HIROXIMA E VIETNAME: MEMÓRIA POÉTICA E CONSCIÊNCIA ÉTICA* – 3 – por Manuel Simões

(Conclusão)

Mais ainda do que em Hiroxima, a nova antologia, embora um tanto veladamente (mas trata-se de textos poéticos), oferece não poucos momentos de reflexão sobre a incomodidade que acompanha o sujeito neste “exemplar espectáculo/ onde somos a bala e o corpo baleado e/ lavoura do crime e o crime/ com raiva gritado”, como se lê no magnifico poema “Vietname: outra maneira”, de Casimiro de Brito (pp. 37-38). E não raro o discurso sobre o Vietname evoca outra guerra, mais próxima e muitas vezes sentida na própria pele: “Soldado me fizeram// E eu fiz da espingarda negra/ Uma canção de paz/ Que a morte não levou” (César Oliveira, “O amor e a guerra”, p. 39); ou aproxima duas geografias distantes mas unidas pela solidariedade e pela resistência à opressão (Manuel Alegre, “Vietname”, p. 78):

Caem lá longe, mas amanhã,

amanhã podem cair aqui

as bombas que caem no Vietname.

 

Caem lá longe mas estão aqui

as bombas que caem no Vietname.

 

Porque é por ti, porque é por ti

que os homens morrem no Vietname.

 É este o sentido de “O Vietname a Ocidente”, de Orlando Cardoso, que vitupera os “discursos/ defendendo a guerra/ civilizadora e santa” e a “crueldade heróica/ dos heróis inúteis” (p. 86); ou ainda de “Os Aviões”, de Sophia de Mello Breyner Andresen, poema construído a partir do efeito da passagem dos aviões em duas dimensões espaciais contrastantes: num aqui (“sossego branco dos muros onde moro”) e “noutro lugar noutro silêncio”, lugar de morte e de desencontro do equilíbrio programado pela harmonia do mundo. A um “aqui” em que” depressa passa o pássaro vibrante/ De novo tomba a lua sobre as flores/ E o cipreste contempla o seu próprio silêncio” (p. 102) corresponde a vertigem da crueldade desfigurando o homem e o direito a sê-lo inteiramente:

Porém noutro lugar noutro silêncio

Bandos passaram em bandos de terror

E a morte nasceu dos ovos que deixaram

 

A lua não encontrou depois as flores

Ninguém morava dentro dos muros brancos

E a noite em vão buscava o seu cipreste (p. 102).

 Perante tão grande humilhação da humanidade, não será surpreendente – já o disseram os coordenadores no citado prefácio – verificar a extraordinária motivação literária da guerra do Vietname, numa repercussão mundial de que todas as literaturas deram testemunho. Na já citada conferência de 1952, analisando a teoria da composição poética, já João Cabral de Melo Neto se refere ao grande preconceito “contra o poeta que se impõe um tema, contra o poeta para quem cantar tem uma utilidade e para quem cabe a essa utilidade determinar o canto”[1]. Para os Autores das duas antologias a “utilidade” nunca é vista como mutilação mas como identificação; e isto sem perder de vista a específica expressão literária do discurso poético, na sua plurifuncionalidade de acto de comunicação e de fruição estética.

_____________

[1] J.C.Melo Neto, op. at., p. 11. Acrescenta ainda o grande poeta: “Os temas que eles costumam desprezar como indignos são temas que ocuparam alguns dos poetas mais altos que já existiram – os temas da vida dos  homens” (Ibidem, p. 12).

One comment

  1. Maria Laura Madeira

    É por isto que eu gosto do Chiado
    do dito proscrito da polémica estátua
    do rasto subindo e descendo
    as ruas que o seu nome engoliu

    Diz-se que nem ao rio se chegava
    para deixar humores e pestilência
    Ria e debochava de freiras e putas
    de marqueses e marujos

    Nem sei onde dormia

    Foi violado e criado entre casas caídas
    e rastejou entre ruas infectas

    Há sobre todas as tragédias um liso
    pano de memórias rotas
    e às vezes nos buracos uns poetas

    Maria Laura Madeira

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: