Pentacórdio para Quinta-feira, 11 de Abril

por Rui Oliveira

 

 

 ng1404062

uri_cainesoprano ana maria pinto   Na Quinta-feira, 11 de Abril o destaque como evento mais interessante vai, a nosso ver, para o concerto que ocorre às 21h no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian (com repetição na Sexta-feira, 12  às 19h) onde a Orquestra Gulbenkian dirigida pela maestrina Joana Carneiro (à dir. em baixo), acompanhada na primeira peça pela soprano Ana Maria Pinto (à dir.) e na segunda pelo pianista Uri Caine (à esq.), irá tocar um programa original que compreende de :

 

      Andreia Pinto-Correia    Elegia a Al-Mu’tamid

                                                  Alfama *

                                                  Xántara

      Ludwig van Beethoven  The Diabelli Variations para orquestra de câmara e piano improvisado (arr. Uri Caine) 

*Estreia europeia. Encomenda da Berkeley Symphony Orchestra e da Fundação Calouste Gulbenkian

 

   Sobre o programa, há a acrescentar que :joana carneiro

andrea   “Alfama” completa um tríptico da compositora Andreia Pinto-Correia (à esq.), cujos outros elementos são “Elegia a Al-Mu’Tamid “ (estreada em Outubro 2011 no Carnegie Hall de Nova Iorque) e “Xántara”, uma peça inspirada em Sintra e, como tal, “misteriosa, elegante, mágica” (segundo a publicação multimedia New Music Box).

    Na segunda parte do concerto intervem, regressando à Gulbenkian, o pianista nova-iorquino de jazz Uri Caine, que explora com regularidade o mundo de compositores como Mozart, Mahler ou Wagner e desta vez reinterpreta as Variações Diabelli de Beethoven para as quais criou uma versão orquestral.

 

   Esta mesma experimentação já Uri Caine fizera com a “Orchestra della Toscana” no Teatro Verdi de Florença em Março de 2009, como se pode ver e ouvir aqui :

 

 

 

 

 

   Também na Quinta-feira, 11 de Abril, às 19h, o Goethe-Institut organiza no seu Auditório um concerto “Telemann e a música das Nações” de entrada livre para o que convidou a Orquestra”Divino Sospiro” sob a direcção musical de Massimo Mazzeo.

 Telemann_4_square200  Invocando a “Europa (ser) uma entidade geográfica, histórica e social que integra grandes e múltiplas diferenças na constituição da sua específica e inigualável riqueza… e (haver) uma identidade comum que se centra na cultura desta «pátria europeia», na sua relação com o próprio passado, assim como na grandeza do pensamento e das artes … (a que) o “código” da linguagem da música clássica, “falada” em todas as cortes europeias, desde Lisboa a Berlim …  deu unidade, muito antes da política,… decidiu apresentar a música alemã do compositor Georg Philipp Telemann pela sua peculiaridade de reunir em si as mais importantes vertentes composicionais e intelectuais das várias escolas europeias, e dois compositores italianos, nomeadamente Vivaldi e Leonardo Leo.

   O repertório do concerto “Telemann e a música das Nações” inclui de :

 

      Georg Philipp Telemann (1681-1767) Ouverture in Lá menor para flauta, cordas e baixo contínuo  TWV 55: a2  (com diversas partes Le Plaisirs,L’Air à l’Italien, Rejouissance, Polonoise)

      Leonardo Leo (1694 – 1744) Concerto para 4 violinos (4 and.s Maestoso, Fuga, Larghetto, Allegro)

      Antonio Vivaldi (1678 – 1741) Concerto para dois violinos, dois violoncelos, cordas e bc in Sol maior  RV 575 (3 and.s Allegro, Largo, Allegro)

      Georg Philipp Telemann  Suite “Don Quixote” in Sol maior para cordas e baixo contínuo TWV 55: G10 (algumas partes:  2. Ouverture; 4. The Awakening of Don Quixotte; 6. His Attack on the Windmills; 8. His Amorous Sighs for Princesse Dulcinea; 10. Sancho Panza Mocked; 12. The Gallop of Rosinante. The Gallop of Sancho Panza’s Mule;  14. Don Quixotte at Rest)

 

76   Estarão presentes do “Divino Sospiro” : Fernando Paz  flauta de bisel, Marcin Swiatkievitcz cravo, Lorenzo Colitto, Elisa Bestetti, Leonor de Lera, Linda Priebbenow, Paolo Perrone, Reyes Gallardo, Matilde Pais, Álvaro Pinto, violinos, Massimo Mazzeo, Miriam Macaia, violas, Diana Vinagre, Ana Raquel Pinheiro, violoncelos, Marta Vicente contrabaixo, Pietro Prosser alaúde.

 

   Não há registo destas peças pelo “Divino Sospiro”. Procurando encontram-se interpretações da Suite D.Quixotte de Telmann por agrupamentos equivalentes como a “Orquesta Filarmonia” (dir. Pascal Osa) de Madrid, gravada em Março de 2011 aqui : http://youtu.be/W9ZEOgf70lk  ou uma interpretação mais recente da “Smolensk Chamber Orchestra” (dir. Yuri Sobolev) na Rússia em Fevereiro de 2012, a escutar aqui :

 

 

   Do Concerto RV 575 de Vivaldi mostramos-lhe os dois primeiros andamentos Allegro e Largo pelo conjunto “Tafelmusik” (dir. Jeanne Lamon) com Anner Bylsma (violoncelo). Ouça o restante andamento Allegro aqui : http://youtu.be/LOPh0YFB6sU

 

 

 

 4527083

Parkinson's disease   Como o 11 de Abril (Quinta-feira) é o “Dia Mundial do Doente de Parkinson”, a Associação Portuguesa de Doentes de Parkinson (APDPk) promove um recital de piano com a solista internacional Anne Kaasa, no Auditório da Culturgest, pelas 15 horas, com entrada livre, desconhecendo-se ainda o programa do concerto.anne kaasa

   Após o concerto, a APDPk promove também, nesse Auditório, uma palestra com o neurologista Miguel Coelho, que abordará os principais aspectos da doença de Parkinson e formas da sua prevenção.

   Este dia de comemoração corresponde à data de nascimento de James Parkinson, o médico inglês que, em 1817, identificou e descreveu os sintomas da doença que viria a receber o seu nome, hoje a segunda doença neurodegenerativa mais comum, atingindo mais de uma em cada mil pessoas na Europa, o que corresponde, em Portugal, a cerca de 20 mil portugueses.

 

 

DIGITAL CAMERA 

   Na Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves (Avenida 5 de Outubro, nº 6-8) inicia-se nesta Quinta-feira, 11 de Abril, sempre às 19h, um Ciclo de Recitais de Cravo de entrada livre pelo conhecido cravista português José Carlos Araújo.

josé carlos araújo, cravo   Neste 1º recital abordará “Música portuguesa para tecla (sécs. XVI-XVIII)”, a que se seguirá a 18 Abril (5.ª feira) “J. S. Bach, Suites Francesas (1722-1725), a 25 Abril (5.ª feira)  “J. S. Bach, Couperin, Forqueray: Pièces de Clavecin”, a 2 Maio (5.ª feira):  “J. S. Bach, Partitas I, II, IV (Clavier Übung I, 1731)”, a 4 Maio (Sábado):  “J. S. Bach, Partitas III, V, VI (Clavier Übung I, 1731)”, a 9 Maio (5.ª feira):  “J. S. Bach, Suites Inglesas (ca. 1718)” e a 16 Maio (5.ª feira):  “Carlos Seixas: Sonatas para cravo”.

   Não sabemos se esta é uma das peças escolhidas, a ária ‘Lascia ch’io Pianga’ (da ópera ‘Rinaldo’, HWV 7) de George Frideric  Händel (1685-1759) mas corresponde ao período do concerto, aqui tocada por José Carlos Araújo :

 

 

 

onada

ana-rita-barata1   Ainda integrado nos Encontros Internacionais de Inclusão pela Arte – INARTE, representa-se na Sala Principal do São Luiz Teatro Municipal, às 21h desta Quinta-feira, 11 de Abril (e também na Sexta, 12), “O Nada”, pela CIM Companhia Integrada Multidisciplinar, com direcção artística e dramaturgia de Ana Rita Barata (foto) e Pedro Sena Nunes.

   São intérpretes Alena Dittrichová, António Cabrita, Adelaide Oliveira, Jorge Granadas, Maria João Pereira e Rosinda Costa.OAqui_InArte10@ClaudioFerreira_6_72dpi

   “O Nada” encerra a trilogia que assume como tema estruturante de ligação “o Tempo”, iniciada com “O Aqui” (à esq.) e adensada por “O Depois” (à dir.), o primeiro espectáculo de dança áudio-descrito em Portugal, representado também no São Luiz em Dezembro de 2010.InArte_ODepois@ClaudioFerreira15_200dpi

   Diz o programa que « O Nada tem como ponto de partida o silêncio e o eco de um sonho. Apresenta o corpo como uma câmara de observação e projecta a leveza e a contradição tratadas nos temas da natureza humana. Magma de imagens e sons na procura incessante da criatividade mais fecunda. Uma peça sobre os subterrâneos nas alturas, que assenta leve sobre sólidas fundações ».

   Pode ter-se uma ideia neste vídeo :

 

 

 

cartaz éter   Ainda no teatro, informa-se que irá terminar no próximo Domingo, 14 a exibição da peça “Éter” em cena no Teatro Turim (Estrada de Benfica, nº 723 A) de Quinta a Sábado, às 21h30 (Domingo às 17h).

eter-300x180   Com texto original de Cátia Terrinca e Ricardo Boléo, esta produção de UmColectivo é interpretada por Cátia Terrinca e Miguel Rebelo, com voz off de Ricardo Boléo e imagem de Sara Vicente.

   Diz o texto do programa que « Éter constrói-se sob o signo da espera: das palavras de uma actriz e um dramaturgo nasce um texto que reflecte sobre as paisagens e desencontros onde esperamos, porque esperamos, com quem esperamos. Esboça-se uma pátria do amanhã e das esperanças num diálogo íntimo com a lenda de D. Sebastião e a poesia de Fernando Pessoa. Éter faz uma releitura do mito e coloca questões seculares portuguesas na contemporaneidade. Seremos nós aqueles por quem esperamos ? ».

 

 

 

   Por último, no campo do jazz, no Hot Clube (Praça da Alegria, nº 48) é apresentado às 22h30 da mesma Quinta-feira, 11 de Abril, bem como da Sexta 12 e do Sábado 13, o novo projecto “Clepsydra” do jóvem saxofonista tenor José Pedro Coelho.

   Actuará ali com Miguel Moreira (guitarra), Hugo Raro (piano), Demian Cabaud (contrabaixo) e Marcos Cavaleiro (bateria), músicos com quem tem divulgado pelo país este espectáculo como em Janeiro último no Teatro Avenida de Castelo Branco :

 

 

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Terça aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply