em Portugal, tem colaborado com artistas como os München, Chullage e Lula Pena, para além de ser co-fundador dos projectos Norman, Colectivo Páscoa e Tigrala. Partilhou palcos e digressões com variadíssimos músicos internacionais, tais como Lhasa de Sela, Devendra Banhart, Larkin Grimm, Naná Vasconcelos e Rhys Chatham. Destas, destacam-se as aparições ao vivo no célebre Café Oto, em Londres, na Fundação Calouste Gulbenkian de Londres, e diversas tours na Escandinávia, onde se lhe conhece um culto assinalável. A nível nacional, tem feito concertos por todo o País, e sido acolhido pelo público com entusiasmo.

A sua discografia a título individual é feita das edições de Mudar de Bina (Bor Land, 2007), Pata Lenta (Mbari, 2009), Fala Mansa (Mbari, 2011) e Mel Azul (Mbari, 2012), discos aclamados de forma practicamente unânime pelo jornalismo nacional da área da música.

COLABORAÇÕES E PROJECTOS

Norberto Lobo é co-fundador do projecto Tigrala, (com quem fez uma tournée nacional em 2010), com Guilherme Canhão (também parte do duo guitarra-bateria Losbter) e Ian Carlo Mendoza (vibrafone, percussão, objectos vários). Paralelamente, colabora com o baterista João Lobo, com quem toca há vários anos na banda Norman, e com quem se apresentou ao vivo no Teatro Maria Matos e Centro Cultural Vila Flor em duas datas especiais.

DISCOGRAFIA

Mudar de Bina (Bor Land, 2007), o primeiro álbum de Norberto Lobo, surpreendeu pela sua maturidade, virtuosismo e carácter inovador. Intitulado a partir do original Mudar de Vida, de Carlos Paredes, consiste numa montagem de gravações variadas e temas em estúdio, tendo sido calorosamente aclamado pela crítica e pelo público.

Pata Lenta (Mbari, 2009), o seu segundo álbum, gravado nos estúdios Golden Pony e masterizado por Tó Pinheiro da Silva, é testemunho da sua evolução técnica e enorme talento composicional. Editado pela Mbari em 2009 (que edita também B Fachada, Ricardo Rocha e Lula Pena, entre outros) foi o seu álbum de consagração.

Fala Mansa (Mbari, 2011), o terceiro álbum de Norberto Lobo, foi editado em 2011 e rapidamente se tornou alvo de entusiasmo por parte da crítica especializada – entusiasmo que culminou com a atribuição do primeiro lugar no Top de melhores discos nacionais para a revista BLITZ – assim como de afecto e interesse por parte do público.

Mel Azul (Mbari, 2012), aclamado de forma practicamente unânime pelo jornalismo nacional da área da música, foi eleito disco do ano pela revista Time Out, e caracterizado como “um lote de canções magníficas, uma síntese mágica de estilos e sons”.

LINKS

Mudar de Bina | YouTube
Pata Lenta | YouTube
Fala Mansa | YouTube
Mel Azul | YouTube

Leave a Reply