Pentacórdio para Segunda-feira, 13 de Maio

por Rui Oliveira

 

 

   Temos de novo um princípio de semana fraco, de arranque difícil, pelo que nenhum evento merece verdadeiramente um destaque.

 

   No campo do cinema há contudo uma reflexão a seguir, para lá das exibições especiais em salas fora dos circuitos comerciais.

imagemcinematografica

   Terá lugar na Culturgest, às 18h30 no seu Pequeno Auditório, com entrada gratuita (mediante levantamento prévio de senha). Trata-se de um encontro público (em inglês, sem tradução) sobre “As várias vidas da imagem cinematográfica” entre Laura Mulvey, professora no Birkbeck College (Universidade de Londres) e autora de “Death 24x a Second : Stillness and the Moving Image” (2006) e Ismail Xavier, professor da Escola de Comunicações e Artes (Universidade de São Paulo), que publicou desde “O Discurso Cinematográfico: A Opacidade e a Transparência” (1977) a “Alegorias do Subdesenvolvimento : Cinema Novo, Tropicalismo, Cinema marginal” (1993).Ismail XavierLaura_Mulvey_Fot_Mariusz_Kubik_July_24_07

   Promovido pela “Associação de Investigadores da Imagem em Movimento” e pelo “Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (Universidade de Coimbra), tentará responder  a certas questões, a partir de constatações óbvias. São elas :

   «O que mudam as novas tecnologias nos debates históricos dos estudos de cinema, na maneira como se pode pensar a identidade do cinema, a autonomia da obra cinematográfica e o estatuto do espectador? Quais as consequências destas transformações para o ensino e a investigação? Que oportunidades e que desafios se oferecem hoje aos “cinemas do mundo” e às pequenas cinematografias nacionais?».

   Pois um dado é evidente – que «… muitas vezes anunciadas, as notícias sobre a morte do cinema depois da popularização da televisão, do vídeo, e mais recentemente da Internet, parecem ter sido largamente exageradas. Ao mesmo tempo que abandona os seus espaços de exibição tradicionais e se entrega à tecnologia digital e aos dispositivos móveis, o cinema acompanha-nos agora em casa e na rua, baralhando público e privado, individual e colectivo, e misturando-se com as formas da publicidade, dos jogos de computador e da animação … Provavelmente numa versão menos “pura” do que aquela em que sempre nos habituámos a imaginá-la, a imagem cinematográfica entra numa nova etapa das suas muitas vidas …»

 

 

 

25-10-10_111957_1244468168_4   Já quanto a sessões especiais, temos no Institut Français de Portugal a continuação do Ciclo Comédias Francesas com a exibição, às 19h, do filme “Et toi, t’es sur qui?” (França, 2007) de Lola Doillon (foto), lola doilloncom Lucie Desclozeaux (Élodie), Christa Theret (Julie), Gaël Tavares (Vincent), Nocolas Schweri (Nicolas), Héloïse Etrillard (Marion) e Shomron Haddad (Alex) nos principais papéis.

   Sinopse : Élodie tem quinze anos e decide, com a sua melhor amiga Julie, uma gótica com a mesma idade, ter a sua primeira relação sexual com um rapaz. Falta apenas uma semana para as férias. As duas amigas vão confrontar-se com uma realidade que imaginavam diferente. Ao mesmo tempo, Élodie descobre como a amizade que partilha com o seu amigo Vincent se pode transformar num sentimento amoroso…

   Este é o seu filme-anúncio :

 

 

 

le-petit-soldat-michel-subor-bruno-forestier-anna-karina-veronica-dreyer

   Num tom mais sério e ficando na filmografia francesa, sugere-se ao leitor deslocar-se até à Cinemateca Nacional (até como solidariedade face aos cortes ministeriais que já impedirampetitsoldat este mês as despesas habituais de intercâmbio com cinematecas congéneres – ver Comunicado/protesto da sua Direcção) para ver às 21h30, na Sala Dr. Félix Ribeiro, a segunda longa-metragem de Jean-Luc Godard  (foto com AK) “Le Petit Soldat” (O Soldado das Sombras)Set of "Alphaville, Une Etrange Aventure de Lemmy Caution" (França, 1960, legendado em português), com Michel Subor, Anna Karina e Henri-Jacques Huet nos principais papéis.

   «Um desertor francês alista-se num grupo de extrema-direita suíço, do qual mais tarde tenta fugir por amor de uma mulher». Esta é a sinopse de um dos mais polémicos filmes de Godard, acusado à época de «fascismo» por parte da esquerda ofi cial e proibido em França durante três anos, devido às muitas alusões à Guerra da Argélia, então no auge (nomeadamente uma longa e célebre cena de tortura).

   Sempre que Anna Karina (aqui no seu primeiro encontro com Godard) entra em cena rouba toda a luz à sua volta … é o que consideram a Cinemateca e muitos dos cinéfilos.

   Mostramos-lhe o trailer oficial (logicamente em francês), mas o leitor que não possa em absoluto ir à Cinemateca tem aqui um excerto mais longo http://youtu.be/Zmm_L_NqCs0 )

 

 

 

   Por último, uma curiosidade para os interessados em etnologia :

   No Museu Nacional de Arqueologia (situado nos Jerónimos) termina nesta Segunda-feira, ETNOGRAFIA PORTUGUESA - JOSE LEITE VASCONCELOS - PENTAGRAMA - TOMAR13 de Maio, o ciclo de palestras comemorativas do seu 120º aniversário sobreFoto_Mestre_Leite “José Leite de Vasconcelos – Obras Escolhidas, Conversas Interpelantes” quando, às 18h00, a Doutora Clara Saraiva, intervier sobre a obra de fundo “Etnografia Portuguesa”.

   A sessão tem início com a actuação do Grupo Coral “Estrelas do Guadiana” – um grupo composto por alentejanos de várias proveniências, residentes em Tires (Cascais), envolvido na candidatura do “cante alentejano” a património mundial.

   Pode-se aqui ouvi-los até numa prosa “etnográfica”(numa gravação deficiente) :

 

(para as razões desta nova forma de Agenda ler aqui ; consultar a agenda de Sábado aqui)

 

 

 

 

1 Comment

Leave a Reply