Pentacórdio para Sexta-feira 22 de Março

por Rui Oliveira

 

 

    Nesta Sexta-feira, 22 de Março os polos de interesse centram-se predominantemente no Centro Cultural de Belém onde ocorrem dois eventos distintos mas com interesse, dependendo do gosto do leitor.

 

   Ao Grande Auditório, às 21h, vem o pianista e compositor italiano Ludovico Einaudi apresentar o seu novo álbum In a Time Lapse, editado já em 2013. Em palco, a acompanhá-lo, estará o seu Ludovico Einaudi Ensemble composto por piano, cordas várias, percussão e electrónica live.

Ludovico_Einaudi_matthias-leitzke-600x400 - Copy   São eles : Ludovico Einaudi piano, Rita Mascagna violino, Federico Mecozzi violino, Mauro Durante violino, Caterina Boldrini violino, Laura Riccardi viola, Svetlana Fomina viola, Marco Decimo violoncelo, Redi Hasa violoncelo, Alberto Fabris Live electronics / synth bass e Francesco Arcuri guitarra clássica, kalimba, metalofone, steel drum.

   Acrescenta o CCB que «os últimos anos do pianista e compositor foram triunfais, com uma carreira cada vez mais solidificada em Inglaterra, onde a sua música esgotou salas – gravou inclusivamente no Royal Albert Hall – e este ano, recolheu justos aplausos pela utilização da sua música no filme “The Untouchables” (Amigos improváveis),… que confirma a vocação extrema que a música do compositor italiano revela para os ecrãs. O subtil pianismo de Einaudi também diz muito ao público português (que pôde vê-lo com o seu sexteto e aplaudi-lo ao lado de Rodrigo Leão)… (pois) o seu tocar extremamente emotivo traduz em notas a calma e a contemplação …»

   Foi o próprio Ludovico Einaudi quem, em 19 de Janeiro e antes da vinda a público do CD, filmou para o YouTube estes trechos da sua última composição :

 

 

 

 

FadoNoCais   Também no Centro Cultural de Belém, mas no Pequeno Auditório, se realiza a 2ª sessão do ciclo Há Fado no Cais que, como já referimos, foi objecto de um protocolo de colaboração e de co-produção celebrado entre a Fundação CCB e o Museu do Fado − atendendo ao facto de “o fado ter vindo a adquirir uma dimensão cada vez mais importante na vida cultural portuguesa e ter alcançado uma crescente projecção internacional, culminando na sua integração no elenco do património imaterial da Humanidade, decidida em 2011, pela UNESCO”.gisela joão - Copy

   A artista em palco é Gisela João, uma jovem fadista, nascida em Barcelos, que se vem afirmando como um dos nomes mais sólidos da nova geração de cantores do Fado de Lisboa.

«Na sua voz, de timbre muito característico, (diz o CCB) Gisela João consegue realizar o encontro de uma autenticidade artística muito pessoal com as propostas inovadoras da sua maneira de interpretar o fado».

   Mostramos aqui uma sua interpretação do fado Meu Amigo está Longe, letra de Ary dos Santos, música de Alain Oulman ; juntamos-lhe um tema mais popular, igualmente bem cantado, Antigamente, possível de ouvir aqui : http://youtu.be/Sb66i2Zooaw

 

 

 

wilde

   No teatro, a Culturgest  traz-nos, nesta Sexta-feira, 22 de Março (e também no Sábado 23), ao Palco do seu Grande Auditório, às 21h30, “Wilde” e avisa de imediato :

« Wilde parte do universo de Oscar Wilde. E da sua peça O Leque de Lady Windermere.

   Wilde é uma cocriação da mala voadora e de Miguel Pereira.

   Wilde talvez comece como teatro e acabe como dança. Ou talvez comece como dança e termine como teatro. Ou as duas coisas. Ou nenhuma delas.

   Wilde é um espetáculo com texto e sem texto – apolítico, convencional, elegante, radical e político. E selvagem.

   Wilde tem uma mensagem, entretém, aborrece, desilude, entusiasma e não quer dizer nada.

   Ou não »

   Cabendo a direcção a Jorge Andrade e Miguel Pereira, tem como intérpretes Carla Bolito, Joana Bárcia, Nuno Lucas, Tiago Barbosa e Valentina Parlato, sendo a cenografia e figurinos de José Capela, o desenho de luz de Daniel Worm d’Assumpção e a sonoplastia de Jari Marjamäki.

 

 

   Ainda ligado às artes cénicas, chamamos a atenção para duas iniciativas interessantes pela sua originalidade, curiosamente ambas ligadas a institutos culturais estrangeiros.

 

 

   No Auditório do Goethe-Institut de Portugal (Campo dos Mártires da Pátria, nº 37) tem início na Sexta-feira, 22 de Março (com conclusão na Segunda 25), com entrada livre, “MUDA!  Encontro Internacional de Teatro do Oprimido”.

   (ver programa completo em http://www.goethe.de/ins/pt/lis/ver/pt10592285v.htm)

10592314-STANDARD   Trata-se do quinto encontro entre experientes praticantes de Teatro do Oprimido da Alemanha (Kuringa), Croácia (Pula Forum Festival), França, Escócia (Active Enquiry), Espanha (Pallapupas), Itália (Krila) e Portugal (GTO LX), num projecto financiado pela União Europeia  que tem como objectivo qualificar os participantes no método do Teatro do Oprimido através da experimentação prática ao longo de dois anos, de forma a fortalecer o trabalho de base que visa a transformação da realidade através da formação e do intercâmbio entre grupos comunitários. 

   Este encontro pretende partilhar com o público a experiência de que o trabalho artístico tem um impacto e um papel fundamental na construção de uma sociedade mais justa para todos, onde cidadão e cidadã estejam conscientes do seu papel na elaboração de estratégias colectivas de mudança.

 

 

   Por outro lado, integrado na Festa da Francofonia patrocinada pela Embaixada de França e o Instituto Français, os “Artistas Unidos”  lêem no seu Teatro da Politécnica na Sexta-feira, 22 de Março, às 19h, as diversas peças de “O Sangue das Promessas” do dramaturgo libanês, canadiano, francês, Wajdi Mouawad (n. 1968), através das vozes de Catarina Wallenstein, Elmano Sancho, João Vaz, Marc Xavier, Isabel Muñoz Cardoso e Jorge Silva Melo (em francês e português).wajdi_leituras_1

   Segundo informam sobre este autor símbolo “(d)este nosso final de século, a sua literatura heterodoxa, inesgotável (uma quinzena de peças, vários romances, filmes, adaptações, mais de trinta encenações, interpretações em espectáculos de outros) vem cheia de sangue, poeira e ruínas. E tem vindo a abalar os teatros europeus, onde, ano após ano, lhe são atribuídos os prémios mais importantes…” E acrescentam “ainda inédito entre nós, é com orgulho que os Artistas Unidos publicam, em traduções de Manuela Torres, as quatro peças do seu “O Sangue das Promessas” (1999-2009): Litoral, Incêndios, Florestas, Céus, obra maior pela que havemos de ser lembrados”.

 

 

 

   Por último, para os amantes de jazz, duas adendas e uma NOTÍCIA EM ATRASO.

 

   Como adenda, informa-se que aqueles que não possam ouvir hoje (Quarta-feira, 20) o Concerto Antena 2 que noticiámos ter lugar às 19h no Auditório da Escola Secundária Camões (o antigo Liceu de Camões) onde actuarão os “L.A. New Mainstream”, um agrupamento formado por Lars Arens (trombone), Desidério Lázaro (saxofone tenor), André Santos (guitarra), Daniel Bernardes (piano), António Quintino (contrabaixo) e Joel Silva (bateria), poderão sempre deslocar-se quer Quinta-feira 21, quer Sexta-feira, 22 de Março, às 22h30, ao Hot Clube de Portugal onde aquele conjunto tocará pela noite dentro.

 

 

Nana Sousa Dias

   Como outros acrescentos, um deles em atraso, damos notícia que amanhã, 21 de Março (Quinta-feira) toca no Onda Jazz, às 22h30, Nana Sousa Dias (saxofone tenor, barítono e soprano), constituindo quarteto com Alexandre Diniz  (piano e teclados), Nuno Oliveira  (contrabaixo e baixo eléctrico) e Alexandre Alves  (bateria), recentemente formado (2013) que se propõe apresentar “um reportório baseado em temas originais e alguns standards dentro da linha da Fusão e Jazz Funk”.

   Sendo recente a formação, resta-nos lembrar as origens de Nana Sousa Dias (para o leitor eventualmente cotejar…) através deste tema do LP de 1988 “Aqui tudo bem” :

  

 

   Para acabar, saiba-se que o Onda Jazz, no dia seguinte Sexta-feira, 22 de Março, às 22h30 habituais, trará ao seu espaço uma novidade, “Nicole Eitner and the Citizens”.nicole eitner - Copy

   A cantora, pianista e compositora alemã (a viver em Portugal) Nicole Eitner que se apresenta aqui ao vivo com Miguel Menezes no contrabaixo e Alexandre Frazão na bateria, já partilhou o palco com Suzanne Vega e Joan as Police Woman, tendo vencido em 2012 o Midem Off Showcase Competition em Cannes e ganho dois prémios (EUA e UK) com a sua música “Witness of your life” do seu mais recente álbum “I am You”, já editado em Portugal. nicole eitner I was you

   Nicole (garante o Onda Jazz) “afirma uma profunda originalidade que lhe permite usar as influências díspares de gente como Ella Fitzgerald, Kate Bush, Elizabeth Fraser, Radiohead ou Depêche Mode para criar um som profundamente original e carregado de personalidade, um som onde os seus dotes no piano sobressaem, ajudando a moldar canções de um romantismo confessional desarmante”.

   Este é o registo duma gravação ao vivo de Nicole Eitner (com Alexandre Frazão e Miguel Menezes) tocando “One Hundred Per Cent” do álbum “I am You” :

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Quarta aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply