Pentacórdio para Sexta-feira, 19 de Abril

por Rui Oliveira

 

 

 

                  dias da músicaccb

   A Sexta-feira 19 de Abril corresponde ao início dos “Dias da Música em Belém” e esse é seguramente motivo para o destaque do dia.

dias da música 4   Sediado no Centro Cultural de Belém e planeado para durar até 21 de Abril, o festival nesta sua 7ª edição escolheu como tema “O Impulso Romântico” e explica-o desta forma :

   «Na viragem para o século XIX, emerge uma nova sensibilidade, que vai marcar decisivamente os cem anos seguintes. A exaltação do indivíduo e da subjectividade, a redescoberta da cultura medieval por contraposição aos mitos greco-romanos que tinham modelado a cultura renascentista, a libertação dos sentimentos e a apologia das paixões por contraposição à ditadura da razão, são o terreno explorado pelos românticos. A ironia e a melancolia são figuras deste estado de dúvida e de anseio, de crítica distanciada da sociedade e de sonho de qualquer coisa de novo … O “impulso romântico” é, em primeiro lugar, esse ímpeto em direcção a uma cultura da libertação, que politicamente encontrara a sua justificação na Revolução Francesa de 1789. Mas, com o tempo, e muito por força do impacte do romantismo sobre a cultura oitocentista, a expressão ganhou um outro sentido, que se prolonga até aos dias de hoje, restringindo-se cada vez mais ao plano afectivo: é romântico o enamorado, o apaixonado, o sonhador, o utopista».dias da música 1

   O festival “Dias da Música em Belém” aborda o impulso romântico nestas duas vertentes: a histórico-musical e a popular. De Beethoven a Rachmaninov, de Chopin a John Lennon, de Berlioz à chanson d’amour francesa, propõe-se um itinerário musical que nos mergulha nas raízes do Romantismo e detecta a persistência do sentimento romântico, erudito ou vulgar, até aos nossos dias.

       

cesário costa,ana maria pinto,daniela lehner,david danholt,wojtek gierlach

   O Concerto de Abertura desta Sexta-feira, 19 de Abril tem lugar no Grande Auditório do Centro Cultural de Belém, às 21h, e nele será interpretada a “Missa Solemnis” para solistas, coro e orquestra em Ré Maior, op. 123 de Ludwig van Beethoven.

   Serão executantes a Orquestra Sinfónica Metropolitana de Lisboa, o Coro Lisboa Cantat (dir. Jorge Alves) e o Ensemble Vocal de Freamunde (dir. Sílvio Cortez), sob a direcção musical de Cesário Costa, tendo como intérpretes vocais  Ana Maria Pinto soprano, Daniela Lehner meio-soprano, David Danholt tenor e Wojtek Gierlach baixo (as 5 imagens acima).

   Não há registo gravado desta peça por estes intervenientes. Optámos por lhe fazer ouvir a gravação integral desta Missa pelos agrupamentos La Chapelle Royale, o Collegium Vocal Gent e a Orchestre des Champs-Élysées dirigidos por Philippe Herreweghe com Rosa Mannion soprano, Birgit Remmert contralto, James Taylor tenor e Cornelius Hauptmann baixo.

 

   O programa compreende, entretanto, cerca de 60 concertos, contando com interpretações dias da música 2de vários músicos e agrupamentos, sendo de destacar a Orquestra Sinfónica Portuguesa e o Coro do Teatro Nacional de São Carlos, o Coro e Orquestra Gulbenkian, a Orquestra Metropolitana de Lisboa, La Venexiana, o Coro Sinfónico Lisboa Cantat, Huelgas Ensemble, Mahler Ensemble, Os Músicos do Tejo, a Orquestra de Câmara Portuguesa, Ensemble Alma Mater, a Banda Sinfónica da GNR, Ensemble Mediterrain, Quarteto Prazak, Schostakovich Ensemble, dias da música 3Quarteto Lopes-Graça, Quarteto de Cordas de Matosinhos, Velit Quartett, Ensemble Darcos, Artur Pizarro, Jill Lawson, Philippe Graffin, Marc Coppey, Huseyin Sermet, Alexei Volodin, Miguel Borges Coelho, Marta Zabaleta, Pedro Burmester, Alexei Eremine, Nuno Vieira de Almeida, João Paulo Santos, Anabela Chaves, Tamila Kharambura, Jorge Moyano, Gérard Caussé, Samuel James, Aldina Duarte, Maria Ana Bobone, entre muitos outros.

   ( para consultar a grelha dos espectáculos, ver em : http://www.ccb.pt/sites/ccb/pt-PT/Programacao/DiasdaMusica2013/Espaco%20Musica%20Livre/Documents/pgDesdobrávelDiasMúsica2.pdf )

 

 

                         0 doente imaginário_146790616350f7e53e6a0f3teatro dona maria II 

   No campo teatral, o destaque irá para a estreia na Sala Garrett do Teatro Nacional Dª Maria II, às 21h, da peça de Molière “O Doente Imaginário” em tradução de Alexandra Moreira da Silva, numa co-produção do Ensemble – Sociedade de Actores com T.N.São João (Porto).    Com encenação de Rogério de Carvalho, são seus actores Jorge Pinto, Emília Silvestre, António Durães, Clara Nogueira, Fernando Moreira, João Castro, Vânia Mendes, Miguel Eloy, António Parra, Ivo Luz e Marta Dias, com cenografia de Pedro Tudela, figurinos de Bernardo Monteiro  e música de Ricardo Pinto.o doente imag

   Permanece em palco até 28 de Abril só às Sextas, Sábados e Domingos (aqui às 16h).

   No folheto de sala elucida-se : «…  Quando Molière escreveu “O Doente imaginário” sabia que estava gravemente doente. Interpretava Argão (um falso doente de uma vitalidade incrível) e disfarçavao_doente_imaginario com esgares risíveis a dor das suas convulsões, quando sucumbiu ao quarto dia de apresentações – é com a sua própria doença e com a morte que o autor brinca e nos faz rir. A morte está sempre a entrar em cena: rimo-nos da falsa morte de Luisinha para escapar ao castigo, das juras de suicídio de Angélica e Cleanto se forem separados e da hilariante tramoia de Tonieta, aconselhando Argão a fingir-se de morto para conhecer os verdadeiros sentimentos da mulher e da filha. Mas, na verdade, esta é uma comédia sombria que assenta numa lúcida reflexão sobre o medo da morte – e é nessa verdade mais profunda que nos queremos ancorar. É a tragédia e não a comédia que nos interessa revelar… para, enfim, nos rirmos, como Molière, das estúpidas permanências do comportamento humano

   Este é um excerto da peça quando representada no TNSJ :

 

 

 

11128_10151459868993393_1455676314_n

   Também na Sexta-feira, 19 de Abril (e ainda no Sábado 20) se apresenta na Sala Principal do Maria Matos Teatro Municipal, às 21h30, “Julia”, uma adaptação que a encenadora brasileira Christiane Jatahy fez de “Menina Júlia” de August Strindberg  e que recebeu o Prémio Shell 2012 para Melhor Encenação.Christiane Jatahy cartaz11866

   Em Julia, Christiane Jatahy leva a cabo um trabalho de actualização de um texto clássico, abordando questões sociais e políticas do Brasil contemporâneo. A relação entre as duas personagens centrais é pautada por um jogo de poder que reflecte a realidade do país, exposta habilmente através da presença permanente da câmara e da tensão que esta cria. Com cenas pré-filmadas e cenas filmadas ao vivo, o filme é construído na presença do público em cada dia, criando uma fricção permanente entre teatro e cinema, entre o que pode ser visto pela presença real dos actores e o que só pode serchristiane_jatahy__julia-300x180 entrevisto no enquadramento dos planos cinematográficos.

   Sob a direcção de Christiane Jatahy, interpretam Julia Bernat e Rodrigo dos Santos com a participação no filme de Tatiana Tiburcio. A concepção do cenário é de Christiane Jatahy e Marcelo Lipiani, a fotografia e câmara ao vivo de David Pacheco, os figurinos de Angele Fróes e a música de Rodrigo Marçal.

   Eis alguns excertos da peça quando representada no Brasil :

 

 

 

imgs_site_785x247_16__1363950269 

Cia Deborah Colker   Um outro destaque importante desta Sexta-feira, 19 de Abril é, integrado na Mostra de Dança do Brasil 2013 do “Ano do Brasil em Portugal”, o regresso a Portugal para apresentação do seu novo espectáculo de dança “Tatyana” da Companhia Deborah Colker na Sala Principal do São Luiz Teatro Municipal, às 21h, onde actuará também Sábado 20 (21h) e Domingo 21 (17h30).

   Deborah Colker foi buscar inspiração para seu novo espectáculo num grande clássico da literatura russa e universal, “Evguêni Oniéguin”, romance em versos publicado em 1832 por Aleksandr Púchkin (1799-1837).

tatyana-deborah-colker_f_002   Em dois actos, a sua Companhia de Dança leva ao palco o próprio Púchkin, interagindo com as acções, desejos, pensamentos e transformações psicológicas dos quatro protagonistas de sua obra-prima, as irmãs Tatyana e Olga e Onegin e Lenski, dois amigos que se irão confrontar em duelo por ciúmes, resultando na morte do último. Cada uma das personagens desdobra-se em quatro bailarinos, à excepção de Pushkin e a música de compositores como Rachmaninov, Tchaikovsky, Stravinsky e Prokofiev embala essa jornada atemporal ao âmago de uma história de duelos, desencontros, paixões e decepções.

   Este vídeo mostra aspectos vários da sua coreografia :

 

 

 

 

   No restante quadro musical do dia, lembra-se que esta Sexta-feira, 19 de Abril é mais uma generosa noite de entrada livre no Grande Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian onde, às 21h30, sonate à Kreutzeros Solistas da Orquestra Gulbenkian Pedro Meireles violino, Oleguer Beltran-Pallarés violino, Samuel Barsegian viola, Lu Zheng viola, Varoujan Bartikan violoncelo, Levon Mouradian violoncelo e Manuel Rêgo contrabaixo irão interpretar de :

 

      Wolfgang Amadeus Mozart  Sinfonia Concertante K. 364 (transcrição para septeto de cordas)

      Ludwig van Beethoven  Sonata para Violino e Piano nº 9, op. 47, Kreutzer (transcrição para quinteto de cordas)

 

 

   Já para os amadores de jazz, estreia-se no Hot Clube de Portugal às 22h30, actuando nesta Sexta 19 de Abril mas também no Sábado 20 e no Domingo 21, o colectivo franco-belga  Mâäk Quintet constituído por Laurent Blondiau (trompete), Guillaume Orti (saxofone alto), Jeroen Van Herzeele (saxofone tenor), Michel Massot (tuba) e João Lobo (bateria).maak quintet

   Dizem os próprios serem «músicos que trabalham uma improvisação baseada numa perspectiva que combina elementos construtivos fundamentais : forma, duração, interacção, textura, dinâmica, pulsação, silêncio, contraste, contenção, sentimento, fricção … e também pela negação possível de todos eles … Constatamos que todos os nossos trajectos são diferentes e é a partir das tensões que derivam desses contrastes que construimos um caminho conjunto. Dessa forma podemos, no fim da jornada, propor ao público uma outra visão e outro sentimento face ao conceito de um concerto».

   Eis uma sua actuação conjunta recente com o grupo Ryr :

 

 

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Quarta aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply