A APPLE, A IMAGINAÇÃO SEM LIMITES NA FRAUDE FISCAL

 Selecção, tradução, nota introdutória e arranjo por Júlio Marques Mota e Margarida Antunes

Nota introdutória

Na Europa de Durão Barroso, de Rompuy, do cretino do Presidente do Eurogrupo cujo nome quero ignorar, na Europa de um BCE que quer salvar o Euro destruindo-o enquanto se protege agora com uma decisão recente do  Tribunal de Justiça da União Europeia para se manter  na maior das opacidades quanto às suas decisões e assim  não perturbar os mercados,  na Europa dos novos Neros situados na Alemanha, Merkel, Jens Weidmann, Wolfgang Schäuble, na Europa dos seus  leais  servidores, situados por exemplo em Portugal,  como Passos Coelho e Gaspar  que blindam a sua secretária de Estado,  Maria Luís Albuquerque, e a protegem de um inquérito que deveria ser feito  a partir da Assembleia da República  sobre os produtos tóxicos em que poderá ter participado, nesta Europa então nada do que abaixo se transcreve seria possível, pelo menos enquanto uns verdadeiros ladrões  legalmente mandatados estão ao assalto desta Europa já tanto massacrada.

Leiam o documento abaixo e se eu estiver errado, digam-me, mostrem-mo, que imediatamente pedirei publicamente desculpa pelo engano. Mas provem-me primeiro que estou enganado, provem-me que o aqui se descreve seria nesta Europa possível, agora mesmo e não no dia do nunca-mais.

Júlio Marques Mota

A fraude fiscal da Apple em Análise no Congresso Americano

Subcommittee to Examine Offshore Profit Shifting and Tax Avoidance by Apple Inc., Segunda-feira, Maio 20, 2013

 Apple - IO esquema da optimização fiscal da Apple Segundo o New York Times:

Apple - III

WASHINGTON-Apple Inc. tem usado uma teia complexa de entidades offshore – incluindo três subsidiárias estrangeiras e que , segundo as alegações da empresa,  não são residentes fiscais em nenhum  país, em lado nenhum,  – para evitar o pagamento de milhares de milhões de dólares em impostos sobre o rendimento a favor do Estado americano, segundo o que uma investigação bipartidária da subcomissão permanente do Senado americano vem agora publicamente mostrar .

A Subcomissão centra-se sobre as estratégias de uma extensa evasão organizada pela Apple numa  audiência na terça-feira.  Os testemunhos incluirão o do Presidente Executivo da  Apple Tim Cook, de outros executivos da Apple, de funcionários do Departamento do Tesouro e de especialistas externos. O senador Carl Levin, D-Mich. e o senador John McCain, R -Arizona, Presidente da Subcomissão e membro, respectivamente, também irão redigir  um memorando de 40 páginas com as conclusões e recomendações.

A Subcomissão, que já anteriormente tinha analisado a evasão fiscal praticada por outras empresas multinacionais com as suas subsidiárias offshore, encontrou práticas semelhantes na Apple. Além disso, o estudo da  Subcomissão descobriu um esquema de impostos fora do comum : a afirmação da Apple de que as suas três principais empresas offshore não são residentes fiscais da Irlanda, onde estão constituídas nem nos Estados Unidos, onde os executivos da Apple gerem e  controlam as suas empresas. Uma destas  subsidiárias irlandesas  não pagou nenhum imposto sobre os seus rendimentos a nenhuma  autoridade fiscal nacional nos últimos cinco anos.

“A Apple não estava satisfeita com a deslocação dos seus lucros para um paraíso fiscal offshore de baixa tributação ,” disse o senador Levin. “A Apple procurou o Santo Graal da  evasão fiscal. Criou entidades offshore onde detem dezenas de milhares de milhões de dólares, enquanto vai afirmando que não é residente fiscal em nenhures . Pretendemos destacar esse brutal artifício e outras tácticas de evasão fiscal offshore praticadas pela Apple para que as famílias americanas que trabalham e que pagam a sua  parte dos impostos compreendam como é que as  brechas fiscais relativamente às  entidades offshore levam a que a carga fiscal destas famílias seja por isso mesmo maior e levem ainda a um maior défice orçamental e por isso devem estas brechas legais ser eliminadas. “

“A Apple pretende ser o maior contribuinte empresarial dos EUA mas, pela dimensão e pela escala, é também entre todos os contribuintes, na  América, o que  leva a cabo a maior evasão fiscal de todos eles,” disse o senador McCain. “Uma empresa que encontrou um sucesso notável pelo aproveitamento de ingenuidade americana e das oportunidades oferecidas pela economia dos EUA não deve estar a deslocar os  seus lucros para o exterior  de modo a assim  evitar o pagamento de impostos, propositadamente, privando o povo americano das receitas  devidas. É importante compreender a estrutura bizantina da Apple quanto à tributação fiscal para que possamos efectivamente eliminar as lacunas utilizadas por muitas multinacionais dos EUA, particularmente nesta era de verdadeira captura de impostos.”

O senador McCain acrescentou: “eu defendi durante muito tempo que se modernizasse  o nosso código fiscal disperso, fragmentado  e nada competitivo  mas em que isto não pode e não deve ser uma desculpa para fechar os olhos às estratégias fiscais altamente questionáveis de grandes empresas   como a Apple que as utiliza para evitar pagar os devidos impostos na América. O lugar adequado para a maior parte da energia criativa da Apple deveria ir para seus produtos e para os seus serviços inovadores, não para o seu departamento de optimização fiscal.”

A audição  de terça-feira é a segunda em que  o Subcomitê  analisa  as estratégias de evasão fiscal das multinacionais. A audição de Setembro de 2012 explorou como é que Microsoft e a Hewlett-Packard usavam estratégias duvidosas para evitar pagar milhares de milhões em impostos nos EUA. As práticas semelhantes na Apple incluem:

– A utilização de um chamado acordo sobre partilha de custos para transferir de a propriedade de activos intelectuais valiosos para jurisdições offshore e a deslocação consequente dos lucros para uma jurisdição considerada como paraíso fiscal.

– Aproveitando-se de deficiências e lacunas no direito fiscal americano e na regulação sobre as normas  para  “ignorar”  as subsidiárias offshore para efeitos fiscais, blindando milhares de  milhões de dólares em receitas que, no caso contrário, poderiam ser tributáveis  nos Estados Unidos.

– Negociando uma taxa de imposto, de menos de 2% com o governo da Irlanda – significativamente inferior à taxa de 12% de lei neste país – e usando a Irlanda como a base para sua extensa rede de filiais offshore.

Além dessas tácticas clássicas nas multinacionais,  a Apple estabeleceu  e muito rapidamente na sua  rede de offshore uma empresa holding em offshore que considera  não ser  residente fiscal  em nenhum país. Essa filial, Apple Operations International, não tem funcionários e não tem  presença física, mas mantém os seus registros e as suas contas bancárias nos Estados Unidos e mantém as suas reuniões de Direcção  na Califórnia. Foi constituída na Irlanda, em 1980 e é propriedade  da empresa-mãe dos EUA e por esta controlada, Apple Inc. Ireland  afirma a sua jurisdição fiscal apenas sobre as  empresas geridas e controladas na Irlanda, mas os Estados Unidos baseiam  a residência fiscal no país onde uma empresa seja  constituída. Explorando a lacuna entre a legislação tributária das duas nações, Apple Operations International não se apresentou a pagar os respectivos impostos em nenhum dos dois países nem em qualquer outro país, nos últimos cinco anos. De 2009 a 2012, os seus lucros cifrar-se-iam em 30 mil milhões de dólares.

Uma segunda subsidiária irlandesa pretendendo que não é residente fiscal em lado nenhum  é Apple Sales Internacional que, de 2009 a 2012, teve receitas de vendas que terão totalizado 74 mil milhões de dólares.  A empresa parece ter pago impostos sobre apenas uma pequena fracção das suas receitas, resultando, por exemplo, numa taxa efectiva de imposto de 2011 de apenas cinco centésimas   de um por cento, ou seja, 0,05 %. A terceira filial irlandesa é Apple Operations Europe. Além da criação de filiais residentes não-fiscais, Apple Inc. utilizou as brechas fiscais da lei americana  para evitar pagar os seus impostos nos EUA sobre 44 mil milhões que de outra maneira seriam sujeitos a tributação ao longo dos últimos quatro anos, ou seja foram cerca de 10 mil milhões que fiscalmente fugiram anualmente ao fisco.

O memorando Levin-McCain oferece recomendações para se acabar com as brechas fiscais sobre as empresas offshore. Eles incluem o reforço das regras americanas sobre os  preços de transferência e proposta para  reformar as brechas legais  chamadas de  “check-the-box” e de  “look-through” as quais permitem que as empresas multinacionais possam proteger os seus rendimentos offshore da tributação fiscal americana .

A audição de  terça-feira terá o testemunho de três painéis de testemunhos:

  • Harvard Professor Stephen Shay and Villanova Professor J. Richard Harvey;
  • Apple Chief Executive Officer Tim Cook, Chief Financial Officer Peter Oppenheimer, and Tax Operations Head Phillip Bullock;

And

  • Mark Mazur, Treasury Assistant Secretary for Tax Policy, and Samuel Maruca, IRS Director of Transfer Pricing Operations.
Texto  obtido em http://www.levin.senate.gov/ e sob o título  Subcommittee to Examine Offshore Profit Shifting and Tax Avoidance by Apple Inc., Monday, May 20, 2013, sob o título

About joaompmachado

Nome completo: João Manuel Pacheco Machado

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: